Surfistas da WSL, contam sobre rotinas, ações sociais e lições que estão tirando, desta pandemia.

Publicado por AdrenaNews 367 views0

Vários Surfistas da WSL, cada um à sua maneira, cometam como estão enfrentando de forma positiva este período delicado de isolamento social.

Os Brazucas, Gabriel Medina, Italo Ferreira e Filipe Toledo. Foto: Kelly Cestari – WSL

Ítalo Ferreira, Gabriel Medina, Filipe Toledo, Adriano de Souza, Lucas Chumbo, Lucas Vicente, Tainá Hinckel, Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima, João Chianca, Miguel Pupo e Willian Cardoso, todos tem um pensamento em comum: que essa pandemia da Covid-19 está ensinando a humanidade a valorizar as coisas mais simples da vida, a desacelerar e também que é preciso cuidar mais do planeta.

Os atletas, destaques nos circuitos da WSL – World Surf League, estão obedecendo as normas de segurança à saúde e contam estar em um momento de reflexão sobre si mesmos, a vida e o mundo. O atual campeão mundial Ítalo Ferreira conta que está treinando muito para manter a forma, em sua mini-academia em casa, além de tomar cuidado com a alimentação.

Ítalo Ferreira em ação. Foto: Tony Heff – WSL

 “Aqui em Baia Formosa (RN) não temos casos/mortes pela Covid-19.A entrada de turistas está bloqueada para evitar aglomerações e a proliferação do vírus. Com as devidas precauções, tenho treinado dentro e fora da água”, afirma o número 1 do Circuito Mundial (CT) 2019. “Às vezes posto treinos para incentivar as pessoas a fazerem o mesmo e se sentirem bem. Mas tento aproveitar a vida sem as mídias sociais e tem sido uma ótima experiência”, completa.

Desde o comunicado do isolamento social, Gabriel Medina está em Maresias, São Sebastião (litoral norte do Estado de São Paulo). “Estou ativo, faço exercícios físicos diariamente, leio, aprendo violão, faço vídeos no aplicativo TikTok e assisto series e filmes”, diz o bicampeão mundial (2014 e 2018) e segundo no ranking da WSL.

Gabriel Medina em ação. Foto: Kelly Cestari – WSL

Considerado um dos melhores atletas de ondas gigantes do mundo, Lucas Chumbo conta que também tem treinado e assistido séries. “Estou em Saquarema (RJ) e confesso que está difícil ficar longe do mar. Mas temos de respeitar as autoridades e ficar em casa”, diz o vencedor do Nazaré Tow Surfing Challenge 2020 (Portugal), na categoria Melhor Dupla.

Lucas Chumbo em ação. Foto: Laurent Masurel – WSL

Da mesma forma pensa a cearense Silvana Lima. “Estou limpando a casa, cozinhando e brincando com os meus cinco cães. Acostumei a ficar sem surfar e sem academia, por causa das operações (para curar lesões no joelho direito), que me afastaram por oito meses”, conta a 12º no ranking do CT 2019, classificada para representar o Brasil nos Jogos de Tóquio, no ano que vem. Eleita oito vezes a Melhor Surfista Brasileira, Silvana chegou ao vice-campeonato mundial por duas temporadas.

Silvana Lima em ação. Foto: Damien Poullenot – WSL

João Chianca, campeão sul-americano da WSL Latin America em 2019, recentemente teve uma pequena lesão no tornozelo, conta que não vê a hora de surfar novamente. “Não vejo a hora de voltar à competição e sei que vou vestir a lycra novamente muito em breve”.

João Chianca em ação. Foto: Keoki Saguibo – WSL

Conhecido como Mineirinho, Adriano de Souza, campeão mundial em 2015, diz que ficou cinco semanas em isolamento, mas como mora em Florianópolis (SC), onde as praias estão liberadas, já voltou a surfar. “Estou com saudades dos meus pais, que moram no Guarujá e estão no grupo de risco, mas não posso ir vê-los”, diz, chateado, o atleta.

Adriano de Souza em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

Também de Floripa, Lucas Vicente, campeão mundial na categoria Pro Júnior da World Surf League, afirma que voltou a surfar, mas durante a quarentena diz ter se dedicado à culinária: “Tenho aprendido novas receitas”. Essa pandemia, na visão de Lucas Vicente, veio para mostrar que a felicidade está nas coisas mais simples. “Na correria do dia a dia a gente esquece o que é realmente importante”.

Lucas Vicente em ação. Foto Matt Dunbar – WSL

E a gaúcha Tatiana Weston-Webb (filha de uma brasileira com um inglês) se diz abençoada: “Aqui no Kauai (ilha do arquipélago havaiano) podemos surfar e estou passeando nas cachoeiras, plantando no meu jardim, cozinhando e me alimentando muito bem. Fazendo coisas que me deixam feliz”. A atleta está morando com o noivo, o surfista Jesse Mendes.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Catt Miers – WSL

“Estávamos juntos quando descobrimos sobre a pandemia e quando nossos eventos foram cancelados, decidimos permanecer juntos e Jessé veio para Kauai. Não queríamos de jeito nenhum ficar longe, como geralmente acontece quando a temporada está off”, diz a atleta que ficou em 6º no ranking do CT 2019 e que tem garantida a vaga nos Jogos Olímpicos 2021.

Curtindo os filhos:

Há pelo menos sete anos, o surfista Filipe Toledo, o Filipinho, conta que não ficava tanto com sua família como atualmente. “Aqui na Califórnia houve um período mais severo, aproveitei para cuidar da casa, curtir meus filhos, Mahina e Koa, e andar com meu simulador de surfe smoothstar, que me aproxima do esporte. Agora que já temos algumas praias liberadas, volto para a água”, diz o quarto colocado no ranking mundial.

Filipe Toledo em ação. Foto: Ed Sloane – WSL

Também aproveita para ficar com as filhas o atleta Miguel Pupo: “Pude ver a Serena falar as primeiras palavras e a Luna aprender várias coisas. Perdemos isso quando estamos na estrada. Mas sinto falta das competições, que parecem estar distantes”, diz o surfista, que em 2019 se concentrou 100% na série qualificatória QS e recuperou sua vaga entre os melhores do mundo, com o sétimo lugar no ranking, quando venceu uma etapa do WSL Qualifying Series QS 10000 na Espanha.

Miguel Pupo em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Outro que está mais perto do filho é Willian Cardoso: “Estou sem surfar desde que voltei da Austrália. Dá saudade das viagens, mas estou feliz e brincando com o Lucas”. Cardoso entrou na elite pelo QS 2017 e conquistou uma vitória no seu ano de estreia no circuito mundial CT, em 2018, na etapa de Uluwatu, na Indonésia.

William Cardoso em ação. Foto Matt Dunbar – WSL

Ações do bem:

Usando o exemplo da iniciativa do skatista Pedro Barros, Adriano de Souza conta que ‘entrou de cabeça’ em uma ação do bem. “Usamos o site Vakinha para arrecadar fundos em uma rifa, Pedro doou o seu skate e eu minha prancha e a lycra. Arrecadamos R$ 9 mil e compramos em torno de 10 toneladas de alimentos que foram distribuídos para comunidades carentes. Faremos mais ações e vamos beneficiar, também, creches”.

Outra ação bacana que envolveu além de Mineirinho, Toledo, Pupo e Peterson Crisanto foi o Campeonato Virtual de Surf Bico Branco, idealizado pelo pai de Yago Dora (Leandro Dora) e realizado no final de abril. A iniciativa premiou com R$ 10 mil surfistas sem patrocínios e que não estão conseguindo premiações em dinheiro por conta da pandemia.

Peterson Crisanto em ação. Foto: Kelly Cestari – WSL

Já Medina, a namorada, Yasmin Brunet, seus irmãos, Felipe e Sophia Medina e a mãe, Simone Medina, customizaram camisetas Tie-Dye para leilão e o valor arrecadado será doado para população mais carente. Apesar desta ação, a declaração do surfista é só para mãe: “Ela tem feito um trabalho incrível durante essa pandemia e ajudado o máximo que pode a nossa comunidade. Nas últimas semanas foram distribuídas milhares de cestas básicas para os mais vulneráveis. Fico com muito orgulho dela”.

Sophia Medina em ação. Foto: Divulgação – Rip Curl

Silvana Lima também conta que faz doações: “estou com a rifa de um Kit bem irado, porque tem muita gente passando por dificuldades é hora de ajudar”.

Sabe-se que Ítalo também faz doações em sua comunidade, mas ele não gosta de falar a respeito: “Sempre ajudo porque é dessa forma que retribuo o que ganho. Mas não faço questão de mostrar”. Segue o mesmo pensamento Chumbo, que conta também ter feito boas ações, no entanto ele acredita que o bem possa ser feito sem a necessidade de se postar em mídias sociais. Já Tatiana, que tem participado de campanhas beneficentes online, acredita que é algo do coração e não há necessidade de expor este tipo de ação.

A WSL, em parceria com os melhores surfistas do mundo, também está com ação do bem, que incentiva seus atletas a ajudarem os negócios locais de suas cidades. Trata-se da campanha #StayLocal, que tem os dizeres: “encomende uma nova prancha no shaper local, compre presentes na loja de surf local ou peça cafés on-line no café local. As comunidades são compostas por pessoas e, se você puder, o #StayLocal está incentivando a ajudá-las. Os atletas estão fazendo o mesmo no apoio às suas respectivas comunidades locais e a WSL está igualando seu apoio através do programa #StayLocal”.

A pandemia e o isolamento:

“É algo que me faz pensar. Será que não devemos desacelerar um pouco? Mudar nossos hábitos? Cuidar mais do planeta? Tenho fé e acredito que vamos tirar uma lição importante disso. São tantas coisas que temos que repensar e melhorar para termos um mundo melhor”, reflete Medina. Adriano de Souza também acredita que essa pandemia está sendo a maior lição para todos: “Quando íamos imaginar que algo assim pararia o mundo, pegando todos de surpresa? Está sendo um grande aprendizado, uma lição”, diz.

Para Silvana, todos temos que ter muito respeito e amor para com as pessoas que estão trabalhando ou fazendo boas ações, arriscando a vida pelos outros. “Por isso devemos mesmo ficar em casa e ter o máximo cuidado possível”, comenta. “Acho que nada acontece por acaso e devemos sempre tentar tirar o melhor. Então vamos pensar pelo lado bom, o tanto que grandes empresas e pessoas têm se mobilizado para enfrentar o coronavírus”, completa Chumbo.

A catarinense Tainá Hinckel, bicampeã sul-americana Pro Junior da WSL Latin America (2016 e 2019), também é beneficiada com o retorno ao mar: “Acho legal estar liberado o surfe, desde que as pessoas respeitem a distância de segurança”. Tainá Hinckel, defende que “a natureza tem um poder gigante e precisa de um tempo, nós retiramos/exigimos muito dela, mas esquecemos do cuidado, carinho e respeito que devemos ter”.

Tainá Hinckel em ação. Foto: Damien Poullenot – WSL

Tatiana, por sua vez, diz que passa o ano todo em campeonatos e muito focada em seu próprio universo, mas afirma que a pandemia a fez mudar. “Tenho pensando muito mais nas pessoas do que em mim. Acho que hoje muita gente está mais ligada no mundo inteiro”.

Já Toledo acredita que a pandemia é uma mensagem do Criador, que tenta nos dizer que talvez é para cuidarmos mais de nosso planeta, de nossas vidas, nossas famílias, para que tenhamos mais compaixão, mais amor e empatia. “Espero que a gente melhore como ser humano”, diz. Da mesma maneira pensa o potiguar Ítalo Ferreira: “Esse é um tempo de reflexão para todos nós. Temos de agradecer pela vida e pensar no que podemos melhorar”, finaliza o campeão.

Sobre a World Surf League (WSL) – A WSL tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia (EUA), atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão. Promove os melhores campeonatos desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga Mundial de Surfe tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial. Os principais campeonatos são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo gratuito. A World Surf League é pioneira em streaming online para uma enorme legião de fãs apaixonados e interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, John John Florence e muitos brasileiros, como Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Ítalo Ferreira, Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb, competindo em um dos esportes mais imprevisíveis e dinâmicos do mundo, onde a coragem é imprescindível.

Reportagem:  Casa do Bom Conteúdo – WSL Latin America

Edição: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72