Billabong Pro Pipeline – Moana Jones Wong vence Carissa Moore, em final havaiana.

Publicado por AdrenaNews 0

A havaiana Moana Jones Wong, de apenas 22 anos de idade, fez história com a vitória no Billabong Pro Pipeline. Ela entrou na vaga de convidada desta etapa e no domingo de tubos de 8-10 pés no maior palco do esporte, derrotou a bicampeã mundial Tyler Wright nas semifinais e a pentacampeã Carissa Moore na final.

Moana Jones Wong em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

Moana foi coroada como a “Rainha de Pipeline”, pelo título da primeira etapa feminina do World Surf League Championship Tour realizada junto com a masculina em Pipeline. “Eu nem consigo acreditar. Esse é o melhor momento da minha vida”, disse Moana Jones Wong, ainda dentro d´água sendo entrevistada após a vitória sobre Carissa Moore. “Eu jamais imaginei que poderia conseguir isso, ainda mais contra a Carissa (Moore), a melhor surfista do mundo. Ela é a minha surfista preferida e tudo isso é muito insano de acreditar. Sempre quis fazer uma final em Pipeline com a Carissa, mas nunca pensei que pudesse acontecer”.

Moana Jones Wong e Carissa Moore. Foto: Tony Heff – World Surf League

A havaiana participou do Billabong Pro Pipeline na vaga de convidada, por ter vencido a etapa do WSL Qualifying Series realizada em dezembro em Pipeline. Ela surfa esses tubos desde os 12 anos de idade e essa tinha sido a quarta final dela em etapas do QS em Pipeline. A quinta foi neste domingo, mas agora enfrentando as melhores surfistas do mundo. Moana estreou na mesma bateria da Carissa Moore na primeira fase, já carimbando a faixa da pentacampeã, que se classificou em segundo lugar.

Carissa Moore em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

Depois, passou pela vice-campeã mundial, Tatiana Weston-Webb, nas oitavas de final e pela australiana Isabella Nichols nas quartas de final, sempre surfando lindos tubos nas esquerdas de Pipeline. No domingo não foi diferente. Pegou quatro na semifinal contra Tyler Wright, somando as notas 7,67 e 6,33 dos dois últimos. A bicampeã mundial chegou a tirar a maior nota do último dia, 8,83, num tubaço no Backdoor, porém foi o único que surfou.

Tyler Wright em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

“No sábado, quando vi o Kelly (Slater) ganhando essa prancha (shapeada pela lenda viva do esporte, Gerry Lopez), pensei que queria uma dessa também”, disse Moana Jones Wong, já no pódio do Billabong Pro Pipeline. “Eu já chorei bastante e estou quase chorando de novo. Estou muito feliz e nem sei o que dizer, só agradecer a Deus, minha família e todo mundo que está aqui na praia. Vocês são demais e obrigado especialmente a Pipeline por tudo isso”.

Essa foi a primeira etapa do WSL Championship Tour que Moana Jones Wong participou e já faturou o prêmio máximo de 80.000 dólares, o mesmo valor recebido por Kelly Slater no Billabong Pro Pipeline. A última vitória de uma convidada que não fazia parte do grupo das top-17 da elite mundial, tinha sido em 2010 com Tyler Wright em Sunset Beach, palco da próxima etapa, que começa na sexta-feira (dia 11), o Hurley Pro Sunset Beach.

DECISÃO DO TÍTULO – A histórica primeira etapa completa do CT feminino em Pipeline, foi encerrada com uma decisão havaiana de 40 minutos de duração. Era a número 1 do mundo contra a última na relação das cabeças de chave do evento. A pentacampeã mundial tentou pegar a primeira onda no Backdoor, mas o tubo não rodou. Carissa foi então rebocada pelo jet-ski até o outside, uma grande ajuda para as mulheres no mar pesado do domingo.

Apontada pelo havaiano Jamie O´Brien, como a melhor surfista em Pipeline em todos os tempos, Moana competiu de capacete para se proteger e começou já dropando uma morra, fazendo o primeiro tubo na final. A primeira nota nem havia saído e ela já pegou outro tubão nas esquerdas de Pipeline, para largar na frente com notas 6,67 e 5,33. Carissa tinha perdido para Tyler Wright, a final em Pipe que abriu o CT 2021, então queria a vitória esse ano.

Moana Jones Wong em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

Ela bota pra dentro de backside num tubaço em Pipeline, fica bem profundo, mas o lip a derruba, com os juízes dando apenas 2 pontos. Logo, Moana agita a torcida de novo com um drop insano numa onda grande, da série, porém não conseguiu se encaixar no tubo e a nota 3,33 foi descartada. A bateria chegou na metade com Carissa precisando de uma nota 10 para tirar a vitória da local de Pipeline.

A atual campeã mundial era a recordista absoluta do Billabong Pro Pipeline, com a nota 9,50 de um tubo espetacular surfado no Backdoor e os 14,67 que totalizou nesta mesma bateria das oitavas de final, contra outra havaiana, Bethany Hamilton. Depois, Carissa venceu as quartas de final com uma nota 8,33 também nas direitas do Backdoor. Mas, no domingo as melhores ondas eram as esquerdas de Pipeline.

Foi onde Moana Jones se jogou em outra morra, desta vez ficando mais profundo lá dentro, mas sem conseguiu sair. Carissa também mostra atitude numa direita cavernosa do Backdoor, só que fica lá dentro. Já Moana surfa outro tubaço incrível em Pipeline, com uma intimidade impressionante e iguala o 6,67 da sua maior nota. Com isso, abriu grande vantagem sobre Carissa, que teria que começar do zero, ou seja, surfar dois tubos com notas acima de 6,67.

Moana Jones Wong em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

Só que as séries pararam de entrar por um bom tempo e veio uma quando restavam 2 minutos para o término da bateria. E foi Moana Jones Wong quem fez mais um tubaço em Pipeline, saindo com os braços pra cima saudando a torcida e sempre sorrindo, como se estivesse se divertindo numa das ondas mais perigosas do mundo. Os juízes dão 7,67 para ela festejar o título por 14,34 a apenas 3,73 pontos da pentacampeã mundial, Carissa Moore.

“Eu sinto que estou sempre aprendendo, porque hoje atingi meus limites e achei que as condições estavam muito difíceis para mim”, disse Carissa Moore. “Senti que ganhei um pouco mais de experiência no line-up, surfando apenas com a Moana (Jones Wong) e antes com a Lakey (Peterson) lá fora. Então, só tenho que agradecer a WSL e parabéns para a Moana. Ninguém mais merecia a vitória do que ela, que se dedicou mais do que qualquer outra surfista durante anos aqui em Pipeline. Deu para ver isso. Ela mandou muito bem e mereceu a vitória”.

Lakey Peterson em ação. Foto: Brent Bielmann – World Surf League

Essa parte da história foi escrita no sábado e no domingo foi a vez de Moana Jones Wong registrar seu nome como a primeira campeã de uma etapa feminina do WSL Championship Tour 100% disputada nos tubos mais desejados do mundo. Ela também se tornou a primeira convidada a ganhar uma etapa após 12 anos do título conquistado pela hoje bicampeã mundial Tyler Wright em Sunset Beach, em 2010 quando não era da elite.

GRANDE FINAL DO BILLABONG PRO PIPELINE:

Campeã: Moana Jones Wong (HAV) por 14,34 pts (7,67+6,67) – US$ 80.000 e 10.000 pontos
Vice-campeã: Carisssa Moore (HAV) com 3,73 pts (2,00+1,73) – US$ 45.000 e 7.800 pontos

SEMIFINAIS FEMININAS – 3.o lugar com 6.085 pontos e US$ 25.000:

1.a: Moana Jones Wong (HAV) 14,00 x 9,76 Tyler Wright (AUS)
2.a: Carissa Moore (HAV) 7,84 x 1,26 Lakey Peterson (EUA)

TOP-10 DO WSL CHAMPIONSHIP TOUR 2022:

1.a- Moana Jones Wong (HAV) – 10.000 pontos
2.a- Carissa Moore (HAV) – 7.800
3.a- Tyler Wright (AUS) – 6.085
3.a- Lakey Peterson (EUA) – 6.085
5.a- Johanne Defay (FRA) – 4.745
5.a- Isabella Nichols (AUS) – 4.745
5.a- Malia Manuel (HAV) – 4.745
5.a- Brisa Hennessy (CRI) – 4.745
9.a- Tatiana Weston-Webb (BRA) – 2.610
9.a- Sally Fitzgibbons (AUS) – 2.610

COVID-19 – A saúde e segurança dos atletas, funcionários e da comunidade local, são de extrema importância para a World Surf League, que trabalha em estreita colaboração com as autoridades de saúde locais, para implementar um protocolo mais completo possível para a proteção de todos em relação ao COVID-19. Os procedimentos incluem triagem antes do evento, testes contínuos e controle para a circulação mínima de pessoas no local da competição.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE: Estabelecida em 1976, a World Surf League (WSL) é a casa do melhor surf do mundo. Uma empresa global de esportes, mídia e entretenimento, a WSL supervisiona circuitos e competições internacionais, tem uma divisão de estúdios de mídia que cria mais de 500 horas de conteúdo ao vivo e sob demanda, por meio da afiliada WaveCo, empresa que criou a melhor onda artificial de alto desempenho do mundo.

Com sede em Santa Monica, Califórnia, a WSL possui escritórios regionais na América do Norte, América Latina, Ásia-Pacífico e EMEA. A WSL coroa anualmente os campeões mundiais de surf profissional masculino e feminino. A divisão global de Circuitos supervisiona e opera mais de 180 competições globais a cada ano do Championship Tour e dos níveis de desenvolvimento, como o Challenger Series, Qualifying Series e Junior Series, bem como os circuitos de Longboard e Big Wave.

Lançado em 2019, o WSL Studios é um produtor independente de projetos de televisão sem roteiros, incluindo documentários e séries, que fornecem acesso sem precedentes a atletas, eventos e locais globalmente. Os eventos e o conteúdo da WSL, são distribuídos na televisão linear para mais de 743 milhões de lares no mundo inteiro e em plataformas de mídia digital e social, incluindo o WorldSurfLeague.com. A afiliada WaveCo inclui as instalações do Surf Ranch Lemoore e a utilização e licenciamento do Kelly Slater Wave System.

A WSL é dedicada a mudar o mundo por meio do poder inspirador do surfe, criando eventos, experiências e histórias autênticas, afim de motivar a sempre crescente comunidade global para viver com propósito, originalidade e entusiasmo.

O Billabong Pro Pipeline foi realizado com o patrocínio da Billabong, Red Bull, Expedia, Shiseido, Oakley, Hidro Flask, Flying Embers, Spectrum, 805 e Pura Vida.  Foi assistido AO VIVO pelo WorldSurfLeague.com, pelo WSL app, pelo YouTube da WSL e também pelos canais Sportv no Brasil a partir das quartas de final.

Mais informações sobre o surfe mundial no www.worldsurfleague.com e notícias em português no www.wsllatinamerica.com 

Reportagem: João Carvalho – World Surf League

Edição Textos e Imagens: Edson “Adrena” Andrade

Tenha lindas artes exclusivas