Corona Open J-Bay – Folga no primeiro dia – As previsões indicam ondas consistentes nesta quarta-feira!

Publicado por AdrenaNews 0

O início do Corona Open J-Bay, 9ª etapa do WSL Championship Tour, foi adiado no 1º dia do seu prazo, que vai até o dia 21 na África do Sul. As previsões indicam ondas consistentes nesta quarta-feira.

Filipe Toledo em ação. Foto: Alan Van Gysen – World Surf League

TRANSMISSÃO AO VIVO: A próxima foi marcada para as 7h15 da quarta-feira na África do Sul, 2h15 da madrugada no Brasil. O show de surfe dos melhores do mundo nas direitas de Jeffreys Bay será transmitido ao vivo pelo Globoplay e Sportv no Brasil e pelo WorldSurfLeague.com e Aplicativo e YouTube da WSL

As previsões indicavam que um swell consistente já entraria na terça-feira e foram feitas algumas chamadas durante o dia, até o “day-off” ser decretado às 14h15 em Eastern Cape. “O swell (ondulação) está aumentando, mas muito devagar”, disse Renato Hickel, diretor de circuitos e competições da WSL. “As séries não estão consistentes o suficiente para realizar todas as baterias da primeira fase e queremos oferecer uma oportunidade justa para todos surfarem. A expectativa é grande para que amanhã (quarta-feira) as condições estejam melhores, então vamos aguardar”.

O Brasil vem dominando esta etapa da África do Sul nas longas direitas de Supertubes e conquistou os títulos das três últimas edições. O atual líder do ranking, Filipe Toledo, mostrou uma nova abordagem para surfar as ondas tubulares de Jeffreys Bay, usando os aéreos também para potencializar as notas. Filipe foi bicampeão da etapa sul-africana em 2017 e 2018 e Gabriel Medina confirmou o tri do Brasil em 2019, numa final verde-amarela com Italo Ferreira. Medina se contundiu no Oi Rio Pro em Saquarema e não vai defender o título no Corona Open J-Bay.

Gabriel Medina em ação. Foto: Pierre Tostee – World Surf League

Com a sua ausência, Yago Dora ganhou mais uma chance de competir no WSL Championship Tour de 2022 e vai substituir o tricampeão mundial. O catarinense está escalado na segunda bateria, com o campeão olímpico e vice-campeão da última etapa da África do Sul, Italo Ferreira. Os dois vão enfrentar um bicampeão em Jeffreys Bay, o sul-africano Jordy Smith. Nesta rodada inicial, o vencedor das baterias avança direto para as oitavas de final, mas quem perder terá uma segunda chance de classificação na repescagem.

Se o Corona Open J-Bay for iniciado pela categoria masculina, a “seleção brasileira” já vai estrear na primeira bateria, com Jadson André enfrentando ao norte-americano Griffin Colapinto e ao sul-africano Matthew McGillivray. Na segunda, tem Brasil em dose dupla com Italo Ferreira e Yago Dora. E na quarta, Filipe Toledo inicia a defesa da liderança do ranking vestindo a lycra amarela contra o californiano Nat Young e o sul-africano Joshe Faulkner.

Os surfistas da “seleção brasileira” vão abrir e fechar a rodada de apresentação dos melhores surfistas do mundo no Corona Open J-Bay. Caio Ibelli está na sexta bateria com o japonês Kanoa Igarashi e o havaiano Seth Moniz, que está voltando de contusão. Na sétima, o vice-campeão do Oi Rio Pro em Saquarema, Samuel Pupo, enfrenta o australiano Callum Robson e o americano Jake Marshall. E seu irmão, Miguel Pupo, fecha a primeira fase com o australiano Connor O´Leary e o onze vezes campeão mundial, Kelly Slater.

Caso a direção técnica da World Surf League decida começar o Corona Open J-Bay pela categoria feminina, a “seleção brasileira” vai iniciar a busca pelo título na África do Sul somente na quarta e última bateria da primeira fase. Tatiana Weston-Webb foi escalada para disputar a quarta e última vaga direta para as quartas de final, com a bicampeã mundial Tyler Wright e a norte-americana Lakey Peterson.

Tatiana Weston-Webb em ação. Foto: Kelly Cestari – World Surf League

RIP CURL WSL FINALS: O Corona Open J-Bay é a penúltima etapa para definir os top-5 e as top-5 do ranking, que vão disputar os títulos mundiais da temporada no Rip Curl WSL Finals. As decisões serão realizadas em um único dia no período de 8 a 16 de setembro, o que tiver as melhores ondas em Lower Trestles, na Califórnia, Estados Unidos. Com o terceiro lugar nas semifinais do Oi Rio Pro em Saquarema, a atual vice-campeã mundial, Tatiana Weston-Webb, subiu da nona para a sexta posição no ranking, na porta de entrada das top-5.

Apenas Filipe Toledo e Carissa Moore já confirmaram seus nomes no Rip Curl WSL Finals, ambos na etapa brasileira do Championship Tour realizada com grande sucesso na Praia de Itaúna sempre lotada em Saquarema. O campeão mundial e medalhista olímpico, Italo Ferreira, ocupa a terceira posição no ranking e o próximo brasileiro é Miguel Pupo, em nono lugar. Depois da África do Sul, só tem o Outerknown Tahiti Pro nos tubos de Teahupoo, para definir os cinco homens e cinco mulheres que irão disputar os títulos mundiais de 2022 na Califórnia.

PRIMEIRA FASE DO CORONA OPEN J-BAY:

CATEGORIA MASCULINA – 1.o=Oitavas de Final / 2.o e 3.o=Segunda Fase:

1.a: Griffin Colapinto (EUA), Matthew McGillivray (AFR), Jadson André (BRA)
2.a: Italo Ferreira (BRA), Jordy Smith (AFR), Yago Dora (BRA)
3.a: Jack Robinson (AUS), Kolohe Andino (EUA), Luke Thompson (AFR)
4.a: Filipe Toledo (BRA), Nat Young (EUA), Joshe Faulkner (AFR)
5.a: Ethan Ewing (AUS), Barron Mamiya (HAV), Jackson Baker (AUS)
6.a: Kanoa Igarashi (JPN), Caio Ibelli (BRA), Seth Moniz (HAV)
7.a: Callum Robson (AUS), Samuel Pupo (BRA), Jake Marshall (EUA)
8.a: Miguel Pupo (BRA), Connor O´Leary (AUS), Kelly Slater (EUA)

CATEGORIA FEMININA – 1.a=Quartas de Final / 2.a e 3.a=Segunda Fase:

1.a: Stephanie Gilmore (AUS), Brisa Hennessy (CRI), Courtney Conlogue (EUA)
2.a: Carissa Moore (HAV), Gabriela Bryan (HAV), Tia Blanco (EUA)
3.a: Johanne Defay (FRA), Isabella Nichols (AUS), Caroline Marks (EUA)
4.a: Lakey Peterson (EUA), Tatiana Weston-Webb (BRA), Tyler Wright (AUS)

TOP-10 DO WORLD SURF LEAGUE 2022 – 8 etapas:

1.o: Filipe Toledo (BRA) – 50.040 pontos
2.o: Jack Robinson (AUS) – 40.225
3.o: Italo Ferreira (BRA) – 34.385
4.o: Griffin Colapinto (EUA) – 33.480
5.o: Ethan Ewing (AUS) – 30.970
6.o: Kanoa Igarashi (JPN) – 29.440
7.o: John John Florence (HAV) – 29.355
8.o: Callum Robson (AUS) – 28.580
9.o: Miguel Pupo (BRA) – 26.865
10: Connor O´Leary (AUS) – 25.440

Outros brasileiros:

11: Samuel Pupo (BRA) – 25.165
12: Caio Ibelli (BRA) – 24.790
22: Jadson André (BRA) – 16.705
23: Gabriel Medina (BRA) – 14.560
24: Yago Dora (BRA) – 11.795

RANKING WORLD SURF LEAGUE 2022 – 8 etapas:

1.a: Carissa Moore (HAV) – 46.840 pontos
2.a: Johanne Defay (FRA) – 42.865
3.a: Lakey Peterson (EUA) – 36.395
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) – 35.540
4.a: Brisa Hennessy (CRI) – 35.540
6.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) – 32.610
7.a: Isabella Nichols (AUS) – 32.065
8.a: Tyler Wright (AUS) – 31.270
9.a: Gabriela Bryan (HAV) – 30.410
10.a: Courtney Conlogue (EUA) – 29.490

Covid-19: A saúde e segurança dos atletas, staff e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um robusto protocolo de segurança para todos, em relação ao Covid-19.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o www.worldsurfleague.com A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System. A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com

O Corona Open J-Bay tem prazo até o dia 21 de julho para fechar esta nona etapa do World Surf League Championship Tour na África do Sul, realizada com patrocínio da Corona, Pura Vida, Red Bull, Oakley, Hydro Flask, Expedia, além da Kouga Municipality, South Africa Tourism, Eastern Cape Parks e Tourism Agency.

Reportagem: João Carvalho – World Surf League (WSL)

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas