Quiksilver/Roxy Pro France – Continua suspenso – Vejam o vídeo, com os melhores momentos do sábado!

Publicado por AdrenaNews 0

As previsões se confirmaram e nesta segunda-feira o Quiksilver/Roxy Pro France, continua suspenso. A próxima chamada as 08h15 de terça-feira em Hossegor, 03h15 da manhã no Brasil. Vejam o vídeo, com os melhores momentos do sábado!

Line Up de Capbreton, Hossegor em ação. Foto: Laurent Masurel – WSL

A terceira etapa do WSL Challenger Series 2021, continua suspenso com o pequeno swell restante que desapareceu no sudoeste da França. “O swell diminuiu muito, então decidimos assim como o domingo, uma segunda-feira de folga sem competições”, disse Travis Logie, Gerente Sênior, Tours e Competição. “Temos swell previsto para chegar e que deve aumentar durante a noite, então vamos verificar amanhã, terça-feira às 8:15 da manhã.”

As previsões indicam que o swell chega na terça-feira com ondas de um metro, na quarta-feira as séries chegarão aos dois metros. Já na quinta-feira as series estarão bombásticas, com ondas de três à quatro metros. Na sexta-feira o swell perde força com ondas de dois metros e no sábado e domingo, as ondas ficarão com um metro e meio à um metro. No Sábado, foram realizadas apenas 07 das 16 baterias da primeira fase feminina nas pequenas ondas na praia de Les Culs Nus, em Hossegor.

ASSISTAM AO VÍDEO, CLICANDO NO PLAYER ABAIXO:

Highlights Day 1: The ROXY Pro France:

ROXY PRO FRANCE: Pelo feminino a líder, Gabriela Bryan, a também havaiana Luana Silva (3.o lugar), a francesa Pauline Ado (4.o) e a norte-americana Caitlin Simmers (empatada em 5.o com Ariane Ochoa), ainda vão competir no Roxy Pro France. A única brasileira que restou, Summer Macedo, vai enfrentar duas integrantes do G-6 na bateria que fecha a primeira fase, justamente as que venceram as duas primeiras etapas do WSL Challenger Series, Luana Silva, campeã do MEO Vissla Pro Ericeira sábado passado em Portugal e Caitlin Simmers, do US Open of Surfing.

Outra sul-americana vai estrear no confronto que ficou para abrir o próximo dia do Roxy Pro France. A equatoriana Dominic Barona está na oitava bateria, com outra grande revelação do surfe havaiano, Bettylou Sakura Johnson, a espanhola Leticia Canales Bilbao e Tia Blanco, de Porto Rico. Depois, tem a argentina Josefina Ané na 11.a com a francesa do G-6, Pauline Ado, a japonesa Shino Matsuda e Eveline Hooft, da Holanda. Já a peruana Daniella Rosas, vai encarar a líder do ranking, Gabriela Bryan, a japonesa Sara Wakita e a alemã Camilla Kemp, na 15.a e penúltima bateria da primeira fase.

MAIORIA BRASILEIRA: Na categoria masculina, um top do CT já garantido na “seleção brasileira da WSL” de 2022, Yago Dora, vai reforçar o esquadrão verde-amarelo no Quiksilver Pro France.

Yago Dora em ação. Foto: Laurent Massurel – WSL

Assim como nas outras duas etapas do WSL Challenger Series realizadas, a maioria entre os 96 inscritos de 18 países é do Brasil, com 21 surfistas, contra 14 da França, 12 da Austrália, 11 dos Estados Unidos, 10 do Havaí, 5 do Japão, 5 da África do Sul, 4 da Espanha, 3 do Peru, 2 de Portugal, 2 da Indonésia, 1 da Holanda, 1 de Marrocos, 1 do México, 1 da Costa Rica, 1 de Barbados, 1 do Taiti e 1 da Nova Zelândia.

Caio Ibelli em ação. Foto: Damien Poullenot – WSL

O único representante do Uruguai nos outros dois eventos, Marco Giorgi, sofreu uma grave lesão na mão em uma sessão de treinos em Portugal e desfalca a América do Sul na França. A participação brasileira no Quiksilver Pro, vai começar na terceira bateria com Michael Rodrigues. Na sequência, tem Alex Ribeiro na quarta e Rafael Teixeira na quinta. Depois, estreiam dois surfistas que estão bem próximos do grupo dos 12 que o WSL Challenger Series classifica para completar a elite dos top-32 que disputará o CT em 2022.

G-12 DO RANKING: Apesar da maioria brasileira nas etapas, apenas um está dentro do G-12 no momento, João Chianca, na penúltima posição dessa lista. Ele começa a defender sua vaga junto com outro integrante do G-12, Cole Houshmand, dos Estados Unidos. Os dois estão na 14.a bateria com o japonês Shuji Nishi e outro brasileiro, Mateus Herdy. No confronto anterior, Yago Dora estreia junto com Lucas Silveira, que saiu do G-12 em Portugal, o francês Kauli Vaast e o espanhol Andy Criere.

João Chianca está em penúltimo no G-12 e o último é o australiano Matt Banting, que não está competindo no WSL Challenger Series e sairá da lista já na primeira fase do Quiksilver Pro France. Quatro surfistas da América do Sul estão na porta de entrada do G-12, os peruanos Lucca Mesinas em 13.o lugar na batalha pelas vagas no CT 2022 e Alonso Correa em 14.o, seguidos pelos brasileiros Thiago Camarão em 15.o e Alejo Muniz em 17.o.

Lucca Mesinas está na sexta bateria com um integrante do G-6, Callum Robson, da Austrália, além do havaiano Sebastian Zietz e do sul-africano Jordan Maree. Thiago Camarão entra no confronto seguinte com o também brasileiro Marcos Correa, o americano Patrick Gudauskas e o francês Gaspard Larsonneur. Já Alejo Muniz está numa bateria com participação tripla do Brasil, a 19.a, com Wiggolly Dantas, Victor Bernardo e o espanhol Aritz Aranburu. E Alonso Correa na 22.a, com o brasileiro Samuel Pupo e dois havaianos, Eli Hanneman e Billy Kemper.

TRANSMISSÃO AO VIVO: O Quiksilver Pro e o ROXY Pro France estão sendo transmitidos ao vivo pelo WorldSurfLeague.com e pelo aplicativo da WSL, lembrando que o fuso horário é de 5 horas a mais do Brasil, então 8h00 na França são 3h00 da madrugada no Brasil. Esta terceira etapa do WSL Challenger Series 2021 é móvel e pode acontecer nas praias de Hossegor, Capbreton, Seignosse, Landes e Nouvelle-Aquitane.

BATERIAS DAS SUL-AMERICANAS NO ROXY PRO FRANCE:

PRIMEIRA FASE – 3.a=33.o lugar (US$ 1.000 e 700 pts) e 4.a=49.o lugar ($ 775 e 600 pts):

Resultados do sábado:

1.a: 1-Sawyer Lindblad (EUA), 2-Garazi Sanchez Ortun (ESP), 3-Tatiana Weston-Webb (BRA), 4-Janire Gonzalez Etxabarri (ESP)
3.a: 1-Coco Ho (HAV), 2-Minami Nonaka (JPN), 3-Silvana Lima (BRA), 4-Holly Wawn (AUS)
6.a: 1-Alyssa Spencer (EUA), 2-Yolanda Hopkins (PRT), 3-Sol Aguirre (PER), 4-Chelsea Tuach (BRB)

08.a bateria vai abrir o próximo dia:

8.a: Leticia Canales Bilbao (ESP), Bettylou Sakura Johnson (HAV), Tia Blanco (PRI), Dominic Barona (EQU)
11.a: Pauline Ado (FRA), Shino Matsuda (JPN), Eveline Hooft (HOL), Josefina Ané (ARG)
15.a: Gabriela Bryan (HAV), Sara Wakita (JPN), Daniella Rosas (PER), Camilla Kemp (ALE)
16.a: Luana Silva (HAV), Caitlin Simmers (EUA), Summer Macedo (BRA), Ellie Brooks (AUS)

BATERIAS DOS SUL-AMERICANOS NO QUIKSILVER PRO FRANCE:

PRIMEIRA FASE – 3.o=49.o lugar (US$ 775 e 400 pts) e 4.o=73.o lugar ($ 600 e 350 pts):

3.a: Michael Dunphy (EUA), Nolan Rapoza (EUA), Michael Rodrigues (BRA), Oney Anwar (IDN)
4.a: Alex Ribeiro (BRA), Maxime Huscenot (FRA), Tristan Guilbaud (FRA), Justin Becret (FRA)
5.a: Connor O´Leary (AUS), Rio Waida (IDN), Rafael Teixeira (BRA), Slade Prestwich (AFR)
6.a: Lucca Mesinas (PER), Callum Robson (AUS), Sebastian Zietz (HAV), Jordan Maree (AFR)
7.a: Thiago Camarão (BRA), Patrick Gudauskas (EUA), Gaspard Larsonneur (FRA), Marcos Correa (BRA)
8.a: Caio Ibelli (BRA), Kade Matson (EUA), Joshua Burke (BRB), Ian Crane (EUA)
9.a: Shun Murakami (JPN), Joan Duru (FRA), Jessé Mendes (BRA), Luke Gordon (EUA)
10: Imaikalani Devault (HAV), Dylan Moffat (AUS), Charles Martin (FRA), Lucas Vicente (BRA)
11: Ramzi Boukhiam (MAR), Ian Gouveia (BRA), Edgard Groggia (BRA), Ruben Vitoria (ESP)
13: Yago Dora (BRA), Lucas Silveira (BRA), Kauli Vaast (FRA), Andy Criere (ESP)
14: João Chianca (BRA), Cole Houshmand (EUA), Shuji Nishi (JPN), Mateus Herdy (BRA)
16: Liam O´Brien (AUS), Weslley Dantas (BRA), Willian Cardoso (BRA), Marc Lacomare (FRA)
17: Michel Bourez (TAH), Keanu Asing (HAV), Carlos Munoz (CRI), Miguel Tudela (PER)
19: Wiggolly Dantas (BRA), Alejo Muniz (BRA), Victor Bernardo (BRA), Aritz Aranburu (ESP)
20: Wade Carmichael (AUS), Mihimana Braye (FRA), Ian Gentil (HAV), Luel Felipe (BRA)
22: Alonso Correa (PER), Samuel Pupo (BRA), Eli Hanneman (HAV), Billy Kemper (HAV)

VAGAS PARA O CT 2022: O WSL Challenger Series vai completar a elite que disputará os títulos mundiais no World Surf League Championship Tour 2022, classificando 12 surfistas para a categoria masculina e seis para a feminina. Serão quatro etapas e os rankings irão computar três resultados, com um deles podendo ser a maior pontuação obtida nas etapas do WSL Qualifying Series 2020 disputadas até o mês de março, antes do Circuito Mundial ser cancelado por causa da pandemia do Covid-19.

A batalha pelas vagas para o CT 2022 começou com o US Open of Surfing apresentado pela Shiseido na Califórnia, no último sábado terminou o MEO Vissla Pro Ericeira em Portugal e tem mais duas etapas para fechar o WSL Challenger Series 2021. Com o Quiksilver Pro France, que vai até 24 de outubro na França e a última etapa é o Haleiwa Challenger, de 26 de novembro a 7 de dezembro em Haleiwa Beach, no Havaí.

G-12 DO WSL CHALLENGER SERIES – 2 etapas de 2021 + 1 do QS 2020:

*-vaga no CT 2022 já garantida

01: Ezekiel Lau (HAV) – 14.250 pontos
02: Jake Marshall (EUA) – 12.500
03: Imaikalani Devault (HAV) – 12.000
04: Nat Young (EUA) – 11.900
*05: Griffin Colapinto (EUA) – 10.750
05: Liam O´Brien (AUS) – 10.750
07: Jackson Baker (AUS) – 10.350
*08: Leonardo Fioravanti (ITA) – 10.000
*09: Kanoa Igarashi (JPN) – 9.750
10: Callum Robson (AUS) – 9.500
11: Shun Murakami (JPN) – 8.850
12: Cole Houshmand (EUA) – 8.750
13: Nolan Rapoza (EUA) – 8.325
14: João Chianca (BRA) – 8.250
15: Matt Banting (AUS) – 8.000

Próximos sul-americanos até 100:

16: Lucca Mesinas (PER) – 8.000 pontos
17: Alonso Correa (PER) – 7.850
18: Thiago Camarão (BRA) – 7.650
20: Alejo Muniz (BRA) – 7.500
26: Samuel Pupo (BRA) – 6.350
28: Lucas Silveira (BRA) – 6.150
33: Wiggolly Dantas (BRA) – 5.800
35: Ian Gouveia (BRA) – 5.650
*38: Jadson André (BRA) – 5.000
44: Weslley Dantas (BRA) – 4.750
49: Alex Ribeiro (BRA) – 4.225
50: Edgard Groggia (BRA) – 4.150
*53: Deivid Silva (BRA) – 44.000
*61: Yago Dora (BRA) – 3.250
66: Mateus Herdy (BRA) – 3.150
68: Michael Rodrigues (BRA) – 3.100
69: Marco Giorgi (URU) – 3.000
72: Willian Cardoso (BRA) – 2.800
72: Jessé Mendes (BRA) – 2.800
75: Caio Ibelli (BRA) – 2.750
76: Rafael Teixeira (BRA) – 2.700
*80: Filipe Toledo (BRA) – 2.500
80: Leandro Usuna (ARG) – 2.500
86: Victor Bernardo (BRA) – 2.150
89: Marcos Correa (BRA) – 2.100
94: Lucas Vicente (BRA) – 1.800
95: Renan Pulga Peres (BRA) – 1.750
95: Leo Casal (BRA) – 1.750

G-6 DO WSL CHALLENGER SERIES – 2 etapas em 2021 + 1 do QS 2020:

*-vaga no CT 2022 já garantida

1.a: Gabriela Bryan (HAV) – 21.000 pontos
2.a: Brisa Hennessy (CRI) – 13.300
3.a: Luana Silva (HAV) – 12.100
4.a: Pauline Ado (FRA) – 11.550
5.a: Ariane Ochoa (ESP) – 11.200
5.a: Caitlin Simmers (EUA) – 11.200

Sul-americanas até 100:

33: Silvana Lima (BRA) – 5.650 pontos
37: Summer Macedo (BRA) – 4.850
44: Daniella Rosas (PER) – 3.900
50: Sol Aguirre (PER) – 3.250
56: Dominic Barona (EQU) – 2.975
71: Josefina Ané (ARG) – 1.575
73: Anali Gomez (PER) – 1.500
94: Sophia Medina (BRA) – 700

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: Edson Andrade / João Carvalho – WSL Latin América

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72