Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver – Começa terça-feira o prazo da sétima etapa do Championship Tour 2021.

Publicado por AdrenaNews 0

Começa terça-feira nas direitas de Barra de La Cruz, o prazo do Corona Open México apresentado pela Quiksilver, válida pela sétima etapa do WSL Championship Tour 2021.

Barra de La Cruz em ação. Sean Rowland – WSL

O Brasil terá exatamente 1/3 dos 36 participantes em Oaxaca no masculino. A cearense Silvana Lima e o catarinense Mateus Herdy vão reforçar a seleção brasileira na etapa mexicana que começa terça-feira, dia 10 e tem o prazo até 19 de agosto, para seu encerramento.

Mateus Herdy em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

Silvana Lima volta a formar a dupla brasileira das Olimpíadas com a gaúcha Tatiana Weston-Webb. Quem também foi convocado para substituir os tops contundidos foi outro surfista olímpico, Lucca Mesinas, que será o segundo peruano a disputar um evento da divisão de elite nesta temporada.

Silvana Lima em ação. Foto: Enrique Rodriguez – WSL

O primeiro peruano foi Miguel Tudela, no Billabong Pipe Masters que abriu a temporada no Havaí. Seis integrantes do CT 2021 não vão competir nesta penúltima batalha pelas cinco vagas para a decisão dos títulos mundiais no Rip Curl WSL Finals. O australiano Julian Wilson já anunciou que não participará do restante da temporada, assim como o havaiano John John Florence, que decidiu tratar melhor da contusão no joelho. Também recuperando-se de lesões estão o sul-africano Jordy Smith, a norte-americana Lakey Peterson e dois surfistas da Austrália, Jack Freestone e Nikki Van Dijk.

Miguel Tudela em ação. Foto: Brent Bielmann – WSL

A World Surf League já confirmou o australiano Mikey Wright para a vaga de Julian Wilson nas duas últimas etapas do ano e convidou o peruano Lucca Mesinas por estar em terceiro lugar no ranking da WSL North America, o brasileiro Mateus Herdy e o indonesiano Rio Waida por serem patrocinados pela Quiksilver, que apresenta o Corona Open Mexico, a cearense Silvana Lima que foi top da elite até 2019 e quatro surfistas do México terão a chance de enfrentar os melhores do mundo em casa, Jhony Corzo, Diego Cadena e Shelby Detmers e Regina Pioli na competição feminina.

Rio Waida em ação. Foto: Scott Hammond – WSL

BRASIL NO TOPO – A missão dos convidados e substitutos não será fácil, pois terão que encarar os mais bem colocados no ranking, que voltou a ter três brasileiros no topo, após a vitória de Filipe Toledo na final brasileira do Jeep Surf Ranch Pro com Gabriel Medina. Ambos ganharam duas das seis etapas deste ano e o bicampeão mundial ainda decidiu o título em outras três. Medina está disparado na frente e ninguém pode lhe tirar a lycra amarela de número 1 do mundo no Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver.

Gabriel Medina em ação. Foto: Cait Miers – WSL

O medalha de ouro na estreia do surfe nas Olimpíadas e atual campeão mundial, Italo Ferreira, está em segundo no ranking e derrotou o líder na outra final verde-amarela desse ano no WSL Championship Tour, em Newcastle. Também na Austrália, Filipe festejou sua primeira vitória em Margaret River e Medina venceu as outras duas etapas lá disputadas, em Sidney e em Rottnest Island. No momento, completam o grupo dos top-5 que vão disputar o título mundial no Rip Curl WSL Finals, em setembro nas ondas de Trestles, na Califórnia, o australiano Morgan Cibilic e o norte-americano Griffin Colapinto.

