mag72

Itacoatiara Pro Junior 2019 – Boas ondas garantiram acirradas disputas.

Publicado por AdrenaNews 40 views0

Finalizado no domingo o Itacoatiara Pro Junior 2019, rolou no canto direito (Pampo) de Itacoatiara, em Niterói, mais três campeões foram consagrados num dos mais icônicos picos do país. Júlia Duarte levou o título na Feminino Pro Jr, enquanto laiz Costa venceu na categoria sub-16 feminina e Rickson Falcão levou a melhor na sub-12.

Júlia Duarte em ação. Foto: Iuri Corsini

O domingo amanheceu diferente em relação ao dia anterior, com o tempo instável. Logo cedo, um vento sudoeste moderado deixava o mar mais bagunçado do que no sábado. Ainda assim, as ondas continuaram quebrando com cerca de 0,5 metro e séries maiores, permitindo a boa performance dos surfistas que competiram no Pampo, no último dia do Itacoatiara Pro Junior 2019, em Niterói. Nomes de peso marcaram presença no derradeiro dia de disputas, com destaque especial para as cariocas Mariana Areno, Majú Freitas e Júlia Duarte, que representarão a seleção do Brasil no Mundial da ISA, que rolará no final deste mês, em Huntington Beach, Califórnia.

Com o desenrolar das ações, o vento foi parando e as condições deram uma melhorada da metade para o final da manhã. Na categoria sub-12 masculina, que abriu as confrontos de domingo, os destaques ficaram por conta do saquaremense Rickson Falcão, que novamente mostrou um surf acima da média, do cabofriense Pablo Gabriel, de apenas 10 anos, filho do surfista Paulo Pequeno, que apesar da pouca idade já vem batendo de frente com a garotada mais velha, e também de Gabriel Dantas, local do Recreio, que surfou confiante e vem mostrando uma excelente evolução.

Pódio sub-12 masculino. Foto: Iuri Corsini

Não à toa, estes três, ao lado de outro expoente da mais nova geração de surf do Recreio dos Bandeirantes, João Victor Coutinho (que ainda é petiz), fizeram a grande final da categoria. Até perto do fim a situação estava embolada; Rickson e Gabriel se revezavam na liderança e Pablo Gabriel ameaçava a todo instante, e por muito pouco não conseguiu acertar uma manobra que possivelmente lhe renderia a virada. Porém, nos minutos finais, Rickson Falcão conseguiu melhorar sua situação com uma boa direita e consolidou-se na liderança para conquistar mais um título em sua incipiente e promissora carreira.

Rickson Falcão em ação. Foto: Iuri Corsini

“É meu 2º título aqui em Niterói e graças a Deus deu tudo certo. A bateria foi muito difícil, com alto nível de atletas. Estou muito feliz de ter conseguido trocar minha nota na última onda e de ter acertado uma boa batida na junção no final. Queria parabenizar a galera que correu também, porque eles surfaram muito”, disse um aliviado e sorridente Rickson Falcão.

Na sequência, foi a vez das meninas da sub-16 medirem forças na grande final. Ayme Rezende, Mariana Areno, Aysha Ratto e Laiz Costa fizeram uma bateria eletrizante. A local da Barra da Tijuca, Maiana Areno, grande favorita ao título, começou forte e parecia dominar o confronto. Porém, ela talvez não contasse com uma instigada Laiz Costa, que conseguiu a virada por uma diferença de menos de meio ponto, ao espremer a valinha de direita. Após decorridos os 20 minutos de bateria, o soar da buzina garantia o emocionante título de Laiz.

Laiz Costa em ação. Foto: Iuri Corsini

A mais nova da família Costa saiu da água sem parecer acreditar no resultado e mal conseguiu falar de tamanha emoção. “Tem anos que eu queria ganhar da Mariana, eu nem sei o que falar. Estou muito feliz! Estava muito pressionada no final, quase não consigo voltar na manobra da virada, mas deu tudo certo”, falou com a voz embargada a local do Recreio dos Bandeirantes, que garantiu o 2º título da família – seu irmão, Cauã Costa, foi o campeão da sub-16 no dia anterior.

Pódio Feminino sub-16. Foto: Iuri Corsini

Na bateria mais aguardada do dia, Luana Paes juntava-se às três favoritas ao título: Maju Freitas, Júlia Duarte e Mariana Areno. Deixando o melhor para o final, as meninas mostraram o porquê de estarem ali e o porquê de serem as favoritas. A briga pelo título ficou mesmo entre as nossas três representantes no ISA Junior Games. No final, após algumas trocas de posições e de liderança, foi a atual campeã brasileira da categoria, Júlia Duarte, quem faturou o título. Maju Freitas quase conseguiu reassumir a liderança pouco antes do término, mas acabou ficando em 2º lugar, a pouco menos de um ponto de distância de Júlia. Em 3º, não muito distante das duas primeiras colocadas, ficou Mariana Areno.

Pódio Feminino Pro Junior. Foto: Iuri Corsini

Com os resultados do Feminino Pro Junior, Maju Freitas continua na liderança do ranking do circuito, com Júlia Duarte em 2º e Mariano Areno em 3º. Ainda faltam duas etapas para saber quem será a grande campeão do Circuito 2019.

Maju Freitas em ação. Foto: Iuri Corsini

SÁBADO – O sábado de boas ondas no canto direito (Pampo) de Itacoatiara, o trio Cauet, Cauã e Cauã venceram nas categorias sub-14, sub-16 e sub-18 e fizeram a festa num dos mais imponentes palcos do surf competição nacional, com um céu azul, calor de verão e boas ondas compuseram o cenário do Itacoatiara Pro Júnior 2019, que começou na linda manhã de sábado, no Pampo, na praia de Itacoatiara, Niterói. Logo às 8h, a primeira bateria da sub-18 (Pro Jr.) foi para a água e daí em diante o show de surf foi garantido, com as categorias sub-14, sub-16 e sub-18 (todas do masculino) sendo finalizadas. Esta foi a terceira etapa de nível 1000 da Pro Junior, que premiará o campeão do circuito com uma viagem para as Ilhas Mentawai.

Antes de mais nada, vale ressaltar o acerto da direção de prova em colocar o palanque no canto direito de Itacoatiara (Pampo), local onde estavam rolando as melhores ondas da praia. Mais uma vez, assim como acontecera em Ponta Negra, o estudo preciso das previsões foi fundamental para que a competição pudesse rolar em alto nível e com boas ondas durante todo o período do evento. Após cerca de oito horas de disputas, Cauet Frazão levou a melhor na sub-14, Cauã Costa venceu a sub-16 e Cauã Gonçalves, de São Paulo, levou o super disputado título da Pro Junior.

Nas valas de 0,5 a 1,0 metro do Pampo, com as direitas ditando o ritmo, a 1ª fase da categoria Pro Junior inaugurou os trabalhos em Itacoatiara. Cauã Costa sobrou na bateria, mostrou precisão nos aéreos e surf de linha no pé, terminando com o maior somatório do round 1 (15.35) – com direito a superman executado com maestria. Os outros destaques desta 1ª fase ficaram por conta do saquaremense Valentim Neves, Diego Brígido, local do Recreio, do buziano Kallany Rato e do paulista Cauã Gonçalves. Enquanto Valentim e Kallany foram para os voos, Diego e Cauã extrapolaram nas manobras com força e controle.

Valentim Neves em ação. Foto: Iuri Corsini

Na 3ª bateria desta fase, tivemos a melhor disputa do round. Valentim Neves, Yan Sondahl, Cauet Frazão e Cauã Gonçalves não paravam de pegar ondas e se alternavam nas posições. Após uma boa trocação entre os quatro atletas na metade da bateria, Valentim Neves conseguiu consolidar-se na liderança, com Cauã Gonçalves terminando em 2º lugar. Finalizadas as cinco baterias da primeira fase da sub-18 masculina, começaram as alternâncias de baterias com as disputas do round 1 do sub-14 e sub-16.

Dentre os atletas de até 14 anos, Caique Gomes e Pedro Henrique Canero entraram na bateria já garantidos na semifinal, já que os outros dois surfistas não compareceram. Na sequência, Rafael Lufty e Cauet Frazão avançaram às semifinais, seguidos de Igor Shibata e Pablo Gabriel e Deri Silva e Pedro Henrique Lima.

Na sub-16 as disputas continuaram pegando fogo. As ondas seguiam consistentes no Pampo e, após as quatro baterias da 1ª fase, os oito finalistas foram definidos. Kallany Rato, Diego Brígido, Matheus Guimarães, Lucas Ribas, Caio Knappi, Cauã Costa, Cauet Frazão e Cauã Gonçalves foram os surfistas de até 16 anos que conseguiram chegar à fase final da competição.

Com os semifinalistas das sub-14 e sub-16 definidos, era chegada a hora de saber quais seriam os seis atletas da Pro Júnior que iriam compor as semifinais. Pedro Amorim e Cauã Costa foram os primeiros a conseguirem a classificação. Logo na sequência, Cauã Gonçalves e Diego Brígido também se adiantaram. Finalizando esta rodada, o cabofriense Lucas Ribas e o buziano Kalany Ratto fecharam a lista dos semifinalistas.

Kalany Ratto em ação. Foto: Iuri Corsini

As definições dos Títulos – Começando pela sub-14, a primeira semifinal teve uma disputa pela 2ª colocação extremamente acirrada, decidida nos mínimos detalhes. Com Cauet Frazão terminando em 1º lugar com folgas, os outros três competidores travaram uma batalha franca em busca de uma vaga na grande final. Porém, por uma diferença de apenas 0.05 pontos em relação ao 3º colocado e apenas 0.30 em relação ao 4º colocado, foi Caique Gomes quem conseguiu chegar à decisiva bateria. Na bateria seguinte, com um pouco menos de proximidade entre as notas, avançaram Pablo Gabriel, em 1º, e Derik Silva, em 2º.

Na finalíssima, o cearense que recentemente se mudou para o Rio, Cauet Frazão, não deu chances a seus oponentes e conseguiu o título de forma inconteste. Em 2º lugar ficou Pablo Gabriel, com Caique Gomes em 3º e Derik Silva em 4º. Vale destacar que Cauet, apesar da pouca idade, competiu nas três categorias. “Nunca tinha surfado no Pampo. A onda é muito boa, gostei muito. Nas sub-18 não me achei muito no mar, na sub-16 parei na semifinal e agora consegui ganhar e fazer boas notas”, afirmou Frazão.

Chegada a hora das derradeiras baterias da sub-16, logo de cara na primeira semifinal da categoria, Kalany Ratto, um dos favoritos ao título, ficou em 3º e foi eliminado do jogo. Avançaram Lucas Ribas, em 1º, e Diego Brígido, em 2º.
Na bateria 2, Cauã Costa manteve a ótima forma e terminou tranquilo em 1º lugar, com Cauã Gonçalves em 2º. Cauet Frazão, em 3º, e Caio Knappi, em 4º, foram eliminados.

Na bateria decisiva, muitas ações, disputas e viradas. Após os 20 minutos de bateria, Cauã Costa conseguiu se desgarrar dos demais e se isolou na 1ª colocação – de onde não mais saiu. Lucas Ribas ficou com o vice-campeonato, Cauã Costa terminou em 3º e Diego Brígido ficou em 4º.

Cauã Costa em ação. Foto: Iuri Corsini

A hora mais aguardada – As semifinais da Pro Junior aconteceram em duas baterias de três atletas cada. Em ambas os 1º e 2º colocados destoaram em relação aos surfistas que ficaram em 3º lugar nas disputas. No heat 1, Cauã Costa novamente mostrou seu surf polido e garantiu seu lugar na final ao ficar em 1º, com seu xará Cauã Gonçalves avançando em 2º. Na bateria seguinte foi a vez de Lucas Ribas dar adeus. O local do Recreio dos Bandeirantes, Diego Brígido, ficou em 1º e Kalany Ratto em 2º.

A final: No papel, uma bateria fortíssima, mas com favoritismo para Cauã Costa, que vinha fazendo as melhores performances de sábado. Mas decisão é decisão e nada pode ser previsível – ainda mais quando se trata de ondas. Foi uma verdadeira batalha entre os dois Cauãs para ver quem sagraria-se campeão da etapa. Cauã Gonçalves dominou a bateria do início ao fim e o Cauã Costa teve que correr atrás nos minutos finais.

Faltando algo em torno de 2 minutos para o fim, Cauã Costa, que naquele momento precisava de um 5.60 para assumir a liderança, teve sua chance numa direita. O cearense radicado no Rio abriu forte com uma bela manobra de borda e finalizou com uma outra manobra no inside, mas essa já sem muita expressão. Para desespero de seu pai, Arquimedes Neto, a nota saiu 0.05 pontos abaixo do que Costa precisava (5.60) e viu a chance da medalha de ouro e da liderança do circuito irem embora – ao menos momentaneamente.

Pódio Masculino Pro Junior. Foto: Iuri Corsini

Foi Cauã Gonçalves, paulista que treina no Instituto Medina, quem subiu no lugar mais alto do pódio. Com o título em sua 1ª competição em Itacoatiara, Cauã assumiu a liderança do ranking da Pro Jr.. Lembrando que que foi o campeão deste circuito ganhará uma viagem com tudo na faixa para as Ilhas Mentawai.

Cauã Gonçalves em ação. Foto: Iuri Corsini

“Estou muito feliz. É minha primeira vez aqui em Itacoatiara e eu gostei muito dessa onda. Ela é forte, rápida e tem história. Com certeza é um título de muito peso para mim”, afirmou Cauã Gonçalves, que acabara de sair da água com o título embaixo do braço.

Confira os resultados:

Pro Junior (sub-18)

1º Cauã Gonçalves
2º Cauã Costa
3º Kalany Ratto
4º Diego Brígido

Masculino Sub-16

1º Cauã Costa
2º Lucas Ribas
3º Cauã Gonçalves
4º Diego Brígido

Masculino Sub-14

1º Cauet Frazão
2º Caique Gomes
3º Pablo Gabriel
4º Derik Silva

Feminino Pro Junior (Sub-18)

1° Julia Duarte
2° Maju Freitas
3° Mariana Areno
4° Luana Paes

Feminino Sub-16

1° Laiz Costa
2° Mariana Areno
3° Aysha Ratto
4° Ayme Rezende

Masculino Sub-12

1° Rickson Falcão
2° Gabriel Dantas
3° Pablo Gabriel
4° João Vitor Coutinho

Ranking da Pro Junior após 3 etapas de nível 1000:

1º Cauã Gonçalves (SP) – 2729

2º Cauã Costa (RJ) – 2629

3º Kalany Ratto (RJ) – 2610

Prêmio – O campeão e a campeã do ranking geral Pro Junior (Sub-18) serão premiados com uma surf trip nas ilhas Mentawai (Indonésia) no barco Maki Boat (@makiboat), durante a temporada 2020. A surf trip inclui apenas a estadia (11 dias de surf) no barco. A FESERJ irá premiar com a passagem aérea Rio-Padang-Rio aquele(a) que for campeão(ã) da categoria mais disputada dentre as duas.

O Itacoatiara Pro Junior 2019, apresentado pela Secretaria Municipal de Esporte e Lazer da Prefeitura de Niterói, contou com seis categorias de base: Masculinos Sub-12, Sub-14, Sub-16, Feminino Sub-16, Feminino Pro Junior (Sub-18) e Masculino Pro Junior (Sub-18).

Patrocínio: Secretaria Municipal de Esporte e Lazer – Prefeitura de Niterói | FESERJ
Apoio: Piranha Surf | Maki Boat
Apoio Institucional: Associação de Surf de Niterói (ASN)
Divulgação: Surfland | Waves
Informações: contato@feserj.org.br

Tenha lindas artes exclusivas
mag72