Rip Curl Rottnest Search – 08 Brazucas já estão classificados para o terceiro round – Assistam aos Vídeos.

Publicado por AdrenaNews 0

As previsões Se confirmaram e começou a etapa inédita do Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona. 08 Brazucas já estão classificados para o terceiro round.

Gabriel Medina em ação. Foto: Cait Miers – WSL

O domingo em Strickland Bay na ilha de Rottnest, no West Australia, foram de boas ondas rápidas de um metrão com as maiores das séries, chegando aos dois metros com formações regulares. Foi um dia longo de disputas com as 12 baterias do seending round masculino e as oito do feminino, sendo realizadas. A primeira chamada para as repescagens será as 7h15 da segunda-feira na Austrália, 20h15 do domingo no Brasil e as previsões indicam boas condições.

A seleção brazuca continuou o domínio na “perna australiana” do World Surf League Championship Tour 2021, com os Favoritos Medina e Filipe Toledo vencendo suas baterias e Adriano de Souza, superando Ítalo Ferreira em uma hora muito ruim do mar onde os surfistas encontraram dificuldades de encontrar ondas com paredes.

Ítalo Ferreira ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

A bateria de abertura do dia foi com os irmãos Mikey Wright e Owen Wright em uma bateria de três com o californiano Griffin Colapinto. Isso marcou a primeira vez que os irmãos se encontraram em uma bateria do CT. Embora Owen tenha conseguido surfar uma excelente de 8,00 pontos (de 10 possíveis), foi o irmão mais novo Mikey que conquistou a vitória com uma combinação de duas ondas de 10,97 (de 20 possíveis). Foi uma vitória muito necessária para Mikey, já que ele tem lutado para sair da rodada eliminatória nos últimos três eventos.

Mikey Wright em ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Campeão da etapa passada, que foi encerrada na segunda-feira em Margaret River, Filipe Toledo abriu a apresentação da seleção brazuca na quarta bateria. Ele começou bem em uma boa esquerda, iniciando com uma batida vertical de backside, seguindo com uma rasgada, finalizando com mais duas batidas fortes, largando na frente com nota 6,00. Depois pegou uma direita, acelerou e voou alto, sem completar o aéreo.

Filipe Toledo em ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Enquanto os australianos erravam suas manobras na bateria de poucas ondas, o número 3 do ranking achou uma esquerda no minuto final que possibilitou dois ataques no crítico, para somar 6,60 na vitória por 12,60 pontos. Ethan Ewing também passou para a terceira fase em segundo lugar com 6,70 pontos, contra 5,30 de Liam O´Brien, que caiu para a repescagem.

“Gastei muita energia semana passada em Margaret River, minha imunidade ficou bem baixa e estava gripado nos dois primeiros dias aqui, então hoje (domingo) foi meu primeiro dia de verdade surfando aqui em Rottnest”, contou Filipe Toledo. “Foi um pouco complicado acertar as pranchas, mas temos que manter o ritmo de competição e aproveitar o bom momento. É isso que eu quero fazer, usar a energia da vitória neste evento. Eu fiquei bem relaxado, procurei me divertir e estou feliz por ter vencido minha primeira bateria”.

O campeão da WSL 2015 Adriano de Souza está surfando as suas últimas baterias em águas australianas já que planeja se aposentar no final da temporada da elite 2021. Embora as condições fossem incrivelmente lentas, De Souza foi capaz de aproveitar ao máximo a bateria da primeira rodada com uma vitória sobre o atual nº 2 do mundo, Ítalo Ferreira e o ícone do surf da Austrália Ocidental, Taj Burrow. Burrow, que passou 18 anos no CT antes de se aposentar, não conseguiu encontrar ondas para avançar para as oitavas de final e espera ter mais ondas em sua próxima bateria.

Adriano de Souza em ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

“Quando vi que a bateria ia ser com o Taj (Burrow) que é um vencedor e o atual campeão mundial, junto comigo que ganhei o título de 2015, sabia que teria muitas expectativas. Mas, infelizmente, o oceano não colaborou dessa vez”, lamentou Adriano de Souza, que está encerrando sua carreira esse ano. “Eu tive sorte, porque o Ítalo e o Taj só tiveram notas baixas e eu remei na última onda da série que rendeu um 6,50. Foi uma pena que não deu ondas, mas foi demais surfar com o Taj. Ele sempre foi uma inspiração para mim, assim como o Mick (Fanning) e quero me espelhar neles quando parar de competir”.

Gabriel Medina deu um show com domínio total neste primeiro round em Strickland Bay, conquistando o maior somatório com um desempenho incrível nas esquerdas. Medina ganhou com uma exibição impecável fechando a bateria com um incrível alley-oop em uma combinação com um ar-reverse, que lhe rendeu um 9,33 para sacramentar sua vitória

“Eu amo essas duas combinações de aéreos ”, disse Medina. “Fiquei feliz por encontrar algumas ondas. A bateria antes da nossa foi super lenta, então eu sabia que haveria mais ondas na minha bateria. Esta é uma onda complicada, por isso fiquei feliz de me encontrar com um ritmo com as séries. Tenho surfado muito aqui e estou adorando. Tem sido muito divertido.”

Depois da apresentação dos campeões mundiais, a seleção brasileira da WSL conquistou mais quatro vitórias na rodada inicial do Rip Curl Rottnest Search. Alex Ribeiro conseguiu escapar da repescagem pela primeira vez no CT 2021 em uma bateria bastante disputada.

Alex Ribeiro em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Conner Coffin impediu a segunda dobradinha brazuca superando o paranaense Peterson Crisanto que mesmo surfando boas ondas terminou em último pela oitava bateria. Na seguinte, o potiguar Jadson André não teve muitas oportunidades para surfar em uma disputa fraca de ondas, contra o português Frederico Morais e o italiano Leonardo Fioravanti, também caindo para a repescagem.

Peterson Crisanto em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Na sequencia vieram três vitórias brasileiras fechando a primeira fase. O mar já estava bem melhor e o paulista Miguel Pupo ganhou uma das baterias mais disputadas do dia. Ele achou boas esquerdas para mostrar a força do seu frontside e ganhar por 13,70 pontos, contra 13,66 do havaiano Seth Moniz e 12,53 do francês Jeremy Flores. Pupo somou a maior nota, 7,77, mas a vitória foi confirmada na onda surfada no minuto final, que valeu o mesmo 5,93 da última de Seth Moniz, que computou um 7,73.

Miguel Pupo em ação. Foto: Cait Miers – WSL

A bateria seguinte foi a terceira com participação dupla do Brasil e começou com o taitiano Michel Bourez surfando um tubo incrível nas esquerdas de Strickland Bay. Um dos cinco juízes deu nota 10 para ele, com a média ficando em 9,63, superando o 9,33 dos aéreos de Gabriel Medina que era a maior do evento.

Michel Bourez ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Mas, o catarinense Yago Dora estava com seu frontside afiado nas esquerdas, atacando forte três ondas muito boas com grandes rasgadas e batidas potentes também abrindo enormes leques de água. Foram três ondas muito bem surfadas por Yago, que receberam notas 7,33, 7,93 e 8,23, chegando perto do outro recorde de Medina, 17,00 pontos.

Yago Dora ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

“Estava bem lento de manhã e demos sorte em ter essas condições na bateria. É sempre um choque quando um oponente começa com uma nota quase 10. O Michel (Bourez) achou um tubo incrível e foi uma onda que não tinha hoje, mas ele achou. Depois disso pensei, tudo bem, o segundo lugar também avança e só tentei mostrar meu surfe”, contou Yago Dora. “Aí fui melhorando minhas notas e ficando mais confiante após cada onda. Fazia tempo que eu não surfava ondas boas, limpas, numa bateria e talvez tenha ficado muito empolgado nas primeiras. Mas, depois fiquei mais calmo e surfei do jeito que eu gosto”.

O catarinense atingiu 16,16 e Michel Bourez ficou com a segunda vaga direta para a terceira fase somando 15,76 pontos. O paulista Caio Ibelli mesmo surfando boas ondas terminou em último com 11,57 e terá uma segunda chance na repescagem.

Caio Ibelli ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Na bateria que fechou a rodada inicial, Deivid Silva derrotou dois australianos por 12,50 pontos, o experiente Julian Wilson e o novato na elite, Morgan Cibilic.

Deivid Silva ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Na repescagem, os três brasileiros vão disputar as últimas vagas para a terceira fase do Rip Curl Rottnest Search. Caio Ibelli e Peterson Crisanto competem juntos na terceira bateria e vão tentar emplacar uma dobradinha verde-amarela contra um dos convidados dessa etapa, Stuart Kennedy. Depois, tem Jadson André com mais dois australianos na quarta e última bateria, Morgan Cibilic e Jacob Willcox. Quem também vai ter que disputar a repescagem é Tatiana Weston-Webb.

Jadson André em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Tatiana Weston-Webb na última segunda-feira, deu um show nas grandes ondas de Main Break para derrotar a heptacampeã mundial Stephanie Gilmore na decisão do título do Boost Mobile Margaret River Pro. Mas, sua primeira defesa da vice-liderança do ranking em Rottnest Island, aconteceu na bateria mais fraca de ondas do domingo em Strickland Bay.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

As três competidoras só surfaram duas ondas cada e a japonesa Amuro Tsuzuki começou bem para vencer por 7,80 pontos, contra 6,83 da australiana Keely Andrew e apenas 6,17 da brasileira. Assim como na categoria masculina, as duas primeiras colocadas avançaram para a terceira fase e Tatiana vai disputar a primeira eliminatória feminina do Rip Curl Rottnest Search, com as australianas Nikki Van Dijk e Mia McCarthy. Quem ficar em último novamente, termina em 17.o lugar na etapa que fecha a “perna australiana” do World Surf League Championship Tour.

Depois dessa bateria fraca de ondas da brasileira, o mar melhorou bastante nas próximas. A tetracampeã mundial e líder disparada do ranking 2021, Carissa Moore, deu mais um show na Austrália. Ela atacou uma onda de forma impressionante, combinando manobras com pressão e velocidade para arrancar nota 9,50 dos juízes. Com ela, totalizou 16,17 pontos, vencendo o confronto como recordista absoluta da competição feminina. A igualmente havaiana Malia Manuel surfou forte uma boa onda também que valeu nota 8,00 para passar em segundo com 14,50 pontos.

Carissa Moore em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Se nessa deu dobradinha havaiana sobre a australiana Mia McCarthy, a disputa seguinte terminou com outra classificação dupla dos Estados Unidos, com as californianas Courtney Conlogue e Caroline Marks superando a costa-ricense Brisa Hennessy. Courtney conseguiu a segunda maior nota das mulheres, 8,83, para derrotar a vice-campeã mundial e top-5 do ranking 2021, Caroline Marks, por 14,63 a 13,04 pontos.

Courtney Conlogue em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Ainda teve outra bateria com boas ondas para as três competidoras mostrarem seu surfe. A melhor nesse penúltimo confronto do dia foi outra americana, Sage Erickson, que venceu por 14,60 pontos somando as notas 6,77 e 7,83 das últimas ondas que surfou. Também passou direto para a terceira fase a australiana Sally Fitzgibbons, que totalizou 14,07 pontos com notas 7,10 e 6,97. As duas mandaram a australiana Isabella Nichols para a repescagem.

Sally Fitzgibbons em ação. Foto: Cait Miers – WSL

ASSISTAM AOS VÍDEOS NOS PLAYERS ABAIXO:

SEEDING ROUND HIGHLIGHTS:

O Nº 1 do mundo Gabriel Medina impulsiona grandes apresentações:

ASSISTAM EM PORTUGUÊS PRIMEIRO DIA:

O Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo Youtube e aplicativo da WSL e pelos canais da ESPN Brasil. Esta quinta etapa do World Surf League Championship Tour 2021 tem prazo até o dia 26 para fechar a “perna australiana” na ilha de Rottnest. A primeira chamada para as repescagens será as 7h15 da segunda-feira na Austrália, 20h15 do domingo no Brasil.

RESULTADOS DA PRIMEIRA FASE DO RIP CURL ROTTNEST SEARCH:

CATEGORIA MASCULINA – 1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.o=Segunda Fase:

1.a: 1-Mikey Wright (AUS)=10.97, 2-Owen Wright (AUS)=10.00, 3-Griffin Colapinto (EUA)=5.60
2.a: 1-Kanoa Igarashi (JPN)=12.77, 2-Jack Robinson (AUS)=11.20, 3-Jacob Willcox (AUS)=10.76
3.a: 1-Jordy Smith (AFR)=13.93, 2-Wade Carmichal (AUS)=9.40, 3-Stuart Kennedy (AUS)=8.13
4.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=12.60, 2-Ethan Ewing (AUS)=6.70, 3-Liam O´Brien (AUS)=5.30
5.a: 1-Adriano de Souza (BRA)=6.50, 2-Italo Ferreira (BRA)=5.83, 3-Taj Burrow (AUS)=0.70
6.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=17.00, 2-Kael Walsh (AUS)=9.00, 3-Jack Freestone (AUS)=5.96
7.a: 1-Ryan Callinan (AUS)=15.20, 2-Connor O´Leary (AUS)=15.03, 3-Matthew McGillivray (AFR)=10.94
8.a: 1-Alex Ribeiro (BRA)=13.57, 2-Conner Coffin (EUA)=13.43, 3-Peterson Crisanto (BRA)=11.50
9.a: 1-Frederico Morais (PRT)=11.83, 2-Leonardo Fioravanti (ITA)=11.27, 3-Jadson André (BRA)=5.03
10.a: 1-Miguel Pupo (BRA)=13.70, 2-Seth Moniz (EUA)=13.66, 3-Jeremy Flores (FRA)=12.53
11.a: 1-Yago Dora (BRA)=16.16, 2-Michel Bourez (FRA)=15.76, 3-Caio Ibelli (BRA)=11.57
12.a: 1-Deivid Silva (BRA)=12.50, 2-Julian Wilson (AUS)=11.20, 3-Morgan Cibilic (AUS)-6.06

CATEGORIA FEMININA – 1.a e 2.a=Oitavas de Final / 3.a=Segunda Fase:

1.a: 1-Macy Callaghan (AUS)=13.00, 2-Stephanie Gilmore (AUS)=11.70, 3-Bronte Macaulay (AUS)=8.76
2.a: 1-Amuro Tsuzuki (JPN)=7.80, 2-Keely Andrew (AUS)=6.83, 3-Tatiana Weston-Webb (BRA)=6.17
3.a: 1-Carissa Moore (EUA)=16.17, 2-Malia Manuel (EUA)=14.50, 3-Mia McCarthy (AUS)=5.64
4.a: 1-Courtney Conlogue (EUA)=14.63, 2-Caroline Marks (EUA)=13.04, 3-Brisa Hennessy (CRI)=12.93
5.a: 1-Sage Erickson (EUA)=14.60, 2-Sally Fitzgibbons (AUS)=14.07, 3-Isabella Nichols (AUS)=12.84
6.a: 1-Johanne Defay (FRA)=12.10, 2-Tyler Wright (AUS)=11.56, 3-Nikki Van Dijk (AUS)=9.16

PRÓXIMAS BATERIAS DO RIP CURL ROTTNEST SEARCH:

SEGUNDA FASE – 1.o e 2.o=Round 3 / 3.o=33.o lugar com 265 pontos:

1.a: Griffin Colapinto (EUA), Jack Freestone (AUS), Taj Burrow (AUS)
2.a: Jeremy Flores (FRA), Matthew McGillivray (AFR), Liam O´Brien (AUS)
3.a: Caio Ibelli (BRA), Peterson Crisanto (BRA), Stuart Kennedy (AUS)
4.a: Morgan Cibilic (AUS), Jadson André (BRA), Jacob Willcox (AUS)

SEGUNDA FASE – 1.a e 2.a=Oitavas de Final / 3.a=17.o lugar com 1.045 pontos:

1.a: Tatiana Weston-Webb (BRA), Nikki Van Dijk (AUS), Mia McCarthy (AUS)
2.a: Isabella Nichols (AUS), Bronte Macaulay (AUS), Brisa Hennessy (CRI)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

O Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona é orgulhosamente apoiado por nossos parceiros: Rip Curl, Tourism Western Australia, Corona, Red Bull, Oakley, Hydro Flask, Boost Mobile, Harvey Norman, Bonsoy, Dometic Outdoor, Bond University, Oakberry, Rottnest Island Authority e Rottnest Express. 

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

Reportagens: Edson “Adrena” Andrade e João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72