Rising Tides WSL Girls Program – Será nesta quarta-feira o inicio das ativações em Saquarema – Assistam aos vídeos!

Publicado por AdrenaNews 0

Quem não gostaria de surfar e conversar com as tops do surfe mundial? Será nesta quarta-feira o Rising Tides – WSL Girls Program, 1º evento, parte das ativações do Oi Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema. Acessem aos links abaixo com os vídeos sobre o programa.

Meninas em ação. Foto: Damien Poullenot – WSL

ASSISTAM AOS VÍDEOS, CLICANDO NOS PLAYERS ABAIXO:

Rio – Rising Tides: WSL Girl’s Program:

J-Bay – Rising Tides: WSL Girl’s Program:

O Rising Tides é um projeto da WSL, que teve início em 2019, e tem como objetivo primordial aproximar surfistas amadoras das atletas da elite mundial, por meio de um bate-papo trocar experiências, conversar sobre carreira e fortalecer o surfe feminino. O projeto será mais uma vez comandado pela embaixadora do surfe feminino da WSL, Marina Werneck, onde aproximadamente 60 meninas, entre 9 e 15 anos, terão esse privilégio.

Marina Werneck comandando o Rising Tides em 2019. Foto: Damien Poullenot – WSL

“Será incrível comandar pela segunda vez, numa etapa brasileira do CT, o Rising Tides, um programa da WSL exclusivo para meninas da nova geração do surfe nacional, é muito importante essa inciativa. A etapa de Saquarema marca a volta das ativações do Rising Tides ao calendário e é algo que dá um impacto muito positivo para meninas tão jovens que sonham com uma carreira profissional. Ter acesso diretamente aos seus ídolos e vivenciar em um ambiente de surfe de alto nível, as inspira muito”, explica Marina Werneck, free surfer, após uma década competindo na elite nacional, representou o Brasil em competições pelo mundo, a atleta é uma das principais vozes das mulheres no esporte.

Marina destaca que este projeto é uma oportunidade única que pode mudar vidas. “É muito gratificante estar super envolvida e em contato com todas as meninas, acompanhar esse crescimento e ver a quantidade de novos nomes dedicados ao surfe já competindo, filiadas às federações e associações e os pais incentivando. Tudo muito legal”, enfatiza a atleta que fala da novidade, pois o projeto da WSL não para por aí. “Vamos conectar o Rising Tides com o Seaflowers, que é nossa plataforma de surfe feminino no Brasil que dará continuidade a tudo isso e ajudará no planejamento de carreiras. Estou superfeliz que vamos vivenciar essa evolução”. O Seaflowers tem como objetivo revelar novos talentos e empoderar meninas e inspirá-las por meio do surfe.

O Rising Tides também rodou o mundo em 2019 nas etapas do Havaí, Portugal, França, Austrália, EUA, África do Sul, entre outros países, mas foi pausado nas duas últimas temporadas, devido à pandemia, e retorna com tudo em Saquarema, quando atletas do CT como Tatiana Weston-Webb, Silvana Lima, Stephanie Gilmore, Jacqueline Silva, Coco Ho, Brisa Hennessy, além de Yago Dora, Jesse Mendes e Willian Cardoso estarão recebendo a nova geração.

Bronte Macaulay ensinando uma menina na Austrália. Foto: Cait Miers – WSL

Para Ivan Martinho, CEO da WSL Latin America, a iniciativa da WSL já vem colhendo frutos. “Essa proximidade com atletas da elite ajuda a quebrar uma barreira, incentiva o crescimento do surfe feminino no país para que essas meninas possam fazer do surfe uma carreira. Algumas que participaram do Rising Tides em 2019, hoje, já estão conquistando títulos e a evolução foi notória”, destaca. Entre as jovens atletas que participaram da 1ª edição em Saquarema e que atualmente estão competindo no WSL Qualifying Series estão Sophia Medina, Bela Nalu, Tainá Hinckel e Júlia Duarte.

Júlia Duarte em ação. Foto: Tony D’andrea

Nova geração: Isabelle Nalu, mais conhecida como Bela Nalu, 15 anos, é uma das atletas da nova geração. Nascida em Honolulu (Havaí), reside em Santa Catarina e começou a competir aos 12 anos. Apontada como uma das grandes revelações do surfe feminino brasileiro tem o surfe no DNA, é filha do surfista de ondas gigantes, Everaldo “Pato” Teixeira. Em 2019 participou da 1ª edição do Rising Tides e tem boas recordações: “O que mais gostei foi poder estar uma manhã inteira com as atletas do CT, conversar com elas e surfar junto. Nos deram lycra também. Acredito que esse ano será melhor ainda.”

Isabelle Nalu em ação. Foto: Marcio David

Animada para participar na próxima semana do projeto durante o Oi Rio Pro apresentado por Corona, a jovem surfista acaba de retornar de uma competição nos EUA. “Acho muito legal a WSL incentivar as meninas a entrarem em contato com os surfistas profissionais e em um ambiente super irado como a do campeonato mundial. Me inspira e faz com que a gente queira evoluir mais e surfar mais ainda para sermos como eles no futuro”, finaliza Bela.

Covid-19: A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o www.worldsurfleague.com  A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

O Oi Rio Pro apresentado pela Corona tem patrocínio da Oi, Corona, Havaianas, Oakley, Hydro Flask, Banco do Brasil, BB Asset Management, Enel, TikTok, Prefeitura de Saquarema, Secretaria de Esporte e Lazer do Governo do Rio de Janeiro, 51 Ice, Localiza, Oakberry, Australian Gold, NewOn, UniCesumar e BFGoodrich.

Reportagem: Mercia Suzuki – Casa do Bom Conteúdo

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas