Maricá Surf Pro AM 2022 – Cauã Costa e Julia Santos, foram os campeões da Taça Brasil e do Estadual.

Publicado por AdrenaNews 0

Os profissionais, Cauã Costa e Julia Santos venceram o Maricá Surf Pro AM 2022 nas ondas de Ponta Negra, Região. A etapa contou pontos para a Taça Brasil da CBSurf e para o Estadual do Rio.

Julia Santos em ação. Foto: Gleyson Silva

Pela categoria feminina, a paulista Julia Santos, da cidade de Santos, venceu as duas baterias na sexta-feira e faturou o título da etapa válida pela Taça Brasil da CBSurf, e pelo Estadual do Rio. A competição distribuiu R$ 100 mil reais em premiação. As finais femininas foram realizadas em ondas de quase 1 metro nas maiores séries em Ponta Negra, Região dos Lagos (RJ).

Pódio Feminino. Foto: Gleyson Silva

A primeira semi foi muito disputada e o resultado final só foi decidido bem perto do fim. Julia Santos arrancou 3.50 e 6.00 pontos e ficou na liderança até perto do final. A saquaremense Taís Almeida, que estava em terceiro lugar, surfou quando restavam pouco mais de um minuto para o fim e acertou uma forte batida de frontside. Com a atuação ela anotou 8.00 pontos e pulou para a primeira posição. Julia ainda teve tempo de surfar e fez duas manobras bem definidas numa esquerda. Ela precisava de 6.84 para reassumir o primeiro lugar e marcou 7.40 para vencer a disputa.

Taís Almeida em ação. Foto: Gleyson Silva

A carioca Julia Duarte, que estava em segundo até sofrer a virada de Taís, terminou na terceira posição na bateria e finalizou sua participação no evento em quinto lugar. A cearense Larissa dos Santos ficou em quarto na disputa e em sétimo no Maricá Surf Pro AM 2022.

A vice-campeã Silvana Lima chegou na final após vencer a segunda semi feminina do Maricá Surf Pro AM 2022. A cearense entrou no ritmo da bateria perto dos dez minutos finais. Silvana marcou 6.93 pontos com duas manobras de backside, depois colocou 4.60 e no final aumentou a distância para as adversárias com mais 5.60.

Silvana Lima em ação. Foto: Gleyson Silva

A cearense radicada no Rio, Yanca Costa, começou melhor o duelo, com 5.17 pontos, porém depois sofreu a virada da pernambucana Monik Santos. Yanca foi em busca da classificação quando restavam três minutos para o fim. Ela, que precisava de 3.30, rasgou e bateu de backside numa onda pequena, conquistou 3.53 e pulou pro segundo lugar. Monik terminou em terceiro e a cearense Ariane Gomes terminou na quarta posição.

Yanca Costa em ação. Foto: Gleyson Silva

Final: A final teve 30 minutos de duração e começou com a cearense Yanca Costa encontrando uma boa onda. Ela fez duas rasgadas, a segunda mais forte, porém errou a terceira manobra, uma batida. Ela recebeu 4.50 pontos pela performance. Aos cinco minutos Julia fez uma batida, um layback e outra pancada numa pequena junção. A nota foi 6.67 pontos. Silvana Lima deu o troco rapidamente. A cearense pegou uma esquerda, fez uma rasgada bem definida, depois executou outra rasgada e ainda bateu na parte menor da onda. Com a atuação ela recebeu 8.50 pontos e assumiu a liderança.

Dez minutos depois Julia marcou outra nota na casa dos seis pontos. A paulista fez uma única manobra de frontside, uma potente batida na junção. Ela necessitava de 2.44 para assumir a primeira posição e fez 6.50. Um minuto depois Silvana tentou retomar a liderança. Ela foi pra direita, fez uma batida e rasgou forte, porém a prancha derrapou e ela caiu. Ela precisava de 4.67 e fez 3.30. Esse erro custou o título para Silvana, que não conseguiu melhorar seu somatório e terminou como vice-campeã. Yanca terminou em terceiro lugar com duas notas na casa dos quatro pontos, e a saquaremense Tais Almeida terminou na quarta posição.

“Na real, estou muito feliz, não tenho nem palavras pra falar agora. Minha primeira vitória como profissional, primeira vez que eu venço um evento. Fui campeã brasileira, mas ainda não tinha conseguido ganhar um evento. Está sendo emocionante, porque pela primeira vez eu viajei sozinha. Eu queria que meus amigos estivessem aqui pra estarem comemorando comigo, mas estou muito feliz e só posso agradecer a Deus por ter sido como foi, e por tudo que tem acontecido na minha vida”, disse uma emocionada Julia logo após sair da água.

“Essa vitória é pra minha mãe. Ela deve estar amarradona, deve estar assistindo em casa. Também agradeço ao meu treinador. Ele está acompanhando outros atletas em São Paulo. Não posso esquecer também do meu amigo Marquinhos, o Kinho, o Ed… a gente sempre está viajando junto. Dessa vez eles não conseguiram vir, mas tenho certeza que ele estão felizes lá. É isso, quero agradecer a todo meu time, meu patrocinador principal, todo mundo que torce por mim. Estou muito feliz!”, comentou Julia, que também falou da final.

“A Silvana pegou uma onda muito boa de 8.50, mas eu fiquei tranquila pois eu tinha uma nota seis. Eu sabia que precisava de uma nota boa também pra equilibrar o jogo, e as outras meninas precisavam de notas altas. Quando restavam sete minutos eu pensei em marcá-la e foi o que eu fiz, eu joguei o jogo, fiquei ali com ela. Ela precisava de pouco, então eu não tinha muito o que fazer, a não ser marcá-la e deu tudo certo”, finalizou a campeã Julia Santos.

Cauã Costa foi o campeão do Maricá Surf Pro AM 2022. O cearense radicado no Rio voou de frontside e manobrou forte de backside para vencer a final. O paulista de Maresias, Igor Moraes, foi o vice-campeão, o buziano Kalany Ratto terminou em terceiro e o pernambucano Luel Felipe ficou em quarto lugar. A quinta-feira (28) também teve disputas femininas.

Cauã Costa em ação. Foto: Gleyson Silva

A final não aconteceu no melhor momento do mar no dia, porém as séries com ondas de meio metro, com formação regular, ainda ofereciam muitas oportunidades para os atletas. Cauã pegou as duas primeiras ondas da final e voou de frontside com reverse nas duas. Ele abriu com 5.17 e fez mais 6.50 pontos. Os adversários correram atrás de Cauã, mas as ondas deram uma sumida de Ponta Negra. Quando as direitas e esquerdas voltaram a aparecer, Cauã fez três batidas de backside, anotou 7.50 pontos e abriu vantagem no placar.

Igor Moraes precisava de uma nota no critério excelente para vencer. Ele chegou perto com 7.83 pontos quanto restavam seis minutos para o fim, porém não teve mais tempo de reação e ficou em segundo lugar. Kalany Ratto terminou em terceiro lugar, e o pernambucano Luel Felipe, que chegou a ficar na segunda posição, terminou em quarto.

Igor Moraes em ação. Foto: Gleyson Silva

“Muito feliz de ter vencido mais um campeonato profissional. É o segundo na minha carreira. Só tenho a agradecer a Deus pelo que tem acontecido na minha vida. Estou felizão, amarradão de ter ganhado aqui em Maricá. O foco continua, nada mudou, vamos continuar nos treinos para os próximos eventos e vamos com tudo. Obrigadão, galera!”, disse Cauã, que venceu pela primeira vez entre os profissionais no início deste mês de julho, na cidade de Búzios (RJ).

Pódio Masculino. Foto: Gleyson Silva

Sobre o início forte na final, Cauã disse: “Eu costumo abrir as baterias com duas notas, duas ondas boas pra ficar sólido, pra ter pelo menos uma nota de base. Depois fui só trocando e deu certo. Estou amarradão por isso!”.

Caminho até a final: Cauã teve que passar duas fases nesta quinta-feira para chegar na final. Antes do início das disputas, o Diretor de Prova, Marcelo Andrade, se reuniu com os atletas masculinos e femininos e a maioria votou pelo início dos confrontos, o que aconteceu às 9h30 (de Brasília). As baterias ganharam mais 10 minutos e tiveram um total de 30 de duração. Cauã passou pelas quartas em segundo lugar na terceira bateria. Quem venceu o duelo foi Fernando Junior, surfista de Maresias que entrou em sintonia com o pico de Ponta Negra. Ele abriu a disputa com 6.00 pontos e aos 19 minutos se firmou na liderança com mais 7.00, conquistados com três batidas.

O virtual campeão da etapa, Cauã, marcou duas notas na casa dos seis pontos (6.20 e 6.17). Na melhor performance ele fez um ataque de três manobras de backside. O pernambucano Douglas Silva (3º) e o carioca Leandro Bastos (4º) deram adeus à competição. Na semifinal Cauã também passou em segundo lugar. Quem começou melhor a segunda semi masculina foi Igor Moares. O paulista fez duas manobras contundentes numa esquerda e largou com 8.00 pontos. Perto da metade do duelo ele disparou na frente com mais 6.33. A vitória dele com a maior média do dia, 14.33.

Aos sete minutos o ubatubense Hizunome Bettero cometeu interferência em cima de Cauã, e foi penalizado com a perda da metade dos pontos de sua segunda melhor nota. O capixaba Rafael Teixeira estava em segundo lugar com duas notas na casa dos cinco pontos (5.50 e 5.73), mas Cauã aprontou quando restavam seis muito para o fim. Ele estava em quarto lugar e tinha a quarta prioridade, mas remou numa onda que nenhum outro surfista quis. Ele acelerou, decolou e fez uma rotação completa antes de aterrissar. Cauã precisava de 6.13 pontos e pulou pra segundo com 7.60. Rafael terminou a disputa em terceiro lugar e Hizunome em quarto.

Rafael Teixeira em ação. Foto: Gleyson Silva

Maricá Surf Pro AM 2022:

Final Feminina:

Campeã Julia Santos (SP) 13.17 – 7.000 pontos e R$ 12.000,00

Vice-campeã Silvana Lima (CE) 11.80 – 5.600 e R$ 7.000,00

3ª Yanca Costa (RJ) 8.87 – 4.550 pontos e R$ 5.000,00

4ª Tais Almeida (RJ) 6.87 – 4.200 pontos e R$ 4.000

Semifinais: 1ª e 2ª = Final / 3ª = 3.500 pontos e R$ 3.500,00 / 4ª = 3.115 pontos e R$ 3.000,00

1 Julia Santos (SP) 13.40, Tais Almeida (RJ) 12.83, Julia Duarte (RJ) 9.50, Larissa dos Santos (CE) 7.24

2 Silvana Lima (CE) 12.53, Yanca Costa (RJ) 8.70, Monik Santos (PE) 8.47, Ariane Gomes (CE) 6.54

Final masculina:

Campeão Cauã Costa (RJ) 7.000 pontos e R$ 12.000,00

Vice-campeão Igor Moares (SP) 5.600 pontos e R$ 7.000,00

3º Kalany Ratto (RJ) 4.550 pontos e R$ 5.000,00

4º Luel Felipe (PE) 4.200 pontos e R$ 4.000,00

Semifinais – 1º e 2º = Final / 3º = 5º lugar, 3.500 pontos e R$ 3.500,00 / 4º = 7º lugar, 3.115 pontos e R$ 3.000,00

1 Kalany Ratto (RJ), Luel Felipe (PE), Fernando Junior (SP), Amando Tenório (AL)

2 Igor Moares (SP), Cauã Costa (RJ), Hizunome Bettero (SP), Rafael Teixeira (ES)

Clínicas de Surfe: O Maricá Surf Pro AM 2022 oferece uma clínica de surfe em Ponta Negra, com aulas administradas pela Escola de Surfe Cades. No total 108 crianças de projetos sociais de Maricá participarão da clínica. Na quarta-feira (27) foi a vez das crianças do projeto Maricá Mais Esporte 2. Nesta quinta (28) o projeto foi o Maricá Mais Esporte 1, e na sexta (29) as crianças do Esporte Presente participarão da clínica.

Ficha Técnica:

Evento: Maricá Surf Pro AM 2022

Local: Praia de Ponta Negra – Maricá (RJ)

Data: CBSurf Taça Brasil/Estadual Profissional: 26 a 29 de julho de 2022

Categorias Taça Brasil: Profissional Masculino | Profissional Feminino

Nível Profissional: 7A (CBSurf Taça Brasil) e 5A (FESERJ)

Premiação Profissional:

Premiação Masculina: Total – R$ 50.000,00

Premiação Feminina: Total – R$ 50.000,00

O Maricá Surf Pro AM 2022 conta com o Patrocínio da Prefeitura Municipal de Maricá Apoio: Surfland, Fuwax, Silverbay; Realização: Federação de Surfe do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) Homologação: Confederação Brasileira de Surf (CBSurf); Suporte: Associação de Surf e Bodyboard de Ponta Negra (ASBPN); Apoio institucional: Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (SUDERJ).

Estadual Junior: Após as disputas profissionais do Maricá Surf Pro AM 2022, e as vitórias de Julia Santos e Cauã Costa, chegou a vez dos atletas amadores na prova válida pelo Estadual do Rio. A primeira chamada para eles acontece neste sábado (30), às 7h30 (de Brasília), quando, de acordo com as condições do mar, o cronograma será definido. Nenhuma categoria está dispensada da chamada. Os surfistas amadores serão distribuídos nas categorias Sub-18, Sub-16, Sub-14 e Sub-12 (masculino e feminino). Dez mil reais estão em jogo entre os juniores.

Premiação: A categoria Sub-18 (Masculino e Feminino) terá premiação em dinheiro, e as demais terão pranchas Oceanside, blocos e acessórios (deck, leash, capa etc).

Campeão: R$ 2.500,00 + Prancha Oceanside
Vice-campeão: R$ 1.250,00
3º: R$ 750,00
4º: R$ 500,00

Almoço de cortesia: Todos os atletas inscritos no evento terão direito a almoço de cortesia na tenda de alimentação, um oferecimento da Prefeitura de Maricá durante o Maricá Surf Pro AM 2022.

Festival: De 28 a 31 de julho será realizado em Ponta Negra, integrado ao Maricá Surf Pro AM 2022, o ART&BIER – Festival da Cerveja Artesanal. Um evento que irá reunir gastronomia, shows (bandas de rock) e diversão no mesmo local, sendo um atrativo a mais para quem vier participar da nossa competição.

O Maricá Surf Pro AM 2022 conta com o Patrocínio da Prefeitura Municipal de Maricá Apoio: Oceanside; Realização: Federação de Surfe do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ) Homologação: Confederação Brasileira de Surf (CBSurf); Suporte: Associação de Surf e Bodyboard de Ponta Negra (ASBPN); Apoio institucional: Superintendência de Desportos do Estado do Rio de Janeiro (SUDERJ)

Reportagem: Carlos Matias

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas