Oi Rio Pro apresentado pela Corona – 05 Brazucas nas semis da terça-feira decisiva – Assistam aos vídeos!

Publicado por AdrenaNews 0

Depois de 02 dias sem disputas pelo Oi Rio Pro apresentado pela Corona. A Segunda-feira, foram de boas ondas com show dos brazucas, que levaram a torcida ao delírio que lotaram as areias da Praia de Itaúna. Acessem aos links abaixo com os vídeos dos melhores momentos.

Saquarema, Rio de Janeiro, Brasil. Foto: Thiago Diz – World Surf League

ASSISTAM AOS VÍDEOS, CLICANDO NOS PLAYERS ABAIXO:

Oi Rio Pro apresentado pela Corona – Highlights Day 3:

Oi Rio Pro apresentado pela Corona – Top 5 Moments Day 3:

TRANSMISSÃO AO VIVO: Oi Rio Pro apresentado pela Corona em Saquarema, terá a primeira chamada para as semis terça-feira às 7h15. O evento está sendo transmitido ao vivo pelo WorldSurfLeague.com, pelo WSL app, pelo YouTube da WSL, Globoplay e SporTV. Para os fãs do Brasil, a transmissão pelo YouTube é interrompida quando começarem as quartas de final e continuam apenas pelo canal SporTV e WorldSurfLeague.com

O Oi Rio Pro apresentado por Corona em Saquarema já havia entrado na história pela maior arena já construída em etapas do World Surf League (WSL) Championship Tour. Nesta segunda-feira, escreveu mais dois feitos inéditos, com seis brasileiros entre os oito classificados para as quartas de final e formando duas semifinais 100% verde-amarelas na Praia de Itaúna. A primeira será entre Italo Ferreira e Samuel Pupo. Na outra, Filipe Toledo já garantido no Rip Curl WSL Finals, enfrenta Yago Dora na disputa pela segunda vaga na grande final.

Saquarema, Rio de Janeiro, Brasil. Foto: Thiago Diz – World Surf League

Os brazucas aproveitaram todo o seu conhecimento local, vencendo todas as baterias contra os surfistas do resto do mundo nas oitavas de final. Na Primeira bateria o brazuca, Mateus Herdy, começou mostrando todo seu repertório de manobras  derrotando o australiano, Jack Robinson que nos minutos finais precisava de 7,01. Veio uma boa onda e o aussie amigo dos brasileiros, conseguiu uma média 7,00 “batendo na trave”, sendo eliminado pelo brazuca.

Mateus Herdy em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

Na segunda bateria, um duelo brazuca, com o caçula dos irmãos Pupo e o recordista da melhor onda (10) surfada do evento, Caio Ibelli. Samuel Pupo começou “on-fire” imprimindo um ritmo veloz, liderando com uma nota oito e na sequencia com um aéreo muito alto conquistou um 9,00 colocando Ibelli em combinação. Samuel Pupo marcou um novo recorde de 17,00 pontos. Caio até tentou se aproximar mais em uma manobra sobre o lip da onda acabou quebrando sua prancha termonando na nona colocação na etapa brasileira.

Caio Ibelli em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

A seguir mais uma bateria brazuca, porém uma bateria com poucas ondas de qualidade e assim como Samuca,  Italo Ferreira sabedor da competência de Michael Rodrigues, imprimiu um ritmo forte desde o inicio da disputa liderando do principio ao fim, confirmando seu nome nas quartas de final.

Michael Rodrigues em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

Na quarta bateria o primogênito da família Pupo, assim como seu irmão caçula, não “deu mole”, Miguel Pupo, surfando dois high-scores (7,33 e 7,67) logo no inicio da bateria superou o americano Nat Young. Na sequencia, foi a vez do líder do ranking, o camisa amarela Filipe Toledo, enfrentar o perigoso peruano Miguel Tudela. Tudela começou bem, abrindo com uma boa onda 7,17 mas Filipe aos poucos começou a imprimir seu ritmo e derrotou o peruano. Na sétima e ultima bateria das oitavas de final com um brasileiro.

Miguel Tudela em ação. Foto: Thiago Diz – World Surf League

A primeira vaga no grupo dos top-5 do ranking, que vai disputar o título mundial da temporada no Rip Curl WSL Finals, em setembro em Trestles, na Califórnia, foi confirmada para Filipe Toledo, em uma bateria super disputada, onde Yago Dora superou o australiano, Ethan Ewing por 14,10 x 14,00. A vitória de Yago também garantiu um feito histórico no Circuito Mundial, o de pela primeira vez seis brasileiros se classificarem para as quartas de final em uma mesma etapa do WSL Championship Tour.

Ethan Ewing em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

QUARTAS DE FINAL: As duas primeiras baterias ficaram 100% verde-amarelas. A primeira foi entre dois grandes amigos da nova geração, Mateus Herdy e Samuel Pupo. Samuca surfou as melhores ondas contra Herdy e ganhou a primeira vaga nas semifinais por 12,80 a 8,83 pontos.

Samuel Pupo em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

“Foi muito especial surfar essa bateria com um dos meus melhores amigos, o Mateus Herdy”, disse Samuel Pupo. “Ele ainda não está no CT, mas sei que vai conseguir entrar um dia. Fazia um tempo já que a gente não competia numa bateria assim e foi bem divertido. Agora já fico nervoso na expectativa para saber se o Miguel (Pupo) vai passar também. É sempre bom surfar no CT, mas em frente de uma torcida como essa, tudo fica bem mais emocionante”.

A expectativa ficou para saber se aconteceria uma semifinal dos irmãos Pupo, Italo Ferreira e Miguel Pupo, fizeram um grande duelo para a torcida que lotou a Praia de Itaúna e vibrava intensamente a cada onda surfada. Miguel Pupo liderou quase toda a bateria, com a nota 7,67 da esquerda que ele destruiu do início ao fim.

Miguel Pupo em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

Quando restavam 03 minutos para o término, Italo Ferreira pegou uma direita precisando de 8,17 para reverter o resultado. Ele já mandou um aéreo full rotation de backside, que levantou a torcida na areia, aterrissando perfeito na base e emendando com uma rasgada finalizando com um batidão na junção. A nota sai exatamente 8,17 e o placar ficou empatado em 13,34 pontos, com Italo Ferreira avançando por possuir a maior nota da bateria.

Italo Ferreira em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

“Foi uma bateria bem disputada com o Miguel (Pupo). A gente sempre faz boas baterias, mas essa foi uma das mais difíceis para mim”, disse Italo Ferreira. “Eu tentei pegar as direitas para arriscar uma manobra mais radical e fiquei feliz quando acertei aquele aéreo. Estou contente por passar para as semifinais, mas estou com muito frio agora. Não gosto de surfar com roupa de borracha, então acabo pagando o preço. Mas, fiz meu trabalho bem feito hoje e estou pronto para o dia das finais”.

As outras duas baterias das quartas de final foram dois confrontos diretos entre Brasil e Austrália. Mas, os brasileiros não deram qualquer chance para os australianos e ganharam por 2 x 0. Filipe Toledo mostrou toda a potência do seu backside nas esquerdas de Itaúna, variando batidas e rasgadas abrindo grandes leques de água com uma velocidade incrível. Ele recebeu nota 8,60 na sua melhor onda, vencendo fácil por 15,10 a 8,94 pontos do australiano Connor O´Leary.

Filipe Toledo em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

“Eu amo muito tudo isso, especialmente um dia terminando com uma vitória assim”, disse Filipe Toledo. “Foi um dia longo e é preciso se manter calmo, porque é muito fácil você perder o foco com tantas coisas acontecendo ao redor. Estou feliz por já ter conseguido minha vaga para o Rip Curl WSL Finals e também porque os brasileiros estão mandando muito bem nesse evento. A energia da torcida aqui não tem igual, eu faço meu trabalho por eles e não tem nada melhor do que receber o carinho deles antes de entrar na água e depois também”.

Na última bateria do dia, com a Praia de Itaúna ainda lotada até quase o pôr do Sol sempre mágico em Saquarema, Yago Dora deu mais um show para a torcida. Ele tinha derrotado o top-5 do ranking, Ethan Ewing, por uma pequena diferença de 14,10 a 14,00 pontos. Contra Callum Robson, Yago colecionou notas 7 de novo com seu ataque de frontside nas esquerdas de Itaúna, garantindo a última vaga nas semifinais por uma larga vantagem de 14,17 a 7,00 pontos.

Yago Dora em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

“Eu adoro essa onda, mas sinto que ainda não consegui mostrar todo o meu surfe”, disse Yago Dora. “Acho que não entrei em sintonia ainda com as séries e meus adversários estão pegando as melhores ondas nas baterias. Mas, estou feliz por chegar no dia das finais. É uma loucura ter só brasileiros nas semifinais. Isso é muito legal, porque já garante um título brasileiro no evento”.

Esta é apenas a segunda vez que Yago Dora chega nas semifinais em etapas do CT. A única tinha sido também nas ondas da Praia de Itaúna em 2017, quando foi convidado para participar do primeiro Oi Rio Pro em Saquarema e só perdeu para o campeão daquele ano, Adriano de Souza. Agora, vai voltar a enfrentar Filipe Toledo, para quem perdeu nas duas etapas que competiu esse ano, em G-Land na Indonésia e em El Salvador. Aliás, ele nunca conseguiu vencer Filipe Toledo nas oito baterias que já disputaram em etapas do CT.

BRASIL NO FEMININO: O Brasil também está na briga pelo título feminino do Oi Rio Pro apresentado por Corona, com Tatiana Weston-Webb. Ela vai enfrentar a pentacampeã mundial Carissa Moore na segunda semifinal. As duas decidiram o título mundial de 2021 na estreia do Rip Curl WSL Finals no ano passado e já se encontraram em duas semifinais esse ano. Tatiana ganhou a de Portugal, na etapa que foi campeã, mas Carissa a derrotou na Indonésia. Apenas uma surfista venceu a etapa brasileira em casa e já faz tempo, Andréa Lopes em 1999 na Barra da Tijuca.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Daniel Smorigo – World Surf League

OI RIO PRO APRESENTADO POR CORONA EM SAQUAREMA:

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pontos:

1.a: Italo Ferreira (BRA) x Samuel Pupo (BRA)
2.a: Filipe Toledo (BRA) x Yago Dora (BRA)

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 40.000 e 6.085 pontos:

1.a: Johanne Defay (FRA) x Gabriela Bryan (HAV)
2.a: Carissa Moore (HAV) x Tatiana Weston-Webb (BRA)

RESULTADOS DA SEGUNDA-FEIRA NA PRAIA DE ITAÚNA:

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com US$ 20.000 e 4.745 pontos:

1.a: Samuel Pupo (BRA) 12,80 x 8,83 Mateus Herdy (BRA)
2.a: Italo Ferreira (BRA) 13,34 x 13,34 Miguel Pupo (BRA)
3.a: Filipe Toledo (BRA) 15,10 x 8,94 Connor O´Leary (AUS)
4.a: Yago Dora (BRA) 14,17 x 7,00 Callum Robson (AUS)

OITAVAS DE FINAL – 9.o lugar com US$ 13.500 e 3.320 pontos:

1.a: Mateus Herdy (BRA) 11,74 x 11,67 Jack Robinson (AUS)
2.a: Samuel Pupo (BRA) 17,00 x 8,50 Caio Ibelli (BRA)
3.a: Italo Ferreira (BRA) 14,17 x 8,10 Michael Rodrigues (BRA)
4.a: Miguel Pupo (BRA) 15,00 x 9,94 Nat Young (EUA)
5.a: Filipe Toledo (BRA) 13,56 x 9,44 Miguel Tudela (PER)
6.a: Connor O`Leary (AUS) 15,94 x 12,44 Matthew McGillivray (AFR)
7.a: Yago Dora (BRA) 14,10 x 14,00 Ethan Ewing (AUS)
8.a: Callum Robson (AUS) 13,40 x 13,17 Jackson Baker (AUS)

Covid-19: A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o www.worldsurfleague.com A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com

O Oi Rio Pro Apresentado pela Corona tem os patrocínios da Oi, Corona, Havaianas, Oakley, Hydro Flask, Expedia, Banco do Brasil, BB Asset Management, Secretaria de Esporte e Lazer do Governo do Rio de Janeiro, Prefeitura de Saquarema, Enel, TikTok, 51 Ice, Localiza, Oakberry, Australian Gold, Pura Vida, NewOn (Grupo Prevent Senior), UniCesumar, BFGoodrich e EY.

Reportagem: João Carvalho – World Surf League (WSL)

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas