Rip Curl Rottnest Search – Divulgada as chaves de baterias para a estreia em Rottnest.

Publicado por AdrenaNews 231 views0

A última etapa na Austrália será o Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona, que começa no próximo domingo na ilha Rottnest, em West Austrália, noite do sábado no Brasil.

Rottnest Island em ação. Foto: Justin Majeks – WSL

A seleção brasileira está dominando a “perna australiana” do World Surf League Championship Tour 2021, ganhando quatro dos seis títulos disputados nas três primeiras etapas. Pela primeira vez, o ranking mundial é encabeçado por três brasileiros, com Gabriel Medina em primeiro, seguido por Ítalo Ferreira e Filipe Toledo, que assumiu a terceira posição com a vitória no Boost Mobile Margaret River Pro na segunda-feira. É, também, a primeira vez na história de todas as modalidades esportivas individuais, que o Brasil ocupa os três primeiros lugares no ranking mundial.

Gabriel Medina comemorando. Foto: Matt Dunbar – WSL

Os líderes serão os primeiros surfistas da seleção brasileira a competir nas esquerdas de Strickland Bay, na ilha de Rottnest, que está estreando no calendário da World Surf League e é localizada cerca de 20 Km de Perth, a capital de West Australia. Filipe Toledo está na quarta bateria com Ethan Ewing e Liam O´Brien. Na quinta, os campeões mundiais Italo Ferreira e Adriano de Souza, enfrentam um ilustre convidado desta etapa, Taj Burrow. Na sexta, Gabriel Medina entra com a lycra amarela para defender a liderança do ranking contra mais dois australianos, Jack Freestone e Kael Walsh.

Taj Burrow em ação. Foto: Kelly Cestari – WSL

“Estou animado pela oportunidade de voltar a vestir a lycra de competição pela última vez”, disse Taj Burrow, que mora na região da Austrália Ocidental. “Eu adoro Rottnest Island e acho que será um evento incrivelmente divertido para todos. Estou me sentindo feliz e bem relaxado, nem um pouco preocupado em vencer. Só quero mesmo mostrar à minha família o que fiz em toda a minha vida e será ótimo também voltar a encontrar todos meus amigos do Tour”.

Depois, a seleção brasileira continuará se apresentando da oitava até a 12.a e última bateria da primeira fase do Rip Curl Rottnest Search. Na oitava, Peterson Crisanto e Alex Ribeiro disputam duas vagas diretas para a terceira fase com o americano Conner Coffin. Na rodada inicial, ninguém é eliminado e os últimos colocados de cada, têm uma segunda chance na repescagem.

Na nona bateria, Jadson André enfrenta dois europeus, o português Frederico Morais e o italiano Leonardo Fioravanti. Na décima, tem Miguel Pupo contra o francês Jeremy Flores e o havaiano Seth Moniz. Na 11.a acontece outra participação dupla do Brasil, com Caio Ibelli e Yago Dora, contra o taitiano Michel Bourez. E na 12.a, Deivid Silva encara dois australianos na briga pelas últimas vagas diretas para a terceira fase, Morgan Cibilic e Julian Wilson.

Rottnest Island em ação. Foto: Justin Majeks – WSL

PERNA AUSTRALIANA – Até agora, a seleção brasileira conquistou quatro dos seis títulos disputados nesta nova “perna australiana” do World Surf League Championship Tour apresentada pela Corona. A primeira foi encerrada com uma decisão verde-amarela, com Ítalo Ferreira ganhando de Gabriel Medina a bateria final do Rip Curl Newcastle Cup. A segunda terminou com duas finais Brasil x Estados Unidos, que terminou empatada em 1 a 1.

Medina já tinha tirado a lycra amarela de número 1 do mundo do Ítalo e deu um show contra Conner Coffin, mas Tatiana Weston-Webb perdeu para Caroline Marks, a briga pelo segundo lugar no ranking decidido na final do Rip Curl Narrabeen Classic em Sidney. Já na terceira, deu dobradinha brasileira com Filipe Toledo e Tatiana Weston-Webb vencendo o Boost Mobile Margaret River Pro, derrotando Jordy Smith e Stephanie Gilmore.

