Corona Open Salinas Surf City – Evento começou com surfistas de 12 países no Equador – Assistam ao Vídeo!

Publicado por AdrenaNews 0

Começou com 126 surfistas de 12 países no Equador o Corona Open Salinas Surf City apresentando por Hyundai New Tucson 2022. Assistam ao Vídeo!

Wesley Leite em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

A segunda etapa seguida da WSL Latin America no Equador, começou nesta quarta-feira com 126 inscritos nas categorias masculina e feminina. No primeiro dia, 56 competidores de 8 nações estrearam nas 14 baterias disputadas em condições desafiadoras, com grandes ondas e forte correnteza na Playa de la FAE, em Salinas, na Península de Santa Elena. Restaram duas para fechar esta primeira fase masculina, que ficaram para abrir a quinta-feira, às 9h00 no Equador, 11h00 no Brasil, ao vivo pelo www.wsllatin.america.com.

Roberto Rodriguez em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

Assim como no Corona Open Montañita Surf City na semana passada, a quantidade de participantes do Equador impressionou, agora igualando o número de 46 surfistas do Brasil nas categorias masculina e feminina. O Peru tem 9 inscritos na disputa pelos dois títulos, a Argentina tem 7, o Chile tem 5, a Costa Rica e o Panamá têm 4 cada e mais cinco países comparecem com 1 representante, Uruguai, Porto Rico, Estados Unidos, Havaí e Portugal.

Raul Rios em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

No primeiro dia, os brasileiros ganharam a maioria das baterias, seis contra três do Equador, duas do Peru, duas dos dois únicos participantes do Panamá e uma da Costa Rica. Um dos destaques no mar difícil da quarta-feira foi Snaider Parrales, que conquistou a primeira vitória equatoriana surfando a melhor onda do dia, nota 7,50. O outro recordista foi o peruano Lucca Mesinas, campeão do QS 1000 de Montañita, que totalizou imbatíveis 12,25 pontos.

Snaider Parrales em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

“Estou muito feliz pelo resultado e muito obrigado ao povo de Pedernales, Manabí. As condições do mar estavam bem difíceis, mas veio uma onda boa para mim e aproveitei”, contou Snaider Parrales, que é de Pedernales, em Manabí. “Eu só precisava de uma onda boa e fiz o meu trabalho. Eu conheço muito bem esse mar, venho para cá desde criança surfar e sei muito bem como são as ondas aqui. É muito diferente de Montañita. Aqui a correnteza é muito forte e as ondas são maiores também”.

Snaider venceu a quarta bateria do dia, disputada por três equatorianos e um peruano, Joule Zimmermann, que ficou em último lugar. Jorge Sangachi avançou junto com ele, para enfrentar os cabeças de chave mais bem colocados no ranking da World Surf League, que entram na segunda fase. Os dois e mais cinco surfistas do Equador se classificaram, porém 21 foram eliminados no primeiro dia do Corona Open Salinas Surf City QS 1000.

RECORDES DO DIA – Snaider Parrales aumentou o recorde de nota para 7,50 na melhor apresentação do dia, ultrapassando o 7,25 conseguido pelo brasileiro Luy Arman na última onda surfada no confronto anterior. Com ela, Luy passou em segundo lugar na disputa vencida por Lucca Mesinas, por imbatíveis 12,25 pontos, somando notas 6,75 e 5,50. O peruano classificado para as Olimpíadas de Tóquio no Japão, vem de vitória no Corona Open Montañita Surf City, festejada no domingo em Montañita.

“O mar está bem diferente de Montañita. Aqui está muito grande, bastante mexido e eu pensei que ia pegar esquerdas, mas acabei surfando as direitas, que estavam melhores”, disse Lucca Mesinas “Eu prefiro surfar ondas grandes assim e estou superfeliz em passar minha primeira bateria. Quando terminou o evento de Montañita no domingo, eu já vim para cá no dia seguinte e fiquei treinando na segunda e na terça-feira para competir bem e deu certo”.

FINAL DE MONTAÑITA – Com a vitória em sua estreia em Salinas, Lucca Mesinas já vai encontrar o adversário que derrotou na decisão do título em Montañita, Edgard Groggia, que é um dos cabeças de chave da terceira bateria da segunda fase. Dessa vez, ainda tem o argentino Tomas Lopez Moreno e o equatoriano Jorge Sangachi, para brigar com eles por duas vagas para a terceira fase do Corona Open Salinas Surf City.

“Eu já tinha visto que poderíamos nos encontrar e ele (Edgard Groggia) é muito bom competidor”, destaca Lucca Mesinas. “Ele pega bastante ondas nas baterias e sempre surfa muito bem, então tenho que pegar ondas melhores do que ele. Preciso escolher bem as boas e aproveitar as oportunidades. Essa parece ser a melhor estratégia contra ele”.

Felipe Oliveira em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

VAGAS NO CHALLENGER SERIES – Enquanto Lucca Mesinas é filiado na WSL North America e compete relaxado só treinando para as Olimpíadas, Edgard Groggia está na pressão por resultados. Ele é um dos dois únicos surfistas que ainda estão matematicamente na briga pelas vagas da WSL Latin America, para as etapas do Challenger Series, que vão decidir os classificados para a elite do World Surf League Championship Tour 2022.

Lucca Mesinas em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

A batalha pelas duas últimas vagas, será travada por cinco surfistas na Playa de la FAE, que fica dentro de uma base militar, da Força Aérea do Equador, com acesso controlado. Edgard Groggia precisa passar as suas duas primeiras baterias em Salinas, para ultrapassar a pontuação do também brasileiro Alejo Muniz, que está fechando a lista dos 10 indicados pela WSL Latin America. O outro com chances de entrar no G-10 é Leandro Usuña, mas o argentino já necessita da vitória no QS 1000 de Salinas e o Alejo não pode ficar de 17.o lugar para cima, nem Edgard conseguir um 9.o lugar ou um resultado melhor.

Além de Alejo Muniz, também estão ameaçados no G-10, o uruguaio Marco Giorgi e o brasileiro Rafael Teixeira. Mas, ambos podem garantir suas classificações para o Challenger Series por eles mesmos, independentemente dos resultados do Alejo Muniz e do Edgard Groggia, únicos que podem ultrapassa-los. Marco Giorgi confirma seu nome com um nono lugar em Salinas, uma fase antes de Rafael Teixeira, que se garante nas quartas de final.

Os sete que já estão confirmados na lista dos 10 indicados pela WSL Latin America, para disputar as vagas para o CT 2022 no Challenger Series, são o peruano Alonso Correa e seis brasileiros, o líder do ranking, Wiggolly Dantas, Ian Gouveia, Thiago Camarão, o atual campeão sul-americano, João Chianca, Weslley Dantas e Samuel Pupo. Na disputa pelas cinco vagas do ranking feminino, as líderes são as únicas já garantidas, a peruana Daniella Rosas em primeiro lugar e a brasileira Silvana Lima.

CINCO VAGAS FEMININAS – Silvana confirmou seu nome com o título no Corona Open Montañita Surf City, conquistado na final com a havaiana Summer Macedo no domingo em Montañita. A peruana Sol Aguirre em terceiro no ranking e a argentina Josefina Ané em quarto, garantem seus nomes se passarem para a segunda fase em Salinas, ou até sendo eliminadas em terceiro lugar nas suas primeiras baterias.

Seis surfistas têm chances matemáticas de brigar principalmente pela vaga da peruana Anali Gomez, que não foi competir nas etapas do Equador. A equatoriana Dominic Barona já assume sua posição no G-5 se passar pela primeira bateria em Salinas. A brasileira Julia Duarte ultrapassa os 1.500 pontos da Anali nas quartas de final. A peruana Melanie Giunta, a havaiana Summer Macedo e a argentina Lucia Cosoleto, só conseguem isso se chegarem na grande final, enquanto para a brasileira Nairê Marquez o único resultado é a vitória nesta segunda etapa do QS 1000 no Equador.

As meninas devem estrear no Corona Open Salinas Surf City apresentado por Hyundai New Tucson 2022 na Playa de la FAE nesta quinta-feira, mas o segundo dia vai começar com as duas baterias restantes da primeira fase masculina, as 9h00 no Equador, 11h00 no Brasil, com transmissão ao vivo de Salinas pelo www.worldsurfleague.com e www.wsllatinamerica.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League, clicando em EVENTS e QS.

ASSISTAM AO VÍDEO NO PLAYER ABAIXO:

Highlights Day 1: QS1000 Corona Salinas Open:

BATERIAS DO CORONA OPEN SALINAS SURF CITY:

PRIMEIRA FASE – 3.o=65.o lugar (53 pts) e 4.o=81.o lugar (40 pts):

1.a: 1-Kim Matheus (BRA), 2-Felipe Ximenes (BRA), 3-Bruce Burgos (ECU), 4-Alejandro Borbor (ECU)
2.a: 1-Raul Rios (PER), 2-Shadi Bayoumi (ECU), 3-Jefferson Panezo (ECU), 4-Juan Yanez (ECU)
3.a: 1-Lucca Mesinas (PER), 2-Luy Arman (BRA), 3-Fabricio Rocha (BRA), 4-Hector Eguez (ECU)
4.a: 1-Snaider Parrales (ECU), 2-Jorge Sangachi (ECU), 3-Aurelio Prieto (ECU), 4-Joule Zimmermann (PER)
5.a: 1-Ricardo João (BRA), 2-Gustavo Borges (BRA), 3-Dennis Picado (CRI), 4-Damian Borbor (ECU)
6.a: 1-Luis Lopez (PAN), 2-Manuel Selman (CHL), 3-Erick Garcia (ECU), 4-Carlos Borbor (ECU)
7.a: 1-Felipe Rodriguez (ECU), 2-Hedieferson Junior (BRA), 3-Theo Fresia (BRA), 4-Andy Chacon (CRI)
8.a: 1-Felipe Oliveira (BRA), 2-Darshan Antequera (CRI), 3-Carlos Gonçalves (ECU), 4-Andy Rivera (ECU)
9.a: 1-Adrian Dapelo (ECU), 2-Gabriel A. Vargas (PER), 3-Luan Carvalho (BRA), 4-Cristhian Rojas (ECU)
10: 1-Wesley Leite (BRA), 2-Roberto Rodriguez (ECU), 3-Kevin Navas (ECU), 4-Tab Textor (EUA)
11: 1-Kalani Garcia (PAN), 2-Guillermo Satt (CHL), 3-Pablo Silva (ECU), 4-Daniel Guerrero (ECU)
12: 1-Diego Aguiar (BRA), 2-Junior Rocha (BRA), 3-Maximiliano Saenz (ECU), 4-Cayetano Plaza Oleas (ECU)
13: 1-Alberto Herrera (CRI), 2-Santiago Garcia (ECU), 3-Ramon Loor (ECU), 4-Jose Loor (ECU)
14: 1-Victor Bernardo (BRA), 2-Rafael Silva (PRT), 3-Rafael Romero (ECU), 4-Daniel Flores (ECU)

Ficaram para abrir a quinta-feira:

15: Pedro Bianchini (BRA), Rafael Clemente (ECU), Fabio Dapelo (ECU), Diego Garcia Coello (ECU)
16: Alex Suárez (ECU), Adrian Zambrano (ECU), Luis Sangachi (ECU), Juliano Auad Klaere (ECU)

SEGUNDA FASE – estreia dos 32 cabeças de chave:

3.o=33.o lugar (66 pts) e 4.o=49.o lugar (60 pts)

1.a: Marco Giorgi (URU), Jonathan Zambrano (ECU), Kim Matheus (BRA), Shadi Bayoumi (ECU)
2.a: Robson Santos (BRA), Roberto Araki (CHL), Raul Rios (PER), Felipe Ximenes (BRA)
3.a: Edgard Groggia (BRA), Tomas Lopez Moreno (ARG), Lucca Mesinas (PER), Jorge Sangachi (ECU)
4.a: Marcos Correa (BRA), Israel Barona (ECU), Snaider Parrales (ECU), Luy Armann (BRA)
5.a: Matheus Navarro (BRA), Luan Hanada (BRA), Ricardo João (BRA), Manuel Selman (CHL)
6.a: Renan Peres Pulga (BRA), Pedro Dib (BRA), Luis Lopez (PAN), Gustavo Borges (BRA)
7.a: Igor Moraes (BRA), Santiago Muniz (ARG), Felipe Rodriguez (ECU), Darshan Antequera (CRI)
8.a: Samuel Pupo (BRA), Pericles Dimitri (BRA), Felipe Oliveira (BRA), Hedieferson Junior (BRA)
9.a: João Chianca (BRA), Niccolas Padaratz (BRA), Adrian Dapelo (ECU), Roberto Rodriguez (ECU)
10: Pedro Neves (BRA), Gustavo Dvorquez (CHL), Wesley Leite (BRA), Gabriel A. Vargas (PER)
11: Leandro Usuña (ARG), Ryan Kainalo (BRA), Kalani Garcia (PAN), Junior Rocha (BRA)
12: Jose Gundesen (ARG), Vitor Ferreira (BRA), Diego Aguiar (BRA), Guillermo Satt (CHL)
13: Rafael Teixeira (BRA), Kaue Germano (BRA), Alberto Herrera (CRI), Rafael Silva (PRT)
14: Eduardo Motta (BRA), Uriel Sposaro (BRA), Victor Bernardo (BRA), Santiago Garcia (ECU)
15: Leo Casal (BRA), Fernando Junior (BRA), 1.o da 15.a bateria da 1.a fase, 2.o da 16.a
16: Alejo Muniz (BRA), Leon De La Torre (CHL), 1.o da 16.a bateria da 1.a fase, 2.o da 15.a

PRIMEIRA FASE – 3.a=17.o lugar (200 pts) e 4.a=25.o lugar (75 pts):

1.a: Silvana Lima (BRA), Genesis Garcia (ECU), Yasmin Dias (BRA)
2.a: Tainá Hinckel (BRA), Julia Duarte (BRA), Cristina Game (ECU), Xiomara Bowen (ECU)
3.a: Daniella Rosas (PER), Lucia Cosoleto (ARG), Sophia Medina (BRA), Wendy Velasquez (ECU)
4.a: Josefina Ané (ARG), Jolari Carreras (PRI), Nairê Marquez (BRA), Fanny Villao (ECU)
5.a: Summer Macedo (BRA), Andrea Vlieg (PAN), Julia dos Santos (BRA)
6.a: Melanie Giunta (PER), Isabela Saldanha (BRA), Susana Berrezueta (ECU), Isabela Bottero (ECU)
7.a: Sol Aguirre (PER), Coco Cianciarulo (ARG), Marina Rezende (BRA), Cristina Vargas (ECU)
8.a: Dominic Barona (ECU), Arena R. Vargas (PER), Kalea Gervasi (PER), Iliana Aguirre (ECU)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72