Italo Ferreira em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

PRIMEIRA FASE – O medalha de prata nas Olimpíadas, Kanoa Igarashi, é o sexto colocado e vai abrir o Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver, disputando as duas primeiras vagas para a terceira fase com o onze vezes campeão mundial Kelly Slater e o também americano Kolohe Andino. Os últimos colocados nestas baterias da primeira fase, têm outra chance de classificação na repescagem. Na segunda, entra Griffin Colapinto com um dos 11 titulares da seleção brasileira do CT, Jadson André, e o peruano Lucca Mesinas, que também competiu nas Olimpíadas e nesse ano venceu uma das etapas do QS 1000 no Equador, em Montañita. Na seguinte, tem Morgan Cibilic com o paulista Deivid Silva e o indonesiano Rio Waida.

Lucca Mesinas em ação. Foto: Daniel Smorigo – WSL

Depois, os líderes do ranking fazem suas primeiras apresentações nas direitas de Barra de La Cruz. Filipe Toledo estreia na quarta bateria com o francês Jeremy Flores e o mexicano Jhony Corzo. A quinta será 100% brasileira, com Italo Ferreira disputando sua primeira bateria depois da medalha de ouro no Japão, contra Peterson Crisanto e o campeão mundial Pro Junior da WSL em 2018, Mateus Herdy. E na sexta, entram Gabriel Medina vestindo a lycra amarela, o australiano Jack Robinson e o outro mexicano, Diego Cadena.

Peterson Crisanto em ação. Foto: Cait Miers – WSL

Na oitava bateria, tem Yago Dora com o medalha de bronze nas Olimpíadas, Owen Wright, e seu irmão, Mikey Wright. Na nona, é Brasil em dose dupla de novo, com Caio Ibelli e Alex Ribeiro contra o português Frederico Morais. Na 11.a, está um dos dois únicos participantes que competiram na etapa do Mexico 15 anos atrás, Adriano de Souza, que está encerrando sua carreira nessa temporada. O outro é Kelly Slater. Mineirinho vai enfrentar o australiano Ethan Ewing e o taitiano Michel Bourez. E Miguel Pupo fecha a primeira fase, com o havaiano Seth Moniz e o australiano Wade Carmichael.

Yago Dora em ação. Foto: Matt Dunbar – WSL

DUPLA OLÍMPICA – Na categoria feminina, Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb voltam a formar a dupla brasileira que fizeram até o CT 2019 e nas Olimpíadas também. Silvana foi escalada na primeira bateria com duas australianas, Keely Andrew e a número 3 do ranking, Sally Fitzgibbons. Tatiana ocupa a quarta posição no grupo das top-5 que vai decidir o título mundial no Rip Curl WSL Finals e estreia na quarta bateria, com a norte-americana Courtney Conlogue e a australiana Macy Callaghan. Assim como na categoria masculina, as duas melhores de cada bateria avançam direto para a terceira fase, que na feminina já é oitavas de final, com a última colocada tendo uma segunda chance na repescagem.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Keoki Saguibo – WSL

TRANSMISSÃO AO VIVO – O Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver é patrocinado pela Corona, Quiksilver, Jeep, Red Bull, Oakley, Hydro Flask, Expedia, DraftKings e será disputado entre os dias 10 e 19 de agosto, com transmissão ao vivo pelo WorldSurfLeague.com e pelo aplicativo grátis da WSL, com os brasileiros podendo acompanhar esta sétima etapa do World Surf League Championship Tour 2021 também pelos canais ESPN Brasil.

COVID-19 – A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League e já existe um robusto protocolo de segurança para ser seguido nos eventos, incluindo a implementação de testes, mantendo uma zona de bolha protegida para atletas e staff, com limitação do acesso do público na praia. A WSL incentiva os fãs a assistirem o evento ao vivo pelo WorldSurfLeague.com, que será transmitido em três idiomas, inglês, espanhol e português.

RIP CURL WSL FINALS – Restam apenas duas etapas para definir os grupos dos top-5 e das top-5 que vão disputar os títulos mundiais da temporada 2021 no Rip Curl WSL Finals. A decisão será no melhor dia de ondas no período de 9 a 17 de setembro em Lower Trestles, na Califórnia, Estados Unidos. Depois do Corona Open Mexico apresentado pela Quiksilver em Barra de La Cruz, em Oaxaca, de 10 a 20 de agosto no México, vem o Outerknown Tahiti Pro, de 24 de agosto a 3 de setembro nos perigosos tubos de Teahupoo.

