Corona Open Salinas Surf City – Definidas as vagas para as etapas do WSL Challenger Series 2021 – Assistam ao Vídeo!

Publicado por AdrenaNews 0

Definidas as vagas para as etapas do WSL Challenger Series, no sábado pelo Corona Open Salinas Surf City apresentado por Hyundai All-New Tucson 2022. O Domingo decisivo começa as 9h00 no Equador, 11h00 no Brasil. Assistam ao Vídeo!

Edgard Groggia em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

O uruguaio Marco Giorgi e os brasileiros Rafael Teixeira e Edgard Groggia, ficaram com as três vagas para o Challenger Series que restavam definir no ranking da WSL Latin America.

Marco Giorgi em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

A última foi conquistada por Edgard Groggia, com a eliminação de Alejo Muniz na rodada classificatória para as quartas de final do Corona Open Salinas Surf City apresentado por Hyundai All-New Tucson 2022, no sábado de condições desafiadoras na Playa de la Fae, na Península de Santa Elena.

Já a briga pela última vaga feminina, a brasileira Julia Duarte precisa vencer o QS 1000 de Salinas, para tirar a equatoriana Dominic Barona do Challenger Series. O domingo decisivo começa com as quartas de final masculinas as 9h00 no Equador, 11h00 no Brasil.

Julia Duarte em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

“As ondas para mim estão boas, porque eu gosto de mar grande e espero que continue assim”, disse Julia Duarte, após vencer o duelo brasileiro com Nairê Marquez. “Eu acho que minha calma em ondas maiores é um ponto forte, me sinto mais tranquila em situação de mares assim. No Rio (de Janeiro), onde eu moro, as ondas são muito fortes também e estou muito feliz. Eu amei o Equador, agora vou descansar e vir cedo amanhã para treinar antes do evento começar”.

As quartas de final femininas fecharam o sábado de mar difícil, com as maiores ondas da semana e muita correnteza na Playa de la FAE. Dominic Barona foi derrotada na última bateria do dia, pela havaiana Summer Macedo mais acostumada a surfar as direitas em condições extremas. Ela somou duas notas na casa dos 7 pontos, contra apenas 5,15 das duas ondas computadas pela equatoriana, que ainda ocupa a quinta posição no ranking da WSL Latin America, mas fica com sua classificação para o Challenger Series ameaçada.

Summer Macedo em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

“As condições estavam bem difíceis hoje. Todas as meninas optaram por surfar o inside das direitas, mas eu queria muito apostar nas ondas que estavam surgindo no outside”, disse Summer Macedo. “Eu sei que era um risco, mas deu certo. Eu sabia que se conseguisse pegar umas paredes abrindo lá fora, eu ia conseguir as notas. Agora estou muito empolgada para o dia final. Na semana passada, acabei em segundo no evento, então quero ganhar esse aqui”.

A havaiana vai enfrentar a peruana Melanie Giunta na disputa pela última vaga na decisão do Corona Open Salinas Surf City. Na primeira semifinal, está a número 1 do ranking da WSL Latin America e classificada para disputar medalhas para o Peru nas Olimpíadas de Tóquio, Daniella Rosas, com Julia Duarte. A brasileira ainda briga pela última vaga para o Challenger Series, novo circuito qualificatório para a elite do World Surf League Championship Tour. Mas, para tirar o quinto lugar da equatoriana Dominic Barona, precisa vencer esta segunda etapa seguida do QS 1000 no Equador.

Melanie Giunta em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

LISTA DEFINIDA – Enquanto na categoria feminina, ainda tem uma vaga para o Challenger Series em jogo, na masculina a lista dos dez indicados pela WSL Latin America foi definida no sábado. A última foi decidida na fase classificatória para as quartas de final. O jovem Edgard Groggia era o único ainda com chances de entrar no G-10 e passou sua bateria em primeiro lugar. Ele somou notas 6,50 e 5,90 na difícil condição do mar na maré cheia, para derrotar Marcos Correa, Felipe Oliveira e Matheus Navarro.

Marcos Correa em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

“Estou muito contente por ter passado para o último dia, com meu grande amigo, Marcos Correa, e espero fazer boas baterias amanhã como hoje”, disse Edgard Groggia, que falou sobre a vaga no Challenger Series. “Eu prefiro não pensar muito nisso. Estou bem focado nas minhas baterias e o que for para ser, será, está nas mãos de Deus. Está tudo acontecendo muito rápido e estou sabendo lidar com isso. Claro que espero conseguir essa vaga, é meu sonho, mas sei que se eu seguir focado e ganhar esse campeonato amanhã, a vaga será minha. Estou muito feliz, vou descansar e amanhã venho com tudo para cá de novo”.

Com sua classificação para as quartas de final, a pressão ficou para o ex-top do CT e bem mais experiente, Alejo Muniz, que precisava avançar porque a briga entre eles era fase a fase. Quem também estava na expectativa era o outro brasileiro ameaçado no G-10, Rafael Teixeira, que não passou da sua primeira bateria no sábado. Já o uruguaio Marco Giorgi tinha garantido seu nome com a eliminação do argentino Leandro Usuña na rodada anterior.

Alejo competiu na segunda das três baterias 100% brasileiras, que definiram os classificados para as quartas de final. Ele preferiu ser mais seletivo, escolher as melhores das séries que não paravam de entrar no mar balançado do sábado. Só que não vieram muitas ondas boas e o máximo que ele conseguiu foram notas 4,85 e 4,05. O atual campeão sul-americano da WSL Latin America, João Chianca, largou na frente com 6,50 e confirmou a vitória com 5,25 na última onda. E o jovem Fernando Junior, acabou eliminando Alejo com 5,50 e 4,70.

João Chianca em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

Com a derrota, Alejo Muniz não conseguiu recuperar a 11.a posição no ranking, que Edgard Groggia tinha lhe tirado no confronto anterior. A lista dos indicados pela WSL Latin America está indo até o 11.o lugar, porque o segundo colocado é Jadson André, um dos tops do CT 2021 que têm participação garantida no Challenger Series. O sábado começou com cinco surfistas brigando pelas três últimas vagas e o primeiro a confirmar a sua foi o uruguaio Marco Giorgi, que abriu o sábado dando um show nas direitas pesadas da Playa de la FAE.

Ele registrou o segundo maior placar do Corona Open Salinas Surf City, 16,00 pontos com notas 8,75 e 7,50. Só não superou o recordista absoluto, Samuel Pupo, que na sexta-feira arrancou a única nota 10 das duas etapas no Equador e totalizou 17,75 pontos. Samuca não repetiu essa brilhante apresentação e ficou em último no quarto confronto do sábado. Já Marco Giorgi avançou para as quartas de final, na disputa vencida pelo peruano Lucca Mesinas, campeão do Corona Open Montañita Surf City domingo passado.

“Eu vim para cá para me classificar para o Challenger Series, mas fui mal em Montañita, numa bateria com poucas ondas. Vim para cá com um pouco mais de pressão, com obrigação de conseguir um bom resultado, então passar essas baterias já me deixa mais tranquilo”, disse Marco Giorgi. “Essa agora foi muito difícil. A gente não escutava nada das notas por causa do vento forte, tinha muita correnteza também, então foi muito complicada. Mas, estou feliz por ter sobrevivido nessa bateria e por seguir no evento. Feliz também por ter atingido meu objetivo principal, que era a vaga para os Challenger Series”.

Essa bateria que Marco Giorgi passou junto com Lucca Mesinas, foi a única da quarta fase com surfistas de outros países. Nela, ainda estava o argentino Santiago Muniz e o brasileiro Pedro Dib, que foram eliminados. As outras três ficaram 100% brasileiras, pois os 3 equatorianos, os 2 chilenos, 2 dos 3 peruanos, 1 dos 2 argentinos e o único surfista da Costa Rica, não passaram da terceira fase. Dos 16 classificados para disputar vagas para as quartas de final, 13 eram do Brasil, 1 do Peru, 1 da Argentina e 1 do Uruguai.

Lucca Mesinas em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

QUARTAS DE FINAL – O peruano Lucca Mesinas, que está se preparando para disputar as Olimpíadas de Tóquio 2020 no Japão em julho e vem de vitória no Corona Open Montañita Surf City, vai enfrentar o mesmo Marcos Correa que derrotou na semifinal do domingo passado. Na segunda quarta de final, estão os dois surfistas que garantiram vagas para o Challenger Series no sábado em Salinas, Marco Giorgi e Edgard Groggia, vice-campeão na final em Montañita.

Na chave de baixo, só tem brasileiros. O atual campeão sul-americano da WSL Latin America, João Chianca, disputa a terceira vaga para as semifinais com Ryan Kainalo. E na última bateria, tem mais dois surfistas da nova geração com idade de Pro Junior como Ryan Kainalo ainda, Fernando Junior e Leo Casal, que impressionou com seu ataque corajoso nas direitas de La FAE. Em sua primeira bateria do sábado, tirou uma nota 8,00, a segunda maior do dia.

Ryan Kainalo em ação Foto: Kevin Moncayo / Corona Salinas

O Corona Open Salinas Surf City apresentado por Hyundai All-New Tucson 2022 está sendo transmitido ao vivo da Playa de la FAE, em Salinas pelo www.worldsurfleague.com e www.wsllatinamerica.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League, clicando em EVENTS e QS. A quartas de final masculinas vão abrir o domingo, as 9h00 no Equador, 11h00 no Brasil.

ASSISTAM AO VÍDEO NO PLAYER ABAIXO:

Highlights Day 4: QS1000 Corona Salinas Open:

DOMINGO DECISIVO DO CORONA OPEN SALINAS SURF CITY:

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 500 pts e US$ 250:

1.a: Lucca Mesinas (PER) x Marcos Correa (BRA)
2.a: Marco Giorgi (URU) x Edgard Groggia (BRA)
3.a: João Chianca (BRA) x Ryan Kainalo (BRA)
4.a: Leo Casal (BRA) x Fernando Junior (BRA)

SEMIFINAIS FEMININAS – 3.o lugar com 650 pts e US$ 550:

1.a: Daniella Rosas (PER) x Julia Duarte (BRA)
2.a: Summer Macedo (HAV) x Melanie Giunta (PER)

RESULTADOS DO SÁBADO NA PLAYA DE LA FAE EM SALINAS:

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 500 pts e US$ 250:

1.a: Daniella Rosas (PER) 6.75 x 2.60 Sophia Medina (BRA)
2.a: Julia Duarte (BRA) 7.90 x 3.85 Nairê Marquez (BRA)
3.a: Melanie Giunta (PER) 8.75 x 6.45 Isabela Saldanha (BRA)
4.a: Summer Macedo (HAV) 14.15 x 5.15 Dominic Barona (ECU)

QUARTA FASE: 1.o e 2.o=Quartas de Final / 3.o=9.o lugar (350 pts) e 4.o=13.o lugar (295 pts):

1.a: 1-Lucca Mesinas (PER), 2-Marco Giorgi (URU), 3-Pedro Dib (BRA), 4-Santiago Muniz (ARG)
2.a: 1-Edgard Groggia (BRA), 2-Marcos Correa (BRA), 3-Felipe Oliveira (BRA), Matheus Navarro (BRA)
3.a: 1-João Chianca (BRA), 2-Fernando Junior (BRA), 3-Alejo Muniz (BRA), 4-Vitor Ferreira (BRA)
4.a: 1-Leo Casal (BRA), 2-Ryan Kainalo (BRA), 3-Diego Aguiar (BRA), 4-Eduardo Motta (BRA)

TERCEIRA FASE: 3.o=17.o lugar (200 pts) e 4.o=25.o lugar (75 pts):

1.a: 1-Marco Giorgi (URU), 2-Edgard Groggia (BRA), 3-Robson Santos (BRA), 4-Snaider Parrales (ECU)
2.a: 1-Lucca Mesinas (PER), 2-Marcos Correa (BRA), 3-Raul Rios (PER), 4-Kim Matheus (BRA)
3.a: 1-Felipe Oliveira (BRA), 2-Pedro Dib (BRA), 3-Manuel Selman (CHL), 4-Darshan Antequera (CRI)
4.a: 1-Matheus Navarro (BRA), 2-Santiago Muniz (ARG), 3-Renan Peres Pulga (BRA), 4-Samuel Pupo (BRA)
5.a: 1-João Chianca (BRA), 2-Diego Aguiar (BRA), 3-Gabriel A. Vargas (PER), 4-Leandro Usuña (ARG)
6.a: 1-Vitor Ferreira (BRA), 2-Ryan Kainalo (BRA), 3-Gustavo Dvorquez (CHL), 4-Adrian Dapelo (ECU)
7.a: 1-Eduardo Motta (BRA), 2-Fernando Junior (BRA), 3-Rafael Teixeira (BRA), 4-Adrian Zambrano (ECU)
8.a: 1-Leo Casal (BRA), 2- Alejo Muniz (BRA), 3-Victor Bernardo (BRA), 4-Kaue Germano (BRA)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72