Rip Curl WSL Finals 2021 – 04 Brazucas na decisão inédita dos títulos mundiais

Publicado por AdrenaNews 0

04 Brazucas na decisão inédita dos títulos mundiais no Rip Curl WSL Finals 2021. Gabriel Medina, Italo Ferreira e Filipe Toledo e Tatiana Weston-Webb, disputam com seus adversários no melhor dia de ondas entre 9 e 17 de setembro.

Pela primeira vez em 45 anos de história, os títulos mundiais serão disputados pelos top-5 do ranking e quatro surfistas da seleção brasileira da WSL estão na briga. O inédito Rip Curl WSL Finals será realizado nas ondas de alta performance de Lower Trestles, em San Clemente, na Califórnia. Gabriel Medina, Italo Ferreira e Filipe Toledo, encabeçam o ranking masculino e serão os últimos a entrar no sistema mata-mata da competição.

Gabriel Medina em ação. Foto: Thiago Diz – WSL

No feminino, Tatiana Weston-Webb é a vice-líder e vai disputar a bateria que definirá a adversária da líder, Carissa Moore, na decisão do título feminino. Diferente dos outros anos, desde o primeiro Circuito Mundial de Surfe Profissional em 1976, os campeões da temporada não serão os que terminaram em primeiro lugar no ranking.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

A World Surf League está inaugurando esse ano uma nova era para o esporte, com os cinco melhores tendo a chance de disputar o título mundial em um evento especial. Os top-5 e as top-5 do World Surf League Championship Tour 2021, foram definidos na sétima etapa do ano, o Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver, encerrado no último dia 13, em Barra de La Cruz no México. Os rankings computaram os cinco melhores resultados de cada atleta nas sete etapas.

Barra de La Cruz em ação. Foto: Sean Rowland – WSL

“Todas as atenções estão voltadas para o Rip Curl WSL Finals e estamos muito animados em terminar a temporada de 2021 coroando os campeões mundiais em Lower Trestles”, disse Jessi Miley-Dyer, gerente geral de circuitos e competições da World Surf League. “Será um dia histórico para o surfe, com os títulos mundiais masculino e feminino sendo decididos no mesmo dia, pelos cinco melhores surfistas de cada categoria. Não vejo a hora de chegar o evento para ver quem irá levar o título mundial para casa”.

Lower Trestles em ação. Foto: Sean Rowland – WSL

Os líderes dos rankings, Gabriel Medina e Carissa Moore, possuem as maiores chances de conquistar os títulos, pois terão o privilégio de disputar uma melhor de três baterias, contra quem passar pelos outros confrontos mata-mata do Rip Curl WSL Finals. A primeira medalhista de ouro da história do surfe nas Olimpíadas vai tentar seu quinto título e Gabriel Medina pode se tornar o sexto surfista a ser campeão três vezes nos 45 anos do Circuito Mundial.

Carissa Moore em ação. Foto: Cait Myers – WSL

Se conseguir, será um tricampeonato consecutivo do Brasil. O próprio Medina ganhou o primeiro em 2014 e Adriano de Souza já venceu o segundo no ano seguinte. O bicampeonato se repetiu com Gabriel em 2018 e o medalhista de ouro Italo Ferreira em 2019. Neste ano, ainda tem Filipe Toledo buscando seu primeiro título. Ele mora em San Clemente, na Califórnia e conhece muito bem as ondas de Trestles. Filipe chegou nas semifinais das três últimas etapas do CT nessa praia, ficando em terceiro lugar nas duas primeiras e ganhando a última em 2017, numa dobradinha brasileira no alto do pódio com Silvana Lima.

Filipe Toledo em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

DECISÃO DOS TÍTULOS – A batalha pelo título mundial de 2021 no Rip Curl WSL Finals, vai começar com um duelo entre o quarto e quinto colocados no ranking, o norte-americano Conner Coffin e o australiano Morgan Cibilic, respectivamente. Quem passar, enfrenta Filipe Toledo e o vencedor vai disputar com Italo Ferreira, a vaga para a decisão do título com Gabriel Medina em uma melhor de três baterias.

Conner Coffin em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

Em 2019, o campeão foi definido na última bateria do ano também, com Italo Ferreira, ganhando o título decidido na final contra Medina no Billabong Pipe Masters. Nesse evento, foi registrada a maior audiência mundial de fãs acompanhando o último dia da competição. A expectativa é que isso se repita no dia que acontecer o Rip Curl WSL Finals, no período de 9 a 17 de setembro.

Italo Ferreira em ação. Foto: Kelly Cestari – WSL

Se Gabriel Medina, aguarda seus adversários, entre as mulheres, Tatiana Weston-Webb pela primeira vez terminou uma temporada em segundo lugar no ranking e tentará um inédito título feminino para o Brasil. A batalha será duríssima, não só para ela, mas para qualquer surfista, conseguir ganhar uma melhor de três baterias com a tetracampeã mundial e medalhista olímpica, Carissa Moore.

Gabriel Medina e Tatiana Weston-Webb. Foto: Matt Dunbar – WSL

Para chegar na decisão do título com a havaiana, Tatiana terá que derrotar a vencedora do duelo da terceira do ranking, Sally Fitzgibbons, com quem passar pelo primeiro confronto feminino, da também australiana e heptacampeã mundial, Stephanie Gilmore, com a francesa Johanne Defay. A brasileira terá que se superar, pois todas as quatro finalistas têm vantagem em baterias disputadas com ela em etapas do CT.

Sally Fitzgibbons em ação. Foto: Cait Myers – WSL

ASSISTA AO VIVO – A janela de realização do Rip Curl WSL Finals vai de 9 a 17 de setembro e a decisão dos títulos acontecerá no melhor dia de ondas deste período. O evento será transmitido AO VIVO no WorldSurfLeague.com e YouTube, pelo aplicativo grátis da WSL e também pela ESPN Brasil.

COVID-19 – A saúde e a segurança dos atletas, do staff e da comunidade local são de extrema importância e a WSL tem trabalhado em colaboração com as autoridades locais para implementar um protocolo robusto de procedimentos. Isso inclui testes, triagem avançada, distanciamento físico e pessoal limitado no local.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin América

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72