Tatiana Weston-Webb e Filipe Toledo campeões do Boost Mobile Margaret River Pro apresentado pela Corona. Foto: Cait Miers – WSL

CATEGORIA FEMININA – Na categoria feminina, a única surfista da seleção brasileira vai competir como vice-líder no ranking pela primeira vez em 2021, que segue com a havaiana Carissa Moore na frente. A gaúcha Tatiana Weston-Webb completou com Filipe Toledo, uma dobradinha verde-amarela no alto do pódio que não acontecia desde 2017, quando o mesmo Filipe e a cearense Silvana Lima venceram o Hurley Pro at Trestles, no palco escolhido para o Rip Curl WSL Finals decidir os títulos mundiais de 2021 na Califórnia.

A segunda vitória da carreira da Tatiana em etapas do CT foi espetacular, derrotando a melhor surfista de todos os tempos, a heptacampeã mundial Stephanie Gilmore, na final do Boost Mobile Margaret River Pro. A brasileira assumiu o segundo lugar no ranking e a australiana subiu do quinto para o terceiro lugar. As norte-americanas Carissa Moore e Caroline Marks e a australiana Tyler Wright, completam a lista provisória das top-5 que vão disputar os títulos mundiais em setembro no Rip Curl WSL Finals em Trestles.

Tatiana foi finalista nas duas últimas etapas da “perna australiana”. Perdeu a decisão do Rip Curl Narrabeen Classic em Sidney para Caroline Marks, depois de barrar a líder Carissa Moore nas semifinais. Mas, ganhou o título em Margaret River e foi escalada para estrear nas esquerdas de Strickland Bay na segunda bateria do Rip Curl Rottnest Search, com a australiana Keely Andrew e a japonesa Amuro Tsuzuki, substituta da contundida Lakey Peterson.

TOPS CONTUNDIDOS – Enquanto a seleção brasileira está completa e ganhando quase tudo na “perna australiana”, o time norte-americano vai acumulando desfalques a cada etapa. Lakey Peterson se lesionou antes da segunda etapa em Sidney e o havaiano John John Florence contundiu o joelho na oitava de final contra o paranaense Peterson Crisanto em Margaret River. Outros dois surfistas dos Estados Unidos na elite do CT 2021, Kelly Slater e Kolohe Andino, nem conseguiram competir nas etapas da Austrália.

No Rip Curl Rottnest Island, Kolohe será mais uma vez substituído por Mikey Wright e Liam O´Brien entra na vaga de Slater. Para a do John John Florence, outro australiano foi convocado, Stuart Kennedy. Quem também se contundiu em Margaret River foi o veterano Adrian Buchan e no seu lugar entrará o já aposentado Taj Burrow, que vai voltar a competir na bateria contra dois campeões mundiais do Brasil, Ítalo Ferreira e Adriano de Souza.

Rottnest Island em ação. Foto: Justin Majeks – WSL

Completam a lista das novidades australianas para enfrentar os melhores surfistas do mundo em Rottnest Island, o convidado da Rip Curl, Jacob Willcox, e os classificados pelas triagens que definiram os últimos participantes, Kael Walsh e Mia McCarthy. Os dois vão enfrentar os líderes do ranking na primeira fase do Rip Curl Rottnest Search. Kael está na sexta bateria com o bicampeão mundial Gabriel Medina e Jack Freestone. Mia entra na terceira com duas havaianas, a tetracampeã mundial Carrisa Moore e Malia Manuel.

O Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo Youtube e aplicativo da WSL e pelos canais da ESPN Brasil. O prazo desta etapa que fecha “perna australiana” do World Surf League Championship Tour 2021 começa no dia 16 e vai até 26 de maio na ilha de Rottnest, em West Australia.

PRIMEIRA FASE DO RIP CURL ROTTNEST SEARCH:

CATEGORIA MASCULINA – 1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.o=Segunda Fase:

1.a: Griffin Colapinto (EUA), Owen Wright (AUS), Mikey Wright (AUS)
2.a: Kanoa Igarashi (JPN), Jack Robinson (AUS), Jacob Willcox (AUS)
3.a: Jordy Smith (AFR), Wade Carmichal (AUS), Stuart Kennedy (AUS)
4.a: Filipe Toledo (BRA), Ethan Ewing (AUS), Liam O´Brien (AUS)
5.a: Ítalo Ferreira (BRA), Adriano de Souza (BRA), Taj Burrow (AUS)
6.a: Gabriel Medina (BRA), Jack Freestone (AUS), Kael Walsh (AUS)
7.a: Ryan Callinan (AUS), Matthew McGillivray (AFR), Connor O´Leary (AUS)
8.a: Conner Coffin (EUA), Peterson Crisanto (BRA), Alex Ribeiro (BRA)
9.a: Frederico Morais (PRT), Jadson André (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA)
10.a: Jeremy Flores (FRA), Seth Moniz (EUA), Miguel Pupo (BRA)
11.a: Caio Ibelli (BRA), Yago Dora (BRA), Michel Bourez (FRA)
12.a: Morgan Cibilic (AUS), Julian Wilson (AUS), Deivid Silva (BRA)

CATEGORIA FEMININA – 1.a e 2.a=Oitavas de Final / 3.a=Segunda Fase:

1.a: Stephanie Gilmore (AUS), Bronte Macaulay (AUS), Macy Callaghan (AUS)
2.a: Tatiana Weston-Webb (BRA), Keely Andrew (AUS), Amuro Tsuzuki (JPN)
3.a: Carissa Moore (EUA), Malia Manuel (EUA), Mia McCarthy (AUS)
4.a: Caroline Marks (EUA), Courtney Conlogue (EUA), Brisa Hennessy (CRI)
5.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Isabella Nichols (AUS), Sage Erickson (EUA)
6.a: Tyler Wright (AUS), Johanne Defay (FRA), Nikki Van Dijk (AUS)

TOP-10 DO RANKING 2021 DA WORLD SURF LEAGUE – após 4 etapas:

1.o- Gabriel Medina (BRA) – 28.920 pontos
2.o- Italo Ferreira (BRA) – 24.150
3.o- Filipe Toledo (BRA) – 20.735
4.o- John John Florence (EUA) – 19.395
5.o- Jordy Smith (AFR) – 19.185
6.o- Griffin Colapinto (EUA) – 16.820
7.o- Kanoa Igarashi (JPN) – 16.130
8.o- Ryan Callinan (AUS) – 14.140
8.o- Conner Coffin (EUA) – 14.140
10.o- Frederico Morais (PRT) – 14.055

Outros brasileiros:

12.o- Caio Ibelli (BRA) – 11.290 pontos
13.o- Yago Dora (BRA) – 10.725
15.o- Jadson André (BRA) – 10.225
17.o- Peterson Crisanto (BRA) – 9.300
20.o- Deivid Silva (BRA) – 8.735
23.o- Adriano de Souza (BRA) – 7.670
25.o- Miguel Pupo (BRA) – 7.310
31.o- Alex Ribeiro (BRA) – 4.255

TOP-10 DO RANKING FEMININO DA WORLD SURF LEAGUE:

1.a- Carissa Moore (EUA) – 29.970 pontos
2.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 26.495
3.a- Stephanie Gilmore (AUS) – 22.035
4.a- Caroline Marks (EUA) – 21.305
5.a- Tyler Wright (AUS) – 19.965
6.a- Sally Fitzgibbons (AUS) – 18.185
7.a- Johanne Defay (FRA) – 16.845
8.a- Isabella Nichols (AUS) – 16.200
9.a- Courtney Conlogue (EUA) – 14.485
9.a- Bronte Macaulay (AUS) – 14.485
9.a- Keely Andrew (AUS) – 14.485

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

Reportagem: Edson “Adrena” Andrade e João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72