CORONA OPEN MEXICO APRESENTADO PELA QUIKSILVER:

01: Kanoa Igarashi (JPN), Kelly Slater (EUA), Kolohe Andino (EUA)
02: Griffin Colapinto (EUA), Jadson André (BRA), Lucca Mesinas (PER)
03: Morgan Cibilic (AUS), Deivid Silva (BRA), Rio Waida (IDN)
04: Filipe Toledo (BRA), Jeremy Flores (FRA), Jhony Corzo (MEX)
05: Italo Ferreira (BRA), Peterson Crisanto (BRA), Mateus Herdy (BRA)
06: Gabriel Medina (BRA), Jack Robinson (AUS), Diego Cadena (MEX)
07: Conner Coffin (EUA), Matthew McGillivray (AFR), Adrian Buchan (AUS)
08: Yago Dora (BRA), Owen Wright (AUS), Mikey Wright (AUS)
09: Frederico Morais (PRT), Caio Ibelli (BRA), Alex Ribeiro (BRA)
10: Ryan Callinan (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA), Connor O´Leary (AUS)
11: Adriano de Souza (BRA), Ethan Ewing (AUS), Michel Bourez (TAH)
12: Seth Moniz (HAV), Miguel Pupo (BRA), Wade Carmichael (AUS)

CORONA OPEN MEXICO APRESENTADO PELA QUIKSILVER:

01: Sally Fitzgibbons (AUS), Keely Andrew (AUS), Silvana Lima (BRA)
02: Johanne Defay (FRA), Malia Manuel (HAV), Shelby Detmers (MEX)
03: Carissa Moore (HAV), Bronte Macaulay (AUS), Regina Pioli (MEX)
04: Tatiana Weston-Webb (BRA), Courtney Conlogue (EUA), Macy Callaghan (AUS)
05: Stephanie Gilmore (AUS), Isabella Nichols (AUS), Brisa Hennessy (CRI)
06: Caroline Marks (EUA), Tyler Wright (AUS), Sage Erickson (EUA)

TOP-10 DO RANKING 2021 DA WORLD SURF LEAGUE – 6 etapas:

1.o- Gabriel Medina (BRA) – 46.720 pontos
2.o- Italo Ferreira (BRA) – 33.555
3.o- Filipe Toledo (BRA) – 32.065
4.o- Morgan Cibilic (AUS) – 24.610
5.o- Griffin Colapinto (EUA) – 24.235
6.o- Kanoa Igarashi (JPN) – 23.545
7.o- Jordy Smith (AFR) – 22.770
8.o- Conner Coffin (EUA) – 22.205
9.o- Yago Dora (BRA) – 20.215
10.o- John John Florence (HAV) – 19.925

Outros brasileiros:

13.o- Adriano de Souza (BRA) – 15.735 pontos
13.o- Miguel Pupo (BRA) – 15.735
19.o- Caio Ibelli (BRA) – 13.950
23.o- Jadson André (BRA) – 11.820
24.o- Deivid Silva (BRA) – 11.395
26.o- Peterson Crisanto (BRA) – 10.895
32.o- Alex Ribeiro (BRA) – 6.915

TOP-10 DO RANKING DA WORLD SURF LEAGUE:

1.a- Carissa Moore (HAV) – 43.855 pontos
2.a- Johanne Defay (FRA) – 34.645
3.a- Sally Fitzgibbons (AUS) – 34.270
4.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 33.625
5.a- Stephanie Gilmore (AUS) – 29.390
6.a- Caroline Marks (EUA) – 28.660
7.a- Tyler Wright (AUS) – 27.095
8.a- Isabella Nichols (AUS) – 23.555
9.a- Courtney Conlogue (EUA) – 21.840
10.a- Keely Andrew (AUS) – 19.705

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

=

Reportagem: João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72