Michelob ULTRA Pure Gold Haleiwa Challenger – Havaianas dominam o pódio – Assistam ao vídeo!

Publicado por AdrenaNews 0

Havaianas dominam o pódio do Michelob ULTRA Pure Gold Haleiwa Challenger na segunda-feira de boas ondas em Haleiwa. Acessem ao link abaixo, com o vídeo dos melhores momentos.

Carissa Moore em ação. Foto: Tony Heff – World Surf League

Terminou a temporada 2021 da World Surf League na ilha de Oahu. No domingo, o bicampeão mundial John John Florence venceu o título masculino com nota 10 na final e as havaianas dominaram o pódio feminino na segunda-feira. A jovem Bettylou Sakura Johnson confirmou sua vaga no CT 2022 com vitória em Haleiwa e Gabriela Bryan ficou em segundo lugar, mas terminou em primeiro no ranking do WSL Challenger Series. As duas deixaram a pentacampeã mundial Carissa Moore em terceiro na final e a australiana India Robinson completou o último pódio do ano.

Bettylou Sakura Johnson, Gabriela Bryan, India Robinson e Carissa Moore no Pódio. Foto: Tony Heff – World Surf League

“Nem consigo acreditar. Esse é um momento muito importante para mim”, disse Bettylou Sakura Johnson. “Quero agradecer todo mundo que tanto me apoiou aqui na praia hoje, debaixo de chuva. Foi um dia muito significativo e só quero aproveitar esse momento agora, mantendo esse sorriso no rosto. Muito obrigado a todos aqui de Haleiwa. É um orgulho poder representar essa comunidade, vencendo esse evento em casa”.

Na decisão do título, as finalistas não tiveram muitas oportunidades para surfar. A chuva apertou, o vento também e as séries ficaram muito espaçadas. Nos últimos 15 minutos, simplesmente não entrou nada de ondas. Foi logo após Bettylou Sakura Johnson surfar uma boa onda, com seu ataque agressivo jogando água pra cima com a força das manobras executadas com pressão e velocidade. A nota 8,00 recebida garantiu a vitória por 13,17 pontos.

Ela só surfou três ondas e Gabriela Bryan só pegou as duas que são computadas no resultado, para ser vice-campeã com 11,50 pontos. A favorita Carissa Moore vinha sendo o destaque nas ondas de 3-4 pés da segunda-feira, fazendo as maiores marcas nas quartas de final e nas semifinais. Mas, terminou em terceiro lugar na bateria decisiva, com apenas 9,76 pontos. Já a australiana India Robinson só surfou uma onda nota 2,00 e ficou em último.

Gabriela Bryan em ação. Foto: Tony Heff – World Surf League

VAGAS NO CT 2022: A vitória de Bettylou Sakura Johnson fez justiça, pois ela era a recordista absoluta do Michelob ULTRA Pure Gold Haleiwa Challenger, com os imbatíveis 16,60 pontos que atingiu na primeira fase e a nota 8,83 recebida nas oitavas de final. Ela chegou no Havaí em 13.o lugar no ranking do WSL Challenger Series e precisava de um bom resultado para entrar no grupo das seis que se classificavam para o CT 2022.

Bettylou Sakura Johnson em ação. Foto: Tony Heff – World Surf League

Essa batalha só foi decidida nas semifinais, quando ela e India Robinson barraram a última concorrente, a australiana Molly Picklum. Na bateria anterior, Carissa Moore e Gabriela Bryan já tinham acabado com as chances da norte-americana Alyssa Spencer e da francesa Vahine Fierro. Com a vitória em Haleiwa, Bettylou terminou em terceiro no ranking. Já a vice-campeã, Gabriela Bryan, tirou o primeiro lugar da Brisa Hennessy no último dia.

India Robinson em ação. Foto: Tony Heff – World Surf League

As outras classificadas para o CT 2022, foram a norte-americana Caitlin Simmers em quarto lugar no ranking final, a australiana India Robinson em quinto e a havaiana Luana Coelho Silva, que ficou com os mesmos 14.900 pontos da australiana Molly Picklum. A filha de pai e mãe brasileiros que nasceu no Havaí, ganhou a última vaga no desempate, por ter a maior pontuação entre as duas, os 10.000 da vitória no MEO Vissla Pro Ericeira em Portugal.

RENOVAÇÃO NA ELITE: O WSL Challenger Series estreou esse ano como o novo campo de batalha por vagas no CT, promovendo uma grande renovação na elite que vai disputar o WSL Championship Tour em 2022. Serão nove novatos entre os 12 classificados pelo ranking masculino, os brasileiros Samuel Pupo e João Chianca, os australianos Liam O´Brien, Callum Robson e Jackson Baker, o americano Jake Marshall, o havaiano Imaikalani Devault e dois surfistas da América Latina, Lucca Mesinas do Peru e Carlos Muñoz da Costa Rica. Dois vão retornar ao grupo dos melhores do mundo, o havaiano Ezekiel Lau e o americano Nat Young.

Samuel Pupo em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

O australiano Connor O´Leary completa a lista, sendo o único que perdeu sua vaga na elite esse ano e a recuperou na mesma temporada, possibilidade criada pelo WSL Challenger Series sendo disputado após o término do CT. Entre as seis indicadas pelo ranking feminino, quem aproveitou essa chance foi a costa-ricense Brisa Hennessy. Já as outras cinco vão estrear no grupo das top-17 em 2022, as havaianas Gabriela Bryan, Bettylou Sakura Johnson e Luana Coelho Silva, a americana Caitlin Simmers e a australiana India Robinson.

SELEÇÃO BRASILEIRA: A seleção brasileira da WSL estará reduzida, de doze surfistas em 2021 para dez em 2022. Na categoria feminina, a atual vice-campeã mundial, Tatiana Weston-Webb, permanece como única representante. Já na masculina, o Brasil manteve a maioria entre os top-34, com nove concorrentes ao título, contra oito da Austrália. Os novos titulares da seleção brasileira são os jovens Samuel Pupo e João Chianca, de apenas 21 anos de idade. Eles vão se juntar aos campeões mundiais Gabriel Medina e Italo Ferreira, ao vice-campeão de 2021, Filipe Toledo, e a Yago Dora, Deivid Silva, Jadson André e Miguel Pupo.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Matt Dumbar – World Surf League

O Michelob ULTRA Pure Gold Haleiwa Challenger fechou a temporada 2021 nesta segunda-feira em Haleiwa Beach. Mas, em janeiro o Havaí já vai sediar a abertura do World Surf League Championship Tour 2022. A primeira apresentação do novo grupo de melhores surfistas do mundo será nos tubos de Banzai Pipeline, de 29 de janeiro a 10 de fevereiro. E o segundo desafio já começa no dia seguinte em Sunset Beach, com prazo até 23 de fevereiro.

ASSISTAM AO VÍDEO, CLICANDO NO PLAYER ABAIXO:

Michelob ULTRA Pure Gold Haleiwa Challenger – Highlights Final Day:

RESULTADOS DA SEGUNDA-FEIRA NO HAVAÍ:

FINAL DO MICHELOB ULTRA PURE GOLD HALEIWA CHALLENGER:

Campeã: Bettylou Sakura Johnson (HAV) por 13,17 pts (8,00+5,17) – US$ 20.000 e 10.000 pts
2.o lugar: Gabriela Bryan (HAV) com 11,50 pts (6,57+4,93) – US$ 10.000 e 8.000 pts
3.o lugar: Carissa Moore (HAV) com 9,76 pts (5,83+3,93) – US$ 5.250 e 6.500 pts
4.o lugar: India Robinson (AUS) com 2,00 pts (2,00+0,00) – US$ 4.750 e 6.100 pts

SEMIFINAIS – 3.a=5.o lugar (US$ 4.000 e 5.100 pts) e 4.a=7.o (US$ 3.400 e 4.900 pts):

1.a: 1-Carissa Moore (HAV), 2-Gabriela Bryan (HAV), 3-Alyssa Spencer (EUA), 4-Vahine Fierro (FRA)
2.a: 1-India Robinson (AUS), 2-Bettylou Sakura Johnson (HAV), 3-Lakey Peterson (EUA), 4-Molly Picklum (AUS)

QUARTAS DE FINAL – 3.a=9.o lugar (US$ 3.200 e 3.600 pts) e 4.a=13.o (US$ 2.950 e 3.400 pts):

1.a: 1-Alyssa Spencer (EUA), 2-Vahine Fierro (FRA), 3-Pua Desoto (HAV), 4-Yolanda Hopkins (PRT)
2.a: 1-Carissa Moore (HAV), 2-Gabriela Bryan (HAV), 3-Brisa Hennessy (CRI), 4-Luana C. Silva (HAV)
3.a: 1-Molly Picklum (AUS), 2-India Robinson (AUS), 3-Sarah Baum (AFR), 4-Amuro Tsuzuki (JPN)
4.a: 1-Lakey Peterson (EUA), 2-Bettylou Sakura Johnson (HAV), 3-Macy Callaghan (AUS), 4-Savanna Stone (HAV)

G-6 DO RANKING DO WSL CHALLENGER SERIES 2021:

*- vaga garantida pelo CT 2021

01: Gabriela Bryan (HAV) – 24.000 pontos
02: Brisa Hennessy (CRI) – 21.500
03: Bettylou Sakura Johnson (HAV) – 20.000
04: Caitlin Simmers (EUA) – 18.700
05: India Robinson (AUS) – 17.600
*6: Carissa Moore (HAV) – 16.500
07: Luana Coelho Silva (HAV) – 14.900

Sul-americanas até 100:

28: Summer Macedo (BRA) – 7.500 pontos
37: Silvana Lima (BRA) – 6.350
44: Daniella Rosas (PER) – 5.300
49: Dominic Barona (EQU) – 4.400
58: Sol Aguirre (PER) – 3.250
*62: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 2.500
70: Josefina Ane (ARG) – 2.275
81: Anali Gomez (PER) – 1.500
97: Sophia Medina (BRA) – 700

G-12 DO RANKING FINAL DO WSL CHALLENGER SERIES 2021:

*- vaga garantida pelo CT 2021

*1: Kanoa Igarashi (JPN) – 19.500 pontos
02: Ezekiel Lau (HAV) – 18.600
03: Liam O´Brien (AUS) – 14.900
04: Connor O´Leary (AUS) – 14.250
*5: Griffin Colapinto (EUA) – 14.150
06: Jake Marshall (EUA) – 14.100
*7: Jack Robinson (AUS) – 13.750
08: Callum Robson (AUS) – 13.400
09: Samuel Pupo (BRA) – 13.100
10: Nat Young (EUA) – 12.100
11: Imaikalani Devault (HAV) – 12.000
12: Lucca Mesinas (PER) – 11.000
12: João Chianca (BRA) – 11.000
14: Jackson Baker (AUS) – 10.700
15: Carlos Muñoz (CRI) – 10.650

Próximos sul-americanos até 50:

19: Lucas Silveira (BRA) – 9.250 pontos
19: Mateus Herdy (BRA) – 9.250
22: Thiago Camarão (BRA) – 9.200
25: Alex Ribeiro (BRA) – 8.800
30: Alonso Correa (PER) – 8.100
34: Wiggolly Dantas (BRA) – 7.600
35: Alejo Muniz (BRA) – 7.500
36: Jessé Mendes (BRA) – 7.450
38: Edgard Groggia (BRA) – 7.250
*50: Deivid Silva (BRA) – 5.800
51: Ian Gouveia (BRA) – 5.650

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin América

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas