Quiksilver/Roxy Pro G-Land – 04 Brazucas estreiam com vitórias em Money Trees – Assistam aos vídeos!

Publicado por AdrenaNews 0

O Quiksilver/Roxy Pro G-Land foi iniciado neste sábado, com ondas de 3-5 pés na seção Money Trees em Grajagan Bay. Acessem aos links abaixo com os vídeos dos melhores momentos.

Lineup G-Land, Banyuwangi, Indonésia. Foto: Ed Sloane – World Surf League

ASSISTAM AOS VÍDEOS, CLICANDO NOS PLAYERS ABAIXO:

Quiksilver/Roxy Pro G-Land Day 1 Highlights:

Quiksilver/Roxy Pro G-Land Day 1 Top 5:

TRANSMISSÃO AO VIVO: O Quiksilver/Roxy Pro G-Land começou no sábado e tem prazo até 6 de junho para ser encerrado na Indonésia. O evento está sendo transmitido ao vivo pelo WorldSurfLeague.com, pelo WSL app, pelo YouTube da WSL e pelo Globoplay e a partir das quartas de final pelo canal SporTV canal SporTV. Para os fãs do Brasil, a transmissão pelo YouTube é interrompida quando começarem as quartas de final e continua apenas pelo canal SporTV e WorldSurfLeague.com. A primeira chamada para as repescagens foi marcada para as 6h30 do domingo na Indonésia, 20h30 do sábado no Brasil. O fuso horário são de 10 horas a mais do Brasil,

No primeiro dia, foram realizadas as primeiras fases das duas categorias, com todos os 24 surfistas da masculina e as 12 da feminina divididos em baterias de três atletas. O dia começou com as disputas pelo Roxy Pro G-Land, com as baterias começando as 9h45 na Indonésia, 23h45 da sexta-feira no Brasil. A líder Brisa Hennessy com sua camisa amarela, venceu, a australiana Bronte Macaulay e a francesa, Johanne Defay na segunda bateria.a

Brisa Hennessy em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

O primeiro destaque do Roxy Pro G-Land foi a pentacampeã mundial Carissa Moore. A havaiana surfou um belo tubo e atacou forte outra esquerda que abriu uma longa parede para ela fazer várias manobras. Carissa fez as marcas a serem batidas nesta sexta etapa do WSL Championship Tour, 17,16 pontos somando notas 8,83 e 8,33.

Carissa Moore em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

A vice-campeã mundial Tatiana Weston-Webb ganhou a última bateria feminina do sábado e passou direto para as quartas de final, com o número reduzido de competidoras após o corte na elite para a segunda metade do World Surf League (WSL) Championship Tour 2022. Tatiana, entrou no confronto seguinte e só surfou duas ondas. A primeira foi muito boa, completando um belo tubo, finalizando com uma batida forte na junção, que valeram 8,67. Na outra, conseguiu 6,50 para derrotar a bicampeã mundial Tyler Wright e Lakey Peterson por 15,17 pontos.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

“Essa é a minha primeira vez aqui em G-Land e esse lugar é incrível”, disse Tatiana Weston-Webb. “Eu acho que tive sorte de pegar aquela onda perfeita, eu sabia que ia formar o tubo e ainda consegui fazer uma manobra forte no final. É quase inacreditável estar aqui podendo surfar uma esquerda de sonho como essa. Sou muito grata pela oportunidade e quero até agradecer a WSL, pelo esforço em realizar um evento nesse lugar maravilhoso”.

O Quiksilver Pro G-Land começou logo após a disputas femininas nas esquerdas perfeitas de Grajagan Bay, ou G-Land. Os vencedores avançaram direto para as oitavas de final e os outros dois terão uma nova chance de classificação nos duelos homem a homem iniciados na repescagem. O australiano Ethan Ewing pegou a melhor onda e conseguiu uma nota excelente – 8,50 – para superar o brasileiro Jadson André por 13,37 a 12,67 pontos, com o sul-africano Jordy Smith ficando em último com 12,33.

Jordy Smith em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

Yago Dora ficou em segundo lugar na vitória do bicampeão mundial John John Florence na terceira bateria. Na bateria seguinte o vice-campeão mundial, Filipe Toledo, perdeu por pouco no confronto definido por menos de 1 ponto de diferença entre os três competidores. O indonesiano Rio Waida venceu por 11,83 pontos, contra 11,66 do norte-americano Nat Young e 10,80 do número 1 da temporada 2022, Filipe Toledo.

Yago Dora em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

RECORDE DO DIA: A seguir foi a primeira com participação dupla do Brasil no Quiksilver Pro G-Land e o campeão olímpico, Italo Ferreira, dominou o confronto desde a primeira onda que surfou. Ele atacou forte com uma série de batidas e rasgadas, antes de sumir dentro do tubo e ao sair finalizou com batidas e rasgadas fortes. Os juízes deram nota 8,33, que ele somou com 6,83 para fazer o recorde de 15,16 pontos na categoria masculina. O americano Jake Marshall ficou em segundo com 9,67 e Caio Ibelli em último com 6,53 apenas.

Italo Ferreira em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

“Estou muito feliz por ter sido abençoado com aquela primeira onda muito boa e por começar com vitória aqui”, disse Italo Ferreira. “É a primeira vez que venho para cá e estou amarradão por finalmente surfar uma esquerda nessa temporada. As séries estão demorando um pouco para entrar, mas quando as ondas vêm, são excelentes. A onda daqui te oferece muitas oportunidades para fazer manobras, surfar tubos e até para os aéreos. Eu tenho surfado direto desde que cheguei e agora é entrar focado também na próxima bateria”.

O campeão mundial de 2019 e primeiro medalhista de ouro na história do surfe nas Olimpíadas, Italo Ferreira, parece ter mostrado o caminho das vitórias para a seleção brasileira da WSL em G-Land. Depois, Miguel Pupo derrotou o havaiano Barron Mamiya e o australiano Connor O´Leary por 12,77 pontos na penúltima bateria.

Miguel Pupo em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

E na última bateria, o tricampeão mundial Gabriel Medina achou uma onda que rendeu dois tubos e uma nota 8,07. Com ela, Medina venceu o também brasileiro Samuel Pupo e o australiano Callum Robson por 11,70 pontos. O estreante na elite deste ano, Samuel Pupo, foi o quinto brasileiro a cair para a repescagem do Quiksilver Pro G-Land.

Gabriel Medina em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

E o primeiro confronto eliminatório do Quiksilver Pro G-Land será 100% brasileiro. O atual líder do ranking, Filipe Toledo, vai enfrentar Yago Dora na primeira competição do catarinense, após a cirurgia no pé que impediu sua participação na primeira metade do CT 2022. Ele foi chamado para substituir o havaiano Seth Moniz, que se contundiu treinando em G-Land. Os dois não conseguiram ganhar suas primeiras baterias no sábado.

Filipe Toledo em ação. Foto: Ed Sloane – World Surf League

Na segunda bateria, terá Caio Ibelli contra o sul-africano Matthew McGillivray. Depois, Jadson André enfrenta na quinta o havaiano Barron Mamiya e Samuel Pupo na sexta com Kelly Slater, ele terá que encarar o único participante que competiu em G-Land, nas três edições do CT que aconteceram 25 anos atrás. Ele já enfrentou o onze vezes campeão mundial uma vez esse ano e o derrotou na primeira fase do MEO Pro Portugal em Supertubos.

Kelly Slater em ação. Foto: Matt Dunbar – World Surf League

Os vencedores se classificam para as oitavas de final e quem perder termina em 17.o lugar no Quiksilver Pro G-Land, marcando 1.330 pontos no ranking e recebendo 12.125 dólares pela participação.

RESULTADOS DO SÁBADO EM G-LAND NA INDONÉSIA:

PRIMEIRA FASE DO QUIKSILVER PRO G-LAND:
——-1.o=Oitavas de Final / 2.o e 3.o=Segunda Fase ou Repescagem

1.a: 1-Ethan Ewing (AUS)=13.37, 2-Jadson André (BRA)=12.67, 3-Jordy Smith (AFR)=12.33
2.a: 1-Jack Robinson (AUS)=11.54, 2-Kelly Slater (EUA)=8.34, 3-Jackson Baker (AUS)=7.17
3.a: 1-John John Florence (HAV)=13.94, 2-Yago Dora (BRA)=11.67, 3-Kolohe Andino (EUA)=7.00
4.a: 1-Rio Waida (IDN)=11.83, 2-Nat Young (EUA)=11.66, 3-Filipe Toledo (BRA)=10.80
5.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=15.16, 2-Jake Marshall (EUA)=9.67, 3-Caio Ibelli (BRA)=6.53
6.a: 1-Griffin Colapinto (EUA)=14.00, 2-Kanoa Igarashi (JPN)=9.64, 3-Matthew McGillivray (AFR)=8.46
7.a: 1-Miguel Pupo (BRA)=12.77, 2-Barron Mamiya (HAV)=11.37, 3-Connor O´Leary (AUS)=10.07
8.a: 1-Gabriel Medina (BRA)=11.70, 2-Samuel Pupo (BRA)=8.20, 3-Callum Robson (AUS)=6.14

PRIMEIRA FASE DO ROXY PRO G-LAND:
——-1.a=Quartas de Final / 2.a e 3.a=Segunda Fase ou Repescagem

1.a: 1-Stephanie Gilmore (AUS)=10.40, 2-Courtney Conlogue (EUA)=9.90, 3-Isabella Nichols (AUS)=8.30
2.a: 1-Brisa Hennessy (CRI)=13.83, 2-Bronte Macaulay (AUS)=13.27, 3-Johanne Defay (FRA)=13.20
3.a: 1-Carissa Moore (HAV)=17.16, 2-Gabriela Bryan (HAV)=15.04, 3-Sally Fitzgibbons (AUS)=9.30
4.a: 1-Tatiana Weston-Webb (BRA)=15.17, 2-Tyler Wright (AUS)=12.67, 3-Lakey Peterson (EUA)=9.16

REPESCAGEM DO QUIKSILVER/ROXY PRO G-LAND:

SEGUNDA FASE MASCULINA – 17.o lugar com US$ 12.125 e 1.330 pontos:

1.a: Filipe Toledo (BRA) x Yago Dora (BRA)
2.a: Caio Ibelli (BRA) x Matthew McGillivray (AFR)
3.a: Kanoa Igarashi (JPN) x Jackson Baker (AUS)
4.a: Jordy Smith (AFR) x Connor O´Leary (AUS)
5.a: Barron Mamiya (HAV) x Jadson André (BRA)
6.a: Kelly Slater (EUA) x Samuel Pupo (BRA)
7.a: Callum Robson (AUS) x Jake Marshall (EUA)
8.a: Kolohe Andino (EUA) x Nat Young (EUA)

SEGUNDA FASE FEMININA – 9.o lugar com US$ 13.500 e 2.610 pontos:

1.a: Tyler Wright (AUS) x Bronte Macaulay (AUS)
2.a: Courtney Conlogue (EUA) x Johanne Defay (FRA)
3.a: Isabella Nichols (AUS) x Sally Fitzgibbons (AUS)
4.a: Lakey Peterson (EUA) x Gabriela Bryan (HAV

COVID-19: A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – World Surf League (WSL)

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas