Sandro Dias, nomeado embaixador dos JEB’s – Projeto Skate Escola vai levar o esporte a mais de 03 mil crianças e adolescentes pelo Brasil.

Publicado por AdrenaNews 0

Sandro Dias entra para o time de embaixadores dos JEB’s. Projeto Skate Escola vai levar o esporte olímpico a mais de três mil crianças e adolescentes pelo Brasil.

Sandro Dias em ação. Foto: Garth Milan – Red Bull

Mineirinho é o 15º confirmado na lista de referências para os 6,2 mil atletas de 12 a 14 anos que vão participar do evento entre 29 de outubro e 5 de novembro no Rio de Janeiro de 2021. Um dos principais nomes da história do skate brasileiro, o paulista Sandro Dias, hoje com 45 anos, é mais um integrante do grupo de figuras ilustres do esporte nacional a aceitar o convite para ser embaixador dos Jogos Escolares Brasileiros. Após um intervalo de 17 anos, os JEB’s vão reunir no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro, 6,2 mil atletas com idade entre 12 e 14 anos entre os dias 29 de outubro e 5 de novembro.

Sandro Dias durante o Oi STU. Foto: Julio Detefon

Sandro Dias, ou Mineirinho, como é mais conhecido, ostenta no currículo o hexacampeonato mundial pela World Cup Skateboarding (2003, 2004, 2005, 2006, 2007 e 2011), foi tricampeão europeu (2001, 2003 e 2005) e medalha de ouro dos X Games de Los Angeles (2006). “Estou bem feliz com esse convite, bem feliz mesmo. Diria até que estou me sentindo homenageado por ser o padrinho do skate nos Jogos Escolares”, comentou o atleta.

“O Sandro é mais um nome consagrado do esporte nacional que conseguimos agregar a essa lista virtuosa de referências. O grupo será um grande espelho de treinamento duro, conquistas, perseverança e amor à bandeira brasileira para esses meninos e meninas que estarão experimentando um megaevento esportivo pela primeira vez”, comentou o secretário especial do Esporte do Ministério da Cidadania, Marcelo Magalhães.

O ano de 2021 será especial para o skate. O esporte é uma das novidades no programa olímpico. Vai estrear nos Jogos de Tóquio em competições nas modalidades Street e Park, no masculino e no feminino. Há um total de 80 vagas (40 em cada naipe, 20 delas para cada modalidade). Ainda não há definição oficial dos nomes classificados, mas o Brasil tem chances reais de não só qualificar atletas na janela que se estende até junho de 2021, mas de brigar pelos quatro ouros em disputa. O limite máximo é de três atletas por país em cada uma das modalidades, no masculino e no feminino. As competições em Tóquio serão no Parque Urbano de Ariaque, no mesmo espaço em que serão disputadas as provas de ciclismo BMX.

O skatista é o 15º nome confirmado numa lista que também contempla o craque Zico, do Flamengo, além de Falcão (ídolo do futsal), Nenê Hilário (17 anos pela NBA), Daniel Dias (multicampeão da natação paralímpica), Arthur Zanetti (campeão olímpico na ginástica artística), Maurren Maggi (única brasileira campeã olímpica no atletismo), Jacqueline Silva (campeã olímpica no vôlei de praia), Serginho e Giba (campeões olímpicos no vôlei), André Domingos (medalhista olímpico no atletismo), Mayra Aguiar (bicampeã mundial no judô e duas vezes medalhista olímpica), Flávia Saraiva (destaque da seleção de ginástica artística), José Aldo (bicampeão do UFC) e Renzo Gracie (mestre em jiu-jitsu).

Projeto Skate Escola:

E as novidades não param pois no ano em que o skate se torna oficialmente esporte olímpico e estará presente nos Jogos de Tóquio, a prática conhecida pelas manobras radicais vai passar a fazer parte do cotidiano de muitos alunos brasileiros. A partir de março, o projeto Skate Escola, parceria do Governo Federal com prefeituras, vai levar aulas de skate a crianças e adolescentes de seis a 17 anos, no horário contrário às aulas escolares, como forma de estimular a pratica esportiva no público jovem.

Pista em escola Estrutural, em Brasília (DF). Foto: Francisco Medeiros – Ministério da Cidadania

“O Skate Escola vem para difundir, apoiar e permitir a prática da modalidade nos municípios parceiros e, por meio de sua força atrativa e complexidade psicomotora, contribuir para o desenvolvimento físico, mental e social dos beneficiados”, afirma Fabíola Molina, secretária Nacional de Esporte, Educação, Lazer e Inclusão Social (Snelis) da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania.

Em fase de implementação, o projeto tem como foco, além da expansão do esporte e do desenvolvimento dos jovens, o combate à evasão escolar, à criminalidade e ao uso de entorpecentes. “Além do físico, os valores que você conquista com o esporte são muito importantes, como autoconfiança, autoestima, o que para o jovem é decisivo. Ele passa a se enxergar como pessoa capaz, aprende valores de superação, a alcançar objetivos e ter resiliência. Tudo isso é um grande ganho na formação de crianças e adolescentes como cidadãos”.

A parceria entre a Secretaria Especial do Esporte com os municípios foi firmada em dezembro de 2020, com vigência de 16 meses. São quatro de implementação e 12 meses de atividades. O orçamento total do projeto é de R$ 2,8 milhões, com projeção de 3.840 beneficiados.

A dinâmica do projeto prevê formação de quatro turmas por trimestre com o número máximo de 15 alunos cada. Os meninos e meninas serão divididos por faixa etária e os materiais como equipamento de proteção e skate serão fornecidos. Cada núcleo será composto por um professor de educação física, um instrutor de skate e um coordenador técnico, que farão a supervisão das aulas.

A princípio, o projeto será realizado em cinco estados e no Distrito Federal, totalizando 17 núcleos, em Bombinhas (SC), São José dos Pinhais (PR), Porto Alegre (RS), Santos (SP), Santo Ângelo (RS), Santa Mariana (PR), Teresina (PI), Balneário Camboriú (SC), Florianópolis (SC), São José dos Campos (SP), Brasília (DF) e Guarulhos (SP). Todas as cidades têm pistas de skate públicas já construídas. Algumas aulas serão ministradas dentro de escolas que possuem a estrutura.

Skate Park de Bombinhas em Santa Catarina. Foto: Divulgação – Prefeitura Municipal de Bombinhas

Na capital federal, por exemplo, três escolas que já possuem pistas de skate receberão as aulas, nas regiões do Plano Piloto, Estrutural e Itapoã. Segundo o secretário de Educação do Distrito Federal, Leandro Cruz, o DF aderiu ao projeto para diversificar a aprendizagem e atrair as crianças. “Verificamos um déficit referente às propostas de atividades de aventura, atrelada à educação e a ausência de métodos de ensino em modalidades dessa vertente. E, nesse quesito, o skate é um dos esportes mais praticados no Brasil”. Segundo ele, a prática do skate será um ganho à educação. “A democratização do skate, com ferramentas adequadas, pode colaborar na prática esportiva nas escolas, e também ajudar na aprendizagem dos estudantes, além de possibilitar a redução das taxas de abandono e aumento do rendimento escolar.”

Outro elo estratégico para o projeto é a Confederação Brasileira de Skate (CBSK). “Com o projeto, vamos unir duas frentes fundamentais para toda modalidade: formação de base estruturada agregada à construção de cidadania. Ao mesmo tempo em que fomentamos a prática do skate, ensinando fundamentos básicos do esporte, vamos promover a inclusão social de crianças e pré-adolescentes, beneficiando familiares e a comunidade como um todo”, avalia Eduardo Musa, presidente da CBSK.

Neste momento de implementação do Skate Escola, as secretarias de educação municipais estão em fase de estruturação do projeto, com mobilização da rede, estabelecimento de cronogramas de trabalho, definições pedagógicas de acompanhamento e contratação de profissionais. A CBSk atuará na qualificação dos profissionais que irão trabalhar no projeto.

Os JEB’s:

Os Jogos Escolares Brasileiros de 2021 vão reunir mais de 6,2 mil atletas das 27 unidades da Federação no Rio de Janeiro. A competição terá disputas em 17 modalidades: atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, vôlei, vôlei de praia, natação, tênis de mesa, xadrez, caratê, wrestling, ginástica artística, ginástica rítmica, badminton, ciclismo e taekwondo. Além disso, o evento contará com as seguintes modalidades demonstrativas: skate, escalada, dança, curling e polo aquático.

A estimativa é que 16 dos esportes do programa oficial tenham como palco o Parque Olímpico da Barra. O atletismo será em outro local porque não há pista oficial no Parque Olímpico. As alternativas são as instalações militares reformadas para os Jogos Rio 2016.

Do total de 17 modalidades oficiais, nove são seletivas para os Jogos Sul-Americanos Escolares, que serão disputados em Brasília, em dezembro deste ano: atletismo, basquete, futsal, handebol, judô, vôlei, natação, tênis de mesa e xadrez. Destinada a atletas escolares nascidos em 2007, 2008 e 2009, os Jogos Escolares Brasileiros são organizados pela Confederação Brasileira de Desporto Escolar (CBDE), em parceria com a Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania, e contam com o apoio da Federação de Esportes Estudantis do Rio de Janeiro (FEERJ).

Reportagem: Edson “Adrena” Andrade (Fontes: CBSk e Diretoria de Comunicação – Ministério da Cidadania)

Edição: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72