Equador volta ao Circuito Mundial após 15 anos com 02 etapas do WSL Qualifying Series em junho.

Publicado por AdrenaNews 188 views0

Equador volta ao Circuito Mundial de Surfe após 15 anos com duas etapas do WSL Qualifying Series em junho.

Line Up de Montanita em ação. Foto: Israel Barona

Promovendo duas etapas seguidas do World Surf League Qualifying Series, para homens e mulheres competirem neste mês de junho. A primeira será o “Corona Montañita Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena” nos dias 16 a 20 em Montañita. A outra é o “Corona Salinas Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena” nos dias 23 a 27 em Salinas, que foi palco da única etapa da World Surf League realizada no Equador em 2005.

Line Up de Montanita em ação. Foto: Leon Febres Cordero

Os dois eventos têm status QS 1000 e valem 1.000 pontos nos rankings regionais masculino e feminino da WSL Latin America 2021, que indicarão os surfistas da América do Sul para disputar as etapas do Challenger Series no segundo semestre, classificatórias para a elite do World Surf League Championship Tour 2022. Competidores de treze países já confirmaram suas inscrições nas duas categorias, incluindo o Equador. Entre os estrangeiros, têm surfistas do Brasil, Peru, Chile, Argentina, Uruguai, Colômbia, Costa Rica, Porto Rico, Panamá e até dos Estados Unidos, Havaí e Portugal.

Adrian Dapelo em ação. Foto: Christian de Bruin

Na lista dos surfistas que irão participar do “Corona Montañita Open” e do “Corona Salinas Open”, estão os atuais campeões sul-americanos da WSL Latin America, o brasileiro João Chianca e a peruana Daniella Rosas, bem como os da categoria Pro Junior Sub-18, o peruano Raul Rios e a brasileira Tainá Hinckel. O campeão do ranking regional da WSL North America em 2018, o peruano Lucca Mesinas, também está confirmado, assim como o principal nome do surfe equatoriano, a campeã sul-americana de 2011 e 2018, Dominic Barona, que mora em Montañita.

Dominic Barona em ação. Foto: Leon Febres Cordero

“Minha expectativa para esses eventos é a melhor possível e espero que todas as meninas venham para cá também, com a mesma mentalidade de ganhar”, disse Dominic Barona. “Eu me sinto superbem, estou treinando bastante, não só a parte física, como a técnica também, nessa pré-temporada que não tinha há muitos anos. Espero dar o meu melhor nestes campeonatos aqui no Equador e não há nada mais lindo do que poder competir perto de casa. Na verdade, ter eventos dessa magnitude e importância em nosso país, é um sonho de muitos anos que será realizado, então quero aproveitar a chance para vencer em casa”.

Este retorno da principal competição de surfe no mundo conta com total apoio do Governo Federal do Equador e três ministérios estarão envolvidos institucionalmente em toda a programação, o do Turismo, o do Esporte e o da Saúde, que estabeleceu os protocolos de proteção ao Covid-19 a serem seguidos por todos. A expectativa é de que os eventos aconteçam com total segurança para os atletas, comissão técnica e staff local. Para isso, será limitada a presença de público nas praias de Montañita e de Salinas, ambas localizadas na Província de Santa Elena, cerca de 2 horas ao sul do aeroporto de Guayaquil.

“Esses eventos serão uma plataforma extraordinária para a reativação econômica e turística da faixa litorânea da região de Santa Elena, afetada pelo confinamento e as restrições causadas pela pandemia”, disse o organizador dos dois eventos, Xavier Aguirre. “Montañita e Salinas são dois balneários que dependem principalmente do turismo para a sua subsistência. O surfe tem sido o principal motor de desenvolvimento dessas comunidades, rodeadas por praias espetaculares com ondas de nível internacional. Trazer eventos da WSL para o Equador é um grande passo para o desenvolvimento do surfe nacional, elevando o nível competitivo dos nossos atletas, visando prepara-los para os eventos profissionais mais importantes e para as competições do ciclo olímpico também”.

Lisette Prado em ação. Foto: Kevin Moncayo

MONTAÑITA – O palco do “Corona Montañita Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena” é um pointbreak de direitas que quebra perfeito com swell de Norte ou Sul durante quase o ano todo, principalmente entre os meses de março e agosto. Montañita é conhecida como uma das melhores ondas do Pacífico Sul, sendo um dos picos preferidos por surfistas de vários países da América Latina. Em 2013, essa praia sediou o Mundial da ISA (International Surfing Association), que contou com a participação de alguns campeões mundiais da World Surf League, como a heptacampeã Layne Beachley e Sunny Garcia.

Line Up de Montanita em ação. Foto: Israel Barona

SALINAS – A Playa de la FAE, que vai sediar o “Corona Salinas Open apresentado pela Hyundai New Tucson 2022 e Prefeitura de Santa Elena”, é apontada como uma das ondas mais consistentes do Equador. Localizada dentro de uma base militar, é formada por uma baía com várias opções para surfar esquerdas e direitas em fundos de pedra e de areia. Salinas já recebeu o Mundial da ISA três vezes, em 2004, 2009 e 2014. É, também, onde foi disputada a única etapa da World Surf League em 2005. O evento do Qualifying Series com nível 2 estrelas rolou na praia Punta Carnero, onde o brasileiro Heitor Alves conquistou o título derrotando três norte-americanos na grande final, Andrew Gahan (2.o lugar), Travis Mellen (3.o) e Mike Losness (4.o).

Line Up de Montanita em ação. Foto: Israel Barona

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72