Boost Mobile Margaret River Pro – Toledo77 e Tatiana88, são os campeões da etapa de M.River.

Publicado por AdrenaNews 211 views0

Filipe Toledo e Tatiana Weston-Webb são os merecidos campeões do Boost Mobile Margaret River Pro apresentado por Corona nas ótimas ondas desta segunda-feira em Main Break.

Filipe Toledo ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Os brazucas voltaram a brilhar em ondas australianas. nesta quarta etapa do WSL Championship Tour 2021, que foi finalizado em um grande dia em que mais vez os brasileiros foram ao delírio com o show de surf que os brazucas apresentaram nas ondas de dois metros em Main Break.Tatiana Weston-Webb conquistou sua segunda vitória em um evento do CT em sua carreira, após derrotar a sete vezes campeã mundial Stephanie Gilmore na grande final.

Tatiana Weston-Webb ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

Os brasileiros venceram todas as três etapas da “perna australiana”. O domínio absoluto começou com Ítalo Ferreira ganhando uma final verde-amarela com Gabriel Medina no Rip Curl Newcastle Cup em Newcastle. Depois, Medina venceu a segunda em Sidney, com Tatiana Weston-Webb sendo vice-campeã no Rip Curl Narrabeen Classic. Agora, deu dobradinha com Filipe e Tatiana conquistando os dois títulos do Boost Mobile Margaret River Pro.

A surfista de 25 anos conquistou uma pontuação excelente de 16,23 em duas ondas (de 20 possíveis) contra 15,00 de Gilmore para a vitória no Main Break em Margaret River. “Não posso explicar como isso é incrível”, disse Weston-Webb. “Steph é uma das melhores surfistas de todos os tempos e sempre foi alguém que admirei tanto, então foi incrível enfrentá-la em uma final. Você não costuma surfar contra um campeão da WSL sete vezes, então isso é incrível. Estou muito grata por ter vencido depois de terminar em segundo lugar no último evento. ”

Filipe e Tatiana no abraço de campeões. Foto: Cait Miers – WSL

A caminho de sua vitória na final, Weston-Webb eliminou a herói local Bronte Macaulay nas semifinais. “Quero dizer que esta vitória é para a família Macaulay”, continuou Weston-Webb. “Eu enfrentei Bronte hoje cedo e vê-la aparecer para competir foi muito corajoso. Eu não posso imaginar o que ela está passando. Eles são uma família incrível com muito amor e são uma grande parte do surf aqui no Oeste e meus sentimentos estão com eles. ”

Após a vitória de hoje, Weston-Webb garantiu o seu melhor início de temporada do CT e agora salta para a segunda posição na tabela de classificação. Com o novo formato da Rip Curl WSL Finals, Weston-Webb se colocou em uma posição forte para assegurar a sua vaga e ter a chance de ganhar o titulo mundial.

Filipe Toledo festejou sua oitava vitória da carreira e esteve em grande forma neste ultimo dia, ganhando confiança em cada bateria que surfou e guardando a sua melhor performance para a grande final, postando uma combinação de duas ondas de 17,33 (em 20 possíveis), uma das mais altas das evento e 76ª bateria excelente em sua carreira. Suas rasgadas e batidas fortes de frontside, sua marca registrada, corresponderam nas ondas de Main Break abrindo caminho até a vitória com a segunda maior somatória de todo o evento.

Filipe e Tatiana campeões. Foto: Cait Miers – WSL

Essa era a terceira final que Filipe Toledo enfrentava Jordy Smith e já tinha vencido as outras, no Oi Rio Pro de 2019 em Saquarema e o Hurley Pro at Trestles de 2017 no palco da decisão do título mundial deste ano, que será disputado pelos top-5 do ranking no Rip Curl WSL Finals, em setembro nas ondas de Trestles, na Califórnia, Estados Unidos. Com este resultado Toledo saltou como um foguete da 8ª para a 3ª posição no ranking, enquanto busca uma vaga na WSL Rip Curl Finals no final deste ano. “Esta foi uma semana muito divertida”, disse Toledo. “Tiveram ondas incríveis e um surfe incrível de todos, então chegar em primeiro foi muito bom. Este é para meu filho Koa, hoje é seu aniversário e ele me pediu para ganhar o troféu. Eu prometi a ele que faria e não poderia quebrar a promessa, então esta é para você filho, eu te amo. Esta vitória será um grande salto no ranking para mim, de que eu precisava. Este Tour tem tudo a ver com consistência e se você não aparecer nas Finais com frequência, não chegará entre os cinco, e esse é meu maior objetivo para o ano, dar a mim mesmo essa chance.”

Jordy Smith conseguiu chegar às finais em Margaret River com uma série de margens estreitas o separando de seus oponentes. Foi só na semifinal que ele mostrou a todos que tinha uma chance sólida de vencer no Main Break, uma onda que sempre se adequou ao seu estilo de surf. Na final, Smith não conseguiu encontrar uma resposta para as pontuações massivas de Toledo, mas o sul-africano ainda estava feliz por se encontrar de volta no Dia das Finais pela primeira vez na perna australiana de 2021.

Jordy Smith ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

“Que semana”, disse Smith. “Eu sempre gosto de vir para West da Austrália e é porque aqui oferece ondas como as que tivemos aqui durante todo o campeonato. Eu me diverti muito hoje e estou feliz por chegar a uma final pela primeira vez em sabe-se lá quanto tempo tinha. Em seguida, só preciso ganhar uma destas próximas etapas. Estou muito animado para tentar manter o ímpeto e ir para a Ilha Rottnest e, com sorte, ir melhor lá.”

A sete vezes campeã da WSL, Stephanie Gilmore, obteve seu melhor resultado da temporada e sua melhor colocação em Margaret River, terminando em vice-campeã hoje no Main Break. Em sua 47ª aparição na final, Gilmore estava procurando conquistar sua 32ª vitória no CT, mas não era para Weston-Webb tirar uma de suas maiores performances para superar Gilmore. Gilmore agora irá para o Rip Curl Rottnest Search ocupando o terceiro lugar no ranking mundial, enquanto busca sua primeira vitória desde 2019.

Stephanie Gilmore ação. Foto: Matt Dumbar – WSL

“No início, deixei Tatiana pegar aquele boa quando eu tinha prioridade e ela teve um 8.50”, disse Gilmore. “Isso me confundiu desde o início, mas mantive a certeza de que conseguiria. Sei que posso conseguir um 9.50, mas Tatiana é uma competidora difícil e uma surfista incrível, por isso estou realmente feliz por ter feito a final aqui. Este não é um local forte para mim, então estou muito feliz por ter feito a final aqui pela primeira vez. Tatiana é uma competidora incrível e seu backside é tão forte, especialmente na ultima seção aqui de Main Break, ela sempre foi difícil de derrotar. Estou ansiosa para ir para Rottnest agora e espero superar as quartas de final mais uma vez. ”

RESULTADOS DO ÚLTIMO DIA DO BOOST MOBILE MARGARET RIVER PRO:

Campeão: Filipe Toledo (BRA) por 17,40 pontos (9,00+8,40) – 10.000 pontos
Vice-campeão: Jordy Smith (AFR) com 14,23 pontos (8,00+6,23) – 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos:

1.a: Jordy Smith (AFR) 15.33 x 15.16 Griffin Colapinto (EUA)
2.a: Filipe Toledo (BRA) 15.16 x 13.74 Matthew McGillivray (AFR)

QUARTAS DE FINAL – 5.o lugar com 4.745 pontos:

1.a: Griffin Colapinto (EUA) x w.o John John Florence (EUA)
2.a: Jordy Smith (AFR) 11.00 x 10.90 Ryan Callinan (AUS)
3.a: Matthew McGillivray (AFR) 15.43 x 9.73 Seth Moniz (EUA)
4.a: Filipe Toledo (BRA) 13.90 x 13.73 Ítalo Ferreira (BRA)

DECISÃO FEMININA DO BOOST MOBILE MARGARET RIVER PRO:

Campeã: Tatiana Weston-Webb (BRA) por 16,23 (8,50+7,73) – 10.000 ptos
Vice-campeã: Stephanie Gilmore (AUS) com 15,00 (8,17+6,83) – 7.800 pontos

SEMIFINAIS – 3.o lugar com 6.085 pontos:

1.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) 12.27 x 9.00 Bronte Macaulay (AUS)
2.a: Stephanie Gilmore (AUS) 12.24 x 12.00 Carissa Moore (EUA)

TOP-10 DO RANKING 2021 DA WORLD SURF LEAGUE – 4 etapas:

1.o- Gabriel Medina (BRA) – 28.920 pontos
2.o- Italo Ferreira (BRA) – 24.150
3.o- Filipe Toledo (BRA) – 20.735
4.o- John John Florence (EUA) – 19.395
5.o- Jordy Smith (AFR) – 19.185
6.o- Griffin Colapinto (EUA) – 16.820
7.o- Kanoa Igarashi (JPN) – 16.130
8.o- Ryan Callinan (AUS) – 14.140
8.o- Conner Coffin (EUA) – 14.140
10.o- Frederico Morais (PRT) – 14.055

Outros brasileiros:

12.o- Caio Ibelli (BRA) – 11.290 pontos
13.o- Yago Dora (BRA) – 10.725
15.o- Jadson André (BRA) – 10.225
17.o- Peterson Crisanto (BRA) – 9.300
20.o- Deivid Silva (BRA) – 8.735
23.o- Adriano de Souza (BRA) – 7.670
25.o- Miguel Pupo (BRA) – 7.310
31.o- Alex Ribeiro (BRA) – 4.255

TOP-10 DO RANKING FEMININO DA WORLD SURF LEAGUE:

1.a- Carissa Moore (EUA) – 29.970 pontos
2.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 26.495
3.a- Stephanie Gilmore (AUS) – 22.035
4.a- Caroline Marks (EUA) – 21.305
5.a- Tyler Wright (AUS) – 19.965
6.a- Sally Fitzgibbons (AUS) – 18.185
7.a- Johanne Defay (FRA) – 16.845
8.a- Isabella Nichols (AUS) – 16.200
9.a- Courtney Conlogue (EUA) – 14.485
9.a- Bronte Macaulay (AUS) – 14.485
9.a- Keely Andrew (AUS) – 14.485

PERNA AUSTRALIANA – A próxima etapa continua na região de West Austrália, com o Rip Curl Rottnest Search apresentado pela Corona de 16 a 26 de maio em Rottnest Island.

*Todas as etapas e datas estão sujeitas a alterações devido às restrições aplicáveis relacionadas ao COVID-19, incluindo restrições globais de viagens.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

O Boost Mobile Margaret River Pro apresentando por Corona é orgulhosamente apoiado por nossos parceiros Boost Mobile, Tourism Western Australia, Corona, Red Bull, Oakley, Hydro Flask, Rip Curl, Harvey Norman, Bonsoy, Dometic Outdoor, Bond University, Oakberry, Healthway e Shire of Augusta Margaret River.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com

Reportagem: Edson “Adrena” Andrade e João Carvalho – WSL Latin America

Edição: Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas
mag72