Oi Pro Junior Series / Oi Longboard Pro – Conheça os Campeões Sul-americanos

Publicado por AdrenaNews 225 views0

Quatro decisões Brasil x Peru fecharam as últimas etapas do Oi Pro Junior Series e do Oi Longboard Pro, neste domingo na Praia de Maresias, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. Nos pranchões, deu Brasil com a carioca Chloé Calmon derrotando Maria Fernanda Reyes na decisão do título sul-americano da WSL Latin America e o local de Maresias, Carlos Bahia, carimbando a faixa do tetracampeão Piccolo Clemente.

Chloé Calmon em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

“Foi incrível ter duas etapas da WSL no Brasil esse ano. É muito legal ver toda a comunidade do longboard aqui e acho que a gente estava precisando desse apoio”, disse Chloé Calmon. “Todo mundo sai dessa temporada supermotivado para evoluir pro ano que vem e eu estou muito feliz em ter conquistado esse título em casa. Eu não tinha esse título ainda e competir em casa o ano inteiro, lá no Rio de Janeiro onde moro e aqui em Maresias também, foi uma sensação incrível. Só me dá mais motivação pra ir pra Taiwan, fechar o ano com chave de ouro lá”.

A final do longboard feminino foi a primeira a entrar no mar na Praia de Maresias e a peruana Maria Fernanda Reyes precisava vencer para provocar uma bateria extra para decidir o título sul-americano. Ela deu trabalho e ficou na frente quase toda a bateria, com notas 6,00 e 4,00 nas duas melhores ondas. Mas, Chloé Calmon correu atrás e pegou uma onda no último minuto, que abriu a parede para a carioca mostrar toda sua habilidade no pranchão, indo até o bico para fazer as manobras que valeram nota 7,00 e a vitória por 11,80 a 10,00 pontos.

Um dos seus objetivos para esse ano foi cumprido no domingo, sendo campeã sul-americana invicta. Agora, Chloé parte para Taiwan tentar um título inédito para o Brasil, ser campeã mundial de longboard feminino na World Surf League, na primeira semana de dezembro. Das três etapas disputadas, venceu duas e a havaiana Honolua Blomfield ganhou a outra, sendo sua principal concorrente na grande final do Mundial de Longboard em Taiwan.

VITÓRIA EM CASA – No Longboard masculino, o local de Maresias, Carlos Bahia, levantou a torcida que vibrava a cada onda surfada. Desde a semifinal contra o bicampeão mundial Phil Rajzman, quando os dois deram um show para o público que compareceu na praia no domingo. Bahia tirou uma nota 9,0 para bater o carioca e depois enfrentou outro bicampeão mundial, Piccolo Clemente. O peruano confirmou o tetracampeonato sul-americano no sábado e os dois fizeram mais um duelo emocionante, com a liderança mudando a cada onda.

Carlos Bahia em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Piccolo Clemente largou na frente com nota 7,25, mas Carlos Bahia respondeu com 8,50 para assumir a ponta. As ondas estavam pequenas no último dia do Oi Longboard Pro, com as séries demorando a entrar em Maresias, mas algumas abriam paredes mais longas para eles fazerem as manobras clássicas dos pranchões, o hang ten ou hang five no bico. A batalha prosseguiu assim, com Piccolo ganhando um 7,75 para recuperar a liderança, mas Bahia ainda surfou uma no final que valeu nota 6,95, para vencer por 15,45 a 15,00 pontos.

“Quero agradecer a toda a galera local, minha família, minha esposa Vanessa, a minha filhota, meu pai, porque foi aqui onde eu comecei, onde eu conheci tudo”, disse Carlos Bahia, entre lágrimas depois de ser carregado até a arena do evento. “Eu fiquei dois anos sem participar do Circuito Mundial, mas foi aqui onde eu aprendi tudo e eu precisava de uma vitória assim, em casa, em um evento internacional da WSL. Isso era um sonho que eu tinha e eu sempre digo para nunca desacreditar dos seus sonhos. Ganhar de dois bicampeões mundiais na minha casa, é uma honra para mim. Será certamente uma vitória inesquecível”.

Os peruanos igualaram o placar em 2 a 2 no Pro Junior, com as vitórias de Raul Rios sobre o paulista Eduardo Motta, que valia a liderança no ranking para o vencedor, e de Sol Aguirre no duelo de bicampeãs sul-americanas com a catarinense Tainá Hinckel.

No sábado, Tainá e Piccolo confirmaram os títulos de 2019 por antecipação, com a classificação para as semifinais. A disputa pelo troféu do Pro Junior masculino ficou para a última etapa do Circuito Sul-americano da WSL Latin America, o Mancora Junior Pro Peru, já na próxima semana, dias 14 e 15, com Raul Rios competindo em casa dessa vez.

Os Campeões Sul-americanos, Tainá, Piccolo e Chloé. Foto: Daniel Smorigo – WSL

A chuva chegou na hora do segundo desafio entre as melhores surfistas com até 18 anos de idade da América do Sul. Tainá Hinckel, começou bem a final em São Sebastião, largando na frente com nota 8,50 na primeira onda que surfou. A peruana Sol Aguirre, bicampeã sul-americana em 2017 e 2018, tentava sua primeira vitória no ano e só conseguiu surfar duas ondas em toda a bateria. Mas, foi precisa na escolha para tirar notas 6,00 e 5,90. Depois, o máximo que Tainá conseguiu foi 3,25 e Sol Aguirre conquistou seu primeiro troféu de campeã do Oi Pro Junior Series, por 11,90 a 11,75 pontos.

Sol Aguirre em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

“Depois de perder tantos Pro Junior, estou me sentindo superbem em ganhar agora. Eu segui com a esperança, treinando bastante e só queria surfar bem minhas ondas, conseguir boas notas nas baterias e estou muito feliz em ganhar no Brasil”, disse Sol Aguirre. “Deus é grande e sei que a cada caída, você se levanta mais forte. Perder bastante me ensinava em nunca desistir, pois Deus tem um caminho para todos nós. Agora, ter uma etapa em casa, Mancora, é a melhor forma de encerrar o ano Pro Junior. Um primeiro lugar aqui me dá mais confiança, me deixa um pouco mais tranquila, porque eu quero me classificar para o Mundial da WSL”.

Com a vitória no último Oi Pro Junior Series do ano, a única que pode lhe tirar a segunda vaga para o Mundial Pro Junior da World Surf League, é a brasileira Julia Duarte. Mas, a carioca já precisa da vitória na última etapa do Circuito Pro Junior da WSL Latin America, que será disputada na casa de Sol Aguirre, dias 14 e 15, em Mancora, no Peru. E a final não pode ser com a peruana, que já confirma o segundo lugar no ranking se passar das semifinais.

LIDERANÇA NA FINAL – Na final masculina, a vitória no Oi Pro Junior Series valia a liderança no ranking sul-americano e deu Peru de novo. Raul Rios começou forte com nota 7,00 em sua segunda onda e 5,75 na terceira, enquanto o paulista Eduardo Motta não conseguia completar as dele. Logo, o peruano surfou outra esquerda boa, variando cada ataque na onda até chegar na areia, para praticamente confirmar a vitória com a nota 8,50 recebida.

Raul Rios em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Eduardo Motta conseguiu 6,75 na melhor onda dele e arriscou um aéreo muito alto para tentar a vitória, mas caiu e sua prancha acabou se partindo em dois pedaços. Teve que sair do mar para trocar o equipamento e depois não entrou mais ondas boas, com Raul Rios saindo do Brasil liderando a corrida do título sul-americano da WSL Latin America e pelas três vagas para o Mundial Pro Junior, que ele já competiu no ano passado em Taiwan.

Eduardo Motta em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

“Estou muito feliz, pois venho treinando muito para isso. É minha segunda final e na primeira fiquei em segundo, então queria ganhar um campeonato”, disse Raul Rios. “Eu estava bem focado e me sinto bastante feliz, porque todos estão surfando muito bem. Eu foquei bastante para me conectar com o mar e pude ganhar esse evento aqui. Estou muito feliz por ser o primeiro no ranking, pois ir para o Mundial da WSL em Taiwan é o que todos querem e vou continuar focado pra conseguir o título. Mancora é minha praia, onde eu moro e vou dar de tudo para ser campeão lá”.

Com os 1.000 pontos do Oi Pro Junior Series, Raul Rios subiu da quinta para a primeira posição no ranking da WSL Latin America. O ex-líder, Daniel Templar, caiu para o segundo lugar e Lucas Vicente para o terceiro, fechando o grupo dos três que se classificam para o Mundial. Lucas tem 2.590 pontos, contra 2.470 do vice-campeão em Maresias, Eduardo Motta.

A batalha final pelo título sul-americano ainda tem mais quatro brasileiros com chances matemáticas de ser campeão no Peru, Mateus Sena (5.o no ranking), Daniel Adisaka (6.o), Fernando Junior (7.o) e Leo Casal (8.o). Estes também vão disputar as três vagas no Mundial e mais um entra nessa briga, Heitor Mueller, que está em nono no ranking.

SÁBADO – Dois títulos sul-americanos da WSL Latin America foram definidos no sábado na Praia de Maresias. A catarinense Tainá Hinckel festejou o bicampeonato Pro Junior logo na segunda bateria do dia. Depois, o peruano Piccolo Clemente confirmou o tetracampeonato, também com a classificação para as semifinais.

Tainá Hinckel em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

“Estou bem feliz por já ter ganho o título e tenho treinado muito para isso. Eu fiz de tudo pra isso acontecer e Graças a Deus aconteceu”, disse Tainá Hinckel, logo que saiu do mar. “Com certeza, isso é consequência do trabalho que venho fazendo. Agora, minha meta é ganhar esse campeonato e ser campeã mundial Pro Junior. Mas, como sempre falo, só quero me divertir, que é o mais importante, principalmente quando você ama o esporte e eu amo o que faço, então acho que isso é maior do que qualquer coisa. Eu nunca fui pra Taiwan e isso tava engasgado, então vou com tudo pra lá tentar o título mundial. É a grande meta do ano”.

Tainá fez uma bateria impecável, batendo todos os recordes femininos do Oi Pro Junior Series em Maresias, somando duas notas 7,75 na vitória por 15,50 pontos. Na briga pela última vaga nas semifinais, a carioca Maju Freitas superou a argentina Coco Cianciarulo e a irmã do bicampeão mundial, Sophia Medina. Quando saiu do mar, Tainá foi logo abraçada pelo seu pai, Carlos Kxot, que sempre está junto com ela nas competições.

A catarinense da Guarda do Embaú conseguiu seu primeiro título sul-americano em 2016, com apenas 13 anos. Agora, iguala o bicampeonato da peruana Sol Aguirre em 2017 e 2018, que têm a mesma idade da brasileira. Sol já tinha vencido a primeira bateria do dia e tirou o segundo lugar no ranking da carioca Julia Duarte com a passagem para as semifinais.

Mas, a batalha final por essa segunda vaga no Mundial Pro Junior da World Surf League, na última semana deste mês em Taiwan, será no Mancora Junior Pro Peru, na casa de Sol Aguirre. Ela vai disputar a primeira vaga na final do Oi Pro Junior Series com a chilena Estela López, que superou as brasileiras Isabela Saldanha e Ariane Gomes para passar junto com a peruana. A segunda será entre Tainá Hinckel e Maju Freitas, que também briga pela vaga no Mundial.

TETRACAMPEÃO – Depois das duas baterias femininas, aconteceram duas fases do Pro Junior masculino, antes da disputa por classificação para as semifinais do Oi Longboard Pro. A primeira ficou formada pelo bicampeão mundial e último campeão sul-americano, Phil Rajzman, e pelo local de Maresias, Carlos Bahia. Na outra, o igualmente bicampeão mundial e agora tetracampeão sul-americano, Piccolo Clemente, enfrenta Wenderson Biludo.

Piccolo Clemente em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Foi Biludo quem garantiu o título antecipado para o peruano, ao barrar seu principal oponente, o capixaba Alexandre Escobar, vice-campeão no Oi Longboard Pro do Rio de Janeiro. Piccolo surfou bem para vencer por 13,10 pontos e Wenderson superou Escobar por 9,05 a 8,25. Com isso, o medalha de ouro no Pan-americano de Lima saiu do mar com mais um troféu de campeão sul-americano, para juntar aos de 2011, 2014 e 2015.

“Estou muito feliz em estar no Brasil conseguindo o título sul-americano”, disse Piccolo Clemente. “As ondas estão bem difíceis, então eu tinha que buscar as que abriam mais para fazer as manobras nas seções críticas, mas foi bastante difícil e estou muito feliz pelo título. Fazia tempo que não tinha etapas do Longboard aqui no Brasil, então espero que continue assim e que tenhamos algumas no Peru também, para o circuito ficar um pouco maior. Eu dedico este título para minha família, minha esposa que me acompanhou na primeira etapa lá no Rio de Janeiro, para meus patrocinadores e para todo o Peru”.

PRO JUNIOR – Já o título sul-americano Pro Junior só será decidido na sétima e última etapa do Circuito da WSL Latin America para surfistas com até 18 anos de idade. Eles disputaram três fases no sábado, para definir os semifinalistas do Oi Pro Junior Series. A batalha pelas duas primeiras vagas para o domingo, reuniu quatro concorrentes ao título e o líder do ranking, Daniel Templar, acabou eliminado pelo vice-líder, Lucas Vicente, no confronto vencido pelo ex-número 8, Eduardo Motta, que já subiu para o quinto lugar na classificação atualizada com os resultados do sábado na Praia de Maresias.

Lucas Vicente em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

“Eu sabia que era uma bateria importante, pois tinha o Heitor (Mueller), o Dudu (Eduardo Motta), o Daniel (Templar), todo mundo lutando pelo título e pelas vagas no Mundial (Pro Junior da WSL), então eu sabia que teria que fazer muito bem o meu trabalho”, disse Lucas Vicente. “O mar ficou bem difícil agora com a troca de maré e foi uma bateria muito disputada, então estou bem feliz por ter passado para as semifinais. Agora estou no dia das finais e quero dar o meu melhor para conseguir a vitória aqui amanhã”.

Pela manhã, o florianopolitano Lucas Vicente estabeleceu novos recordes para a quarta e última etapa do Oi Pro Junior Series em São Sebastião. Ele conseguiu notas 8,50 e 7,50 dos juízes em suas melhores ondas, para totalizar 16,00 pontos, ultrapassando os 15,50 do paulista Caio Costa na sexta-feira. O também catarinense Heitor Mueller passou junto com ele nessa, mas ficou em último na que valeu as duas primeiras vagas nas semifinais. Lucas pode tirar a liderança do ranking de Daniel Templar, se chegar na final no domingo. Mas, terá um novo confronto direto com Eduardo Motta, que também está na briga do título.

“Eu não conheço Mancora, mas sei que é uma onda parecida com Lobitos e estou realmente bem animado para esta última etapa lá no Peru”, continuou o vice-líder do ranking, Lucas Vicente. “Mas, primeiro quero pensar aqui, tem semifinal amanhã, quero fazer meu surfe e se Deus quiser, vai dar tudo certo. Eu já fiquei em segundo no ranking sul-americano profissional esse ano e não quero que isso aconteça no Pro Junior também, então, certamente vou atrás do título e primeiro preciso conseguir um bom resultado aqui”.

Na última bateria do sábado, o peruano Raul Rios ganhou uma nota 8,15 para derrotar três brasileiros e entrou no grupo dos três primeiros do ranking sul-americano, que se classificam para o Mundial Pro Junior da World Surf League. Ele tirou da lista o potiguar Mateus Sena, que perdeu na fase anterior. Quem passou para enfrentar Raul Rios na semifinal foi o catarinense Wallace Vasco, por uma pequena diferença de 11,50 a 11,15 pontos do paulista Fernando Junior, o John John, um dos surfistas treinados no Instituto Medina.

SEXTA-FEIRA  – Na sexta-feira foram realizadas duas fases da categoria masculina e uma da feminina, para apontar os oito que vão brigar pelas vagas nas semifinais e já definindo as quatro que vão disputar classificação para a grande final na Praia de Maresias. Os líderes dos rankings, o peruano Piccolo Clemente e a carioca Chloé Calmon, bem como os vice-líderes, o capixaba Alexandre Escobar e a peruana Maria Fernanda Reyes, passaram suas baterias, assim como o defensor do título sul-americano, Phil Rajzman.

Phil Rajzman em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Na categoria masculina foram duas fases de quatro baterias cada. Os oito participantes mais bem ranqueados, entraram como cabeças de chave somente na segunda, que começou com vitória do bicampeão mundial e atual campeão sul-americano, Phil Rajzman. O carioca passou em primeiro com a nota 7,50 da sua onda surfada no último minuto. Com ela, atingiu 13,75 pontos para superar os 13,15 do paulista local de Maresias, Carlos Bahia. Os dois eliminaram um campeão sul-americano, Jeferson Silva, além do uruguaio Julian Schweizer.

“O nível do campeonato está altíssimo, com muitos brasileiros da primeira divisão do Circuito Mundial, vários buscando classificação para chegar lá e os campeonatos no Brasil são sempre muito disputados”, disse Phil Rajzman. “É uma caixinha de surpresas, tá todo mundo afiado e você tem que achar as melhores ondas realmente. Eu cheguei aqui em Maresias uma semana atrás, de olho nas ondas, surfando direitas e esquerdas. Essa prancha aqui que usei agora, tirei lá do baú, do meu museu, fui campeão mundial com ela em 2016. Estou muito feliz por esta oportunidade que a Oi, a Subway, está dando para a gente poder mostrar o potencial do longboard brasileiro, com estas duas etapas esse ano”.

O peruano Piccolo Clemente, que neste ano ganhou medalha de ouro no Pan-americano de Lima no Peru, estreou na bateria que fechou a sexta-feira na Praia de Maresias. Já não havia muitas ondas boas e ele perdeu para o brasileiro Wenderson Biludo, mas se classificou em segundo lugar para seguir tentando o tetracampeonato sul-americano no Oi Longboard Pro. Agora, vai voltar a competir contra o capixaba Alexandre Escobar, o mesmo da grande final da primeira etapa na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.

“É sempre bom começar bem um campeonato, porque sempre existe aquele nervosismo normal da estreia e eu nunca tinha competido aqui em Maresias”, revelou a grande favorita ao título sul-americano, Chloé Calmon. “O mar mudou bastante em relação à ontem (quinta-feira). Vi isso nas baterias do Pro Junior pela manhã, mas as ondas melhoraram durante a bateria e ficou uma condição muito boa para o longboard”.

Depois da estreia da número 1 do ranking, a vice-líder também venceu a outra bateria feminina valendo duas vagas para as semifinais do Oi Longboard Pro na Praia de Maresias. Chloé Calmon derrotou Jasmim Avelino e Cristiana Pires e volta a enfrentar a Jasmim na primeira semifinal. Já sua principal concorrente, a peruana Maria Fernanda Reyes, vai disputar a segunda vaga na final com Ayllar Cinti, que passou em segundo lugar na bateria delas, com ambas eliminando Evelin Neves e Monique Pontes.

Maria Fernanda Reyes em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

IGUALDADE DE GÊNEROS – O Oi Pro Junior Series e o Oi Longboard Pro foram os primeiros eventos destas modalidades no Brasil, realizados com o princípio da igualdade de gêneros, incentivado pela World Surf League. Em todas as etapas, a premiação da categoria feminina é a mesma oferecida para a masculina. Os campeões e as campeãs de cada pódio do Pro Junior e do Longboard, ganham 1.200 dólares. Os vice-campeões e vice-campeãs, recebem 600 dólares e os eliminados (as) nas semifinais, 300 dólares pelo terceiro lugar.

O Oi Pro Junior Series e o Oi Longboard Pro são uma realização da World Surf League Latin America com patrocínio da Oi como naming rights e da Subway, com todas as quatro etapas contando com o portal Waves como parceiro de mídia e sendo transmitidas ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo www.waves.com.br. Esta última etapa na Praia de Maresias também conta com o importante apoio da Prefeitura Municipal de São Sebastião, da Federação Paulista de Surf e das Associação de Surf de Maresias e de São Sebastião.

A OI E O ESPORTE – A Oi acredita no potencial de transformação do esporte e patrocina grandes eventos esportivos como o Oi Rio Pro, Oi Pro Junior Series – voltado para a categoria de base do surfe – e Oi STU Open. Além de apoiar atletas de diferentes modalidades, como os surfistas Gabriel Medina, Italo Ferreira, Filipe Toledo, Silvana Lima, Adriano de Souza, Tatiana Weston-Webb, Davizinho, Tainá Hinckel e os skatistas Pedro Barros e Leticia Bufoni, a companhia acelera, em parceria com o Instituto Ekloos e apoio do Oi Futuro, cinco projetos de surfe na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, que são voltados para a população local. A Oi também patrocina a equipe de judô Oi Sogipa, no Rio Grande do Sul.

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA NA PRAIA DE MARESIAS:

FINAL PRO JUNIOR MASCULINO:
Campeão: Raul Rios (PER) por 15,50 pontos (8,50+7,00) – US$ 1.200 e 1.000 pontos
Vice-campeão: Eduardo Motta (BRA) com 10,65 pts (6,75+3,90) – US$ 600 e 750 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 300 e 560 pontos:
1.a: Eduardo Motta (BRA) 10.35 x 5.25 Lucas Vicente (BRA)
2.a: Raul Rios (PER) 14.10 x 10.75 Wallace Vasco (BRA)

FINAL PRO JUNIOR FEMININO:
Campeã: Sol Aguirre (PER) por 11,90 pontos (6,00+5,90) – US$ 1.200 e 1.000 pontos
Vice-campeã: Tainá Hinckel (BRA) com 11,75 pts (8,50+3,25) – US$ 600 e 750 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 300 e 560 pontos:
1.a: Sol Aguirre (PER) 6.75 x 5.50 Estela López (CHL)
2.a: Tainá Hinckel (BRA) 7.25 x 4.50 Maju Freitas (BRA)

FINAL LONGBOARD MASCULINO:
Campeão: Carlos Bahia (BRA) por 15,45 pontos (8,50+6,95) – US$ 1.200 e 1.000 pontos
Vice-campeão: Piccolo Clemente (PER) com 15,00 pts (7,75+7,25) – US$ 600 e 750 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 300 e 560 pontos:
1.a: Carlos Bahia (BRA) 15.60 x 13.25 Phil Rajzman (BRA)
2.a: Piccolo Clemente (PER) 13.25 x 12.45 Wenderson Biludo (BRA)

FINAL LONGBOARD FEMININO:
Campeã: Chloé Calmon (BRA) por 11,80 pontos (7,00+4,80) – US$ 1.200 e 1.000 pontos
Vice-campeã: Maria Fernanda Reyes (PER) com 10,00 (6,00+4,00) – US$ 600 e 750 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 300 e 560 pontos:
1.a: Chloé Calmon (BRA) 12.60 x 4.75 Jasmim Avelino (BRA)
2.a: Maria Fernanda Reyes (PER) 7.50 x 4.45 Ayllar Cinti (BRA)

RESULTADOS DO SÁBADO NO OI PRO JUNIOR SERIES:

SEGUNDA FASE FEMININA – 1.a e 2.a=Semifinais:
—-3.a=5.o lugar (US$ 200 e 420 pts) e 4.a=7.o lugar (US$ 100 e 395 pts)
1.a: 1-Sol Aguirre (PER), 2-Estela López (CHL), 3-Isabela Saldanha (BRA), 4-Ariane Gomes (BRA)
2.a: 1-Tainá Hinckel (BRA), 2-Maju Freitas (BRA), 3-Coco Cianciarulo (ARG), 4-Sophia Medina (BRA)

QUARTA FASE MASCULINA – 1.o e 2.o=Semifinais:
—-3.o=5.o lugar (US$ 200 e 420 pts) e 4.o=7.o lugar (US$ 100 e 395 pts)
1.a: 1-Eduardo Motta (BRA), 2-Lucas Vicente (BRA), 3-Daniel Templar (BRA), 4-Heitor Mueller (BRA)
2.a: 1-Raul Rios (PER), 2-Wallace Vasco (BRA), 3-Fernando Junior (BRA), 4-Diego Aguiar (BRA)

TERCEIRA FASE – 3.o=9.o lugar com 300 pts e 4.o=13.o lugar com 280 pts:
1.a: 1-Heitor Mueller (BRA), 2-Daniel Templar (BRA), 3-Mateus Sena (BRA), 4-Caio Costa (BRA)
2.a: 1-Lucas Vicente (BRA), 2-Eduardo Motta (BRA), 3-Leonardo Barcelos (BRA), 4-Kauê Germano (BRA)
3.a: 1-Fernando Junior (BRA), 2-Raul Rios (PER), 3-Kainan Meira (BRA), 4-Pedro Bianchini (BRA)
4.a: 1-Diego Aguiar (BRA), 2-Wallace Vasco (BRA), 3-Leo Casal (BRA), 4-Ian Casal (BRA)

SEGUNDA FASE – 3.o=17.o lugar com 200 pts e 4.o=25.o lugar com 185 pts:
1.a: 1-Caio Costa (BRA), 2-Eduardo Motta (BRA), 3-Thiago Eduardo (BRA), 4-Pedro Pupo (BRA)
2.a: 1-Mateus Sena (BRA), 2-Leonardo Barcelos (BRA), 3-Guilherme Marques (BRA), 4-Rodrigo Saldanha (BRA)
3.a: 1-Kauê Germano (BRA), 2-Daniel Templar (BRA), 3-Renan dos Anjos (BRA), 4-Ricardo Williams (PER)
4.a: 1-Lucas Vicente (BRA), 2-Heitor Mueller (BRA), 3-Eric Bahia (BRA), 4-Diego Brigido (BRA)
5.a: 1-Raul Rios (PER), 2-Ian Casal (BRA), 3-Ryan Kainalo (BRA), 4-Kalany Ratto (BRA)
6.a: 1-Fernando Junior (BRA), 2-Wallace Vasco (BRA), 3-Murillo Coura (BRA), 4-Daniel Adisaka (BRA)
7.a: 1-Diego Aguiar (BRA), 2-Pedro Bianchini (BRA), 3-Cauã Costa (BRA), 4-Lucas Lisboa (BRA)
8.a: 1-Leo Casal (BRA), 2-Kainan Meira (BRA), 3-Tiago Carrique (BRA), 4-João Cypriano (BRA)

RESULTADOS DO SÁBADO NO OI LONGBOARD PRO:

TERCEIRA FASE MASCULINA – 1.o e 2.o=Semifinais:
1.a: 1-Phil Rajzman (BRA), 2-Carlos Bahia (BRA), 3-Gabriel Moura (BRA), 4-Ignacio Pignataro (URU)
2.a: 1-Piccolo Clemente (PER), 2-Wenderson Biludo (BRA), 3-Alexandre Escobar (BRA), 4-Romoaldo Nascimento (BRA)

RESULTADOS DO OI LONGBOARD PRO NA SEXTA-FEIRA:

PRIMEIRA FASE FEMININA – 3.a=5.o lugar com 420 pontos e 4.a=7.o lugar com 395 pts:
1.a: 1-Chloé Calmon (BRA), 2-Jasmim Avelino (BRA), 3-Cristiana Pires (BRA)
2.a: 1-Maria Fernanda Reyes (PER), 2-Ayllar Cinti (BRA), 3-Evelin Neves (BRA), 4-Monique Pontes (BRA)

SEGUNDA FASE MASCULINA – entrada dos 8 cabeças de chave:
————3.o=9.o lugar com 300 pontos e 4.o=13.o lugar com 280 pontos:
1.a: 1-Phil Rajzman (BRA), 2-Carlos Bahia (BRA), 3-Jeferson Silva (BRA), 4-Julian Schweiser (URU)
2.a: 1-Gabriel Moura (BRA), 2-Ignacio Pignataro (URU), 3-Caio Teixeira (BRA), 4-João Gabriel Santana (BRA)
3.a: 1-Alexandre Escobar (BRA), 2-Romoaldo Nascimento (BRA), 3-Theo Viana (BRA), 4-Josimar Pita (BRA)
4.a: 1-Wenderson Biludo (BRA), 2-Piccolo Clemente (PER), 3-Gilmar Teixeira (BRA), 4-Maike Finessi (BRA)

PRIMEIRA FASE – 3.o=17.o lugar com 200 pts e 4.o=21.o lugar com 193 pts:
1.a: 1-Carlos Bahia (BRA), 2-Caio Teixeira (BRA), 3-Jefson Silva (BRA)
2.a: 1-Gabriel Moura (BRA), 2-Jeferson Silva (BRA), 3-Alexsandro Abolição (BRA)
3.a: 1-Theo Viana (BRA), 2-Gilmar Teixeira (BRA), 3-Rafael Cortez (CHL), 4-Daniel Farias (BRA)
4.a: 1-Wenderson Biludo (BRA), 2-Romoaldo Nascimento (BRA), 3-Jonas Santos (BRA)

RANKINGS SUL-AMERICANOS DA WSL LATIN AMERICA:
TOP-10 DO PRO JUNIOR MASCULINO – 6 etapas:

01: Raul Rios (PER) – 2.790 pontos
02: Daniel Templar (BRA) – 2.660
03: Lucas Vicente (BRA) – 2.590
04: Eduardo Motta (BRA) – 2.470
05: Mateus Sena (BRA) – 2.320
06: Daniel Adisaka (BRA) – 2.200
07: Fernando Junior (BRA) – 2.195
08: Leo Casal (BRA) – 2.080
09: Heitor Mueller (BRA) – 1.903
10: Uriel Sposaro (BRA) – 1.675

TOP-10 DO PRO JUNIOR FEMININO – 6 etapas:
Campeã: Tainá Hinckel (BRA) – 4.310 pontos
02: Sol Aguirre (PER) – 3.290
03: Julia Duarte (BRA) – 2.780
04: Isabela Saldanha (BRA) – 2.655
05: Maju Freitas (BRA) – 2.540
06: Coco Cianciarulo (ARG) – 2.310
07: Daniella Rosas (PER) – 2.150
08: Pamella Mel (BRA) – 1.490
09: Alessia Moro (PER) – 1.180
10: Bruna Carderelli (BRA) – 1.140

TOP-10 DO LONGBOARD MASCULINO – Final das 2 etapas de 2019:
Campeão: Piccolo Clemente (PER) – 1.750 pontos
02: Carlos Bahia (BRA) – 1.300
03: Alexandre Escobar (BRA) – 1.170
04: Phil Rajzman (BRA) – 980
05: Wenderson Biludo (BRA) – 860
06: Julian Schweizer (URU) – 840
07: Jefson Silva (BRA) – 760
08: Gabriel Moura (BRA) – 700
09: Jeferson Silva (BRA) – 600
10: Romoaldo Nascimento (BRA) – 595

RANKING FINAL DO LONGBOARD FEMININO – 2 etapas:
Campeã: Chloé Calmon (BRA) – 2.000 pontos
02: Maria Fernanda Reyes (PER) – 1.500
03: Jasmim Avelino (BRA) – 1.120
04: Evelin Neves (BRA) – 980
05: Ayllar Cinti (BRA) – 955
06: Cristiana Pires (BRA) – 840
07: Monique Pontes (BRA) – 695
08: Atalanta Batista (BRA) – 420
09: Aline Adisaka (BRA) – 395
10: Mainá Thompson (BRA) – 300
10: Shayana Avelino (BRA) – 300

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão. A WSL vem promovendo os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial. Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da WSL. A World Surf League é pioneira em streaming online para uma enorme legião de fãs apaixonados e interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, John John Florence e muitos brasileiro, como Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb, competindo no campo de jogo mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes no mundo.  Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Edson Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72