Rip Curl Pro Bells Beach – Quarta-feira das Tops – Assistam ao vídeo!

Publicado por AdrenaNews 0

A quarta-feira foi dedicado para as Tops nas ondas de Bells Beach pelo terceiro dia de disputas do Rip Curl Pro Bells Beach, quarta etapa do WSL Championship Tour 2022. Acessem ao link abaixo com o vídeo dos melhores momentos.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Aaron Hughes – World Surf League

ASSISTAM AO VÍDEO COM OS MELHORES MOMENTOS, CLICANDO NO PLAYER ABAIXO:

Rip Curl Pro Bells Beach – Highlights Day3:

A próxima chamada foi marcada para as 7h00 da quinta-feira na Austrália, 18h00 da quarta-feira no Brasil, ao vivo pelo WorldSurfLeague.com e pelo Globoplay.com.

Quartas de Final femininas do Rip Curl Pro Bells Beach definidas na Austrália. O evento retornou ao palco principal na quarta-feira cheia de surpresas nas ondas de 3-5 pés do Bowl de Bells Beach, em Victoria, no sul da Austrália.
Somente foram realizadas as oitavas de final femininas e o dia começou com a eliminação de três integrantes do grupo das top-5 do ranking. Uma delas, a brasileira Tatiana Weston-Webb, que já caiu do quarto para o quinto lugar. Ela foi ultrapassada pela australiana Tyler Wright, que fez um novo recorde de 17,24 pontos para a temporada 2022.

Tyler Wright em ação. Foto: Aaron Hughes – World Surf League

Tatiana era grande favorita contra Bronte Macaulay. A atual vice-campeã mundial vinha de vitória na etapa passada, em Portugal, já havia enfrentado 17 vezes a australiana em etapas do CT, superando-a em 12 baterias. A última foi na terça-feira em Winkipop, na abertura do Rip Curl Pro Bells Beach. No entanto, dessa vez, Bronte foi impecável na escolha das melhores ondas e usou muita força e verticalidade nas manobras de backside, para largar na frente com nota 8,33. O máximo que Tatiana conseguiu foi um 5,57 e a australiana selou a vitória por 15,66 a 10,90 pontos, com a nota 7,33 da sua última onda.

Bronte Macaulay em ação. Foto: Aaron Hughes – World Surf League

“É sempre muito difícil enfrentar a Tatiana nas baterias”, disse Bronte Macaulay. “Ela tem um backhand muito forte, mas eu estava muito excitada para surfar hoje. Eu estava me sentindo tão competitiva antes da bateria, como há muito tempo não sentia, então foi emocionante conseguir mostrar o meu surfe. Eu também tive sorte em trabalhar com o Jordy, que mora aqui em Bells e me deu algumas dicas incríveis sobre a escolha das ondas. Isso definitivamente me ajudou a pegar as mais limpas e as melhores que entraram na bateria”.

Bronte Macaulay perdeu sua vaga na elite das top-17 do CT no ano passado e vem substituindo a norte-americana Caroline Marks, que se contundiu no Havaí. A derrota de Tatiana Weston-Webb foi a última das top-5 do ranking na quarta-feira. Antes, a vice-líder Lakey Peterson tinha perdido para a 16.a colocada, Courtney Conlogue, e a número 5, Malia Manuel, foi eliminada pela 17.a, Sally Fitzgibbons. Bronte agora terá um duelo australiano com Tyler Wright nas quartas de final.

A bicampeã mundial Tyler, foi a única que superou seus 15,66 pontos na quarta-feira, estabelecendo um novo recorde feminino para o CT 2022. Tyler voltou a mostrar a potência do seu frontside nas direitas de Bells Beach, com uma apresentação incrível. Ela já começou com nota 8,17 o confronto com a jovem havaiana Gabriela Bryan.

Depois, surfou melhor ainda para arrancar 9,07 dos juízes, a maior nota do Rip Curl Pro Bells Beach esse ano. Com ela, totalizou 17,24 pontos, superando os 16,67 que a francesa Johanne Defay tinha registrado no topo dos recordes do CT 2022, na terça-feira em Winkipop.

Johanne Defay em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

“Foi realmente muito divertido e muito especial, porque fazia 4 anos que eu não surfava aqui em Bells”, revelou Tyler Wright, que já tirou Malia Manuel do grupo das top-5. “Fazia bastante tempo que eu não conseguia surfar do jeito que eu gosto e estou começando a sentir isso novamente, então essa bateria foi muito emocionante para mim. Eu olho para o meu corpo e sinto estar poderoso, forte e conectado com o meu surfe. Acho que é a primeira vez que me sinto assim em 4 anos e esse é um evento que eu realmente quero muito ganhar”.

TETRACAMPEÃS: Tyler Wright nunca badalou o sino do troféu da vitória em Bells Beach, enquanto a heptacampeã mundial, Stephanie Gilmore, já viveu essa emoção quatro vezes. A última foi em 2018, derrotando a brasileira Tatiana Weston-Webb na final. Desde o início do Circuito Mundial Feminino em 1977, a única tetracampeã da história do Rip Curl Pro Bells Beach era a californiana Lisa Andersen na década de 90. Entre os homens, três surfistas conseguiram esse feito, Mark Richards, Kelly Slater e Mick Fanning.

Stephanie Gilmore em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

Stephanie Gilmore não pôde competir na primeira etapa do World Surf League Championship Tour 2022 em Pipeline, por ter testado positivo para o Covid-19. Ela e outras surfistas mais experientes que já foram vice-campeãs mundiais, Sally Fitzgibbons e Courtney Conlogue, vem sofrendo com a força da nova geração que entrou no CT este ano. As três estavam abaixo da linha de corte na elite, que vai acontecer na próxima etapa, em Margaret River.

Então, precisavam de um bom resultado e todas avançaram para as quartas de final. Gilmore passou bem pela jovem novata da Austrália, India Robinson, e entrou no grupo das 10 que seguirão disputando a segunda metade da temporada, com vagas já garantidas no CT 2023. As outras duas ainda estão fora do G-10, mas subiram para o 11.o e 12.o lugar no ranking, respectivamente. Só que apenas uma delas poderá entrar na zona de classificação nesta etapa.

QUARTAS DE FINAL: Courtney Conlogue e Sally Fitzgibbons terão um confronto direto na abertura das quartas de final do Rip Curl Pro Bells Beach. Quem vencer, tira a havaiana Gabriela Bryan da lista. A segunda batalha por vaga nas semifinais será entre Tyler Wright e Bronte Macaulay.

Sally Fitzgibbons em ação. Foto: Aaron Hughes – World Surf League

Na chave de baixo, tem um duelo de campeãs mundiais, entre Stephanie Gilmore e Carissa Moore. E na última bateria, a líder do ranking, Brisa Hennessy, da Costa Rica, enfrenta a francesa Johanne Defay.

Brisa Hennessy em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

MASCULINO: Na categoria masculina, 32 atletas ainda vão disputar classificação para as oitavas de final. Os oito surfistas da seleção brasileira da WSL estão na terceira fase, que deve abrir o próximo dia de competição em Bells Beach. Caio Ibelli entra na segunda bateria com o americano Nat Young. Na quarta, tem o peruano Lucca Mesinas com Ethan Ewing e na seguinte o vice-campeão mundial Filipe Toledo enfrenta o também australiano Mikey Wright.

Na sétima bateria, o estreante na seleção brasileira, João Chianca, encara o bicampeão mundial e defensor do título do Rip Curl Pro Bells Beach, John John Florence. Na 11.a, tem um duelo verde-amarelo entre Miguel Pupo e Deivid Silva e na seguinte é Jadson André contra Kolohe Andino. Depois, Samuel Pupo enfrenta outro americano, Jake Marshall, na 15.a bateria e Italo Ferreira disputa a última vaga para as oitavas de final com o australiano Ryan Callinan.

RESULTADOS DA QUARTA-FEIRA EM BELLS BEACH:

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 13.000 e 2.610 pontos:

1.a: Courtney Conlogue (EUA) 13,84 x 9,00 Lakey Peterson (EUA)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 12,93 x 12,60 Malia Manuel (HAV)
3.a: Bronte Macaulay (AUS) 15,66 x 10,90 Tatiana Weston-Webb (BRA)
4.a: Tyler Wright (AUS) 17,24 x 13,37 Gabriela Bryan (HAV)
5.a: Carissa Moore (HAV) 14,60 x 12,07 Alyssa Spencer (EUA)
6.a: Stephanie Gilmore (AUS) 14,90 x 13,23 India Robinson (AUS)
7.a: Brisa Hennessy (CRI) 13,57 x 12,26 Luana Silva (HAV)
8.a: Johanne Defay (FRA) 13,00 x 11,26 Isabella Nichols (AUS)

PRÓXIMAS BATERIAS DO RIP CURL PRO BELLS BEACH:

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 16.000 e 4.745 pontos:

1.a: Courtney Conlogue (EUA) x Sally Fitzgibbons (AUS)
2.a: Tyler Wright (AUS) x Bronte Macaulay (AUS)
3.a: Carissa Moore (HAV) x Stephanie Gilmore (AUS)
4.a: Brisa Hennessy (CRI) x Johanne Defay (FRA)

TERCEIRA FASE – Vitória=Oitavas de Final / 2.o=17.o lugar com US$ 10.000 e 1.330 pts:

1.a: Griffin Colapinto (EUA) x Owen Wright (AUS)
2.a: Caio Ibelli (BRA) x Nat Young (EUA)
3.a: Jordy Smith (AFR) x Jackson Baker (AUS)
4.a: Ethan Ewing (AUS) x Lucca Mesinas (PER)
5.a: Filipe Toledo (BRA) x Mikey Wright (AUS)
6.a: Connor O´Leary (AUS) x Ezekiel Lau (HAV)
7.a: John John Florence (HAV) x João Chianca (BRA)
8.a: Barron Mamiya (HAV) x Morgan Cibilic (AUS)
9.a: Kanoa Igarashi (JPN) x Mick Fanning (AUS)
10: Frederico Morais (PRT) x Callum Robson (AUS)
11: Miguel Pupo (BRA) x Deivid Silva (BRA)
12: Kolohe Andino (EUA) x Jadson André (BRA)
13: Kelly Slater (EUA) x Imaikalani Devault (HAV)
14: Jack Robinson (AUS) x Leonardo Fioravanti (ITA)
15: Jake Marshall (EUA) x Samuel Pupo (BRA)
16: Italo Ferreira (BRA) x Ryan Callinan (AUS)

COVID-19: A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19. Os procedimentos incluem triagem pré-evento em conformidade com as diretrizes estaduais e locais, que recomenda o uso de máscara em toda a arena do evento.

TRANSMISSÃO AO VIVO: O prazo desta quarta etapa do World Surf League Championship Tour 2022 vai até o dia 20 na Austrália, ao vivo pelo WorldSurfLeague.com, pelo WSL app, pelo YouTube da WSL e com transmissão no Brasil pelo Globoplay, GE.Globo.com e a partir das quartas de final pelos canais Sportv.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

O Rip Curl Pro Bells Beach é patrocinado pela Rip Curl, Visit Vic, Red Bull, Shiseido, Oakley, Hydro Flask, Expedia, Surf Coast Shire, TAC, Bond University, Harvey Norman, Bonsoy, Boost Mobile, Oakberry, Dometic, Coopers, FCS e Pura Vida.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – World Surf League